Fatores biopsicossociais na história de vida de mulheres profissionais do sexo

Palavras-chave: Profissionais do sexo, Mulheres, Vulnerabilidade, Prostituição

Resumo

Esta pesquisa, de natureza qualitativa, teve como objetivo compreender os fatores biopsicossociais no contexto de vida de seis profissionais do sexo que atuam em cidades de médio e pequeno porte, baseando-se no Modelo Biopsicossocial para compreender o processo de vida e suas influências em mulheres que exercem a profissão do sexo. A coleta de dados foi realizada por meio de questionário sociodemográfico e por método história de vida, utilizando a análise temática de conteúdo para o tratamento dos dados. Os resultados obtidos se relacionaram aos fatores que envolvem o campo biológico, psicológico e social. A pesquisa permitiu a compreensão da história de vida dessas mulheres, com destaque para ocorrência de dificuldades e sofrimentos.

Referências

Aquino, P. S., Nicolau, A. I. O.,& Pinheiro, A. K. B. (2011). Desempenho das atividades de vida de prostitutas segundo o Modelo de Enfermagem de Roper, Logan e Tierney. Revista Brasileira de Enfermagem 64(1), 136-144. doi: 10.1590/S0034-71672011000100020
Bardin, L. (2009). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.
Bonadiman, P. O. B., Machado, P. S., & López, L. C. (2012). Práticas de saúde entre prostitutas de segmentos populares da cidade de Santa Maria-RS: O cuidado em rede. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 22(2), 779-801. doi: 10.1590/S0103-73312012000200020
Bonifácio, D., &Tilio, R. (2016). Mulheres profissionais do sexo e o consumo excessivo de álcool. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 19(1), 29-43. doi: 10.11606/issn.1981-0490.v19i1p29-43
Brasil. Ministério do Trabalho e Emprego. CBO - Classificação Brasileira de Ocupações, 2002. Retirado de http://www.mtecbo.gov.br/cbosite/pages/legislacao.jsf em 10 de abril de 2017.
Burbulhan, F., Guimarães, R. M., &Bruns, M. A. T. (2012). Dinheiro, afeto, sexualidade: A relação de prostitutas com seus clientes. Psicologia em Estudo, 17(4), 669-677. doi: 10.1590/S1413-73722012000400013
Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. (1998). Brasília. Retirado de http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/Constituicao/Constitui%C3%A7ao.htm em 18 de abril de 2017.
Corrêa, W. H., & Holanda, A. F. (2012). Prostituição e sentido de vida: Relações de significado. Psico-USF, 17(3), 427-435. doi: 10.1590/S1413-82712012000300009
Domingos, S. R. F., &Merighi, M. A. B. (2010). O aborto como causa de mortalidade materna: Um pensar para o cuidado de enfermagem. Escola Anna Nery, 14(1), 177-181. doi: 10.1590/S1414-81452010000100026
Dourado, G. O. L., Melo, B. M. S., Júnior, F. J. G. S., Oliveira, L. C. B., Monteiro, C. F. S., & Araújo, O. D. (2013). Prostituição e sua relação com o uso de substâncias psicoativas e a violência: Revisão integrativa. Revista de Enfermagem UFPE online, 7(5), 4138-43. doi: 10.5205/reuol.4134-32743-1-SM-1.0705esp201306
Garcia, L. P., & Silva, G. D. M. (2016). Mortalidade de mulheres por agressão no Brasil: Perfil e estimativas corrigidas (2011-2013). Texto para discussão, Brasília, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA). ISSN 1415-4765.
Lima, F. S. S., Merchán-Hamann, E.,Urdaneta, M., Damacena, G. N., &Szwarcwald, C.L. (2017). Factors associated with violence against female sex workers in ten Brazilian cities. Cadernos de Saúde Pública, 33(2), 1-16. doi: 10.1590/0102-311x00157815
Madeiro, A. P., & Rufino, A. C. (2012). Aborto induzido entre prostitutas: Um levantamento pela técnica de urna em Teresina - Piauí. Ciência & Saúde Coletiva, 17(7), 1735-1743. doi: 10.1590/S1413-81232012000700012
Martins, E. S. (2010). Os papéis sociais na formação do cenário social e da identidade. Kínesis: Revista de Estudos dos Pós-Graduandos em Filosofia, 2(4), 40-52. Recuperado de http://www.marilia.unesp.br/Home/RevistasEletronicas/Kinesis/Ospapeissociaisnaformacao.pdf em 14 de novembro de 2017.
Matos M., Caetano, K., França D., Pinheiro R., Moraes L., & Teles S. (2013). Vulnerabilidade às Doenças Sexualmente Transmissíveis em mulheres que comercializam sexo em rota de prostituição e turismo sexual na Região Central do Brasil. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 21(4), 906-912. doi: 10.1590/S0104-11692013000400011
Moreira, I. C. C. C., & Monteiro, C. F. S. (2012). A violência no cotidiano da prostituição: Invisibilidades e ambiguidades. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 20(5), 954-960. doi: 10.1590/S0104-11692012000500018
Moura, M. A. V., Netto, L. A., & Souza, M. H. N. (2012). Perfil sociodemográfico de mulheres em situação de violência assistidas nas delegacias especializadas. Escola Anna Nery, 16(3), 435-442. doi: 10.1590/S1414-81452012000300002
Nascimento, S. S., & Garcia, L. G.. (2015). Nas Armadilhas do desejo: Privações e movimentos de jovens prostitutas em zonas rurais. Caderno CRH, 28(74), 383-396. doi: 10.1590/S0103-49792015000200010
Neri, É. A. R., Moura, M. S. S., Penha, J. C., Reis, T. G. O., Aquino, P. S., & Pinheiro, A. K. B. (2013). Conhecimento, atitude e prática sobre o exame papanicolaou de prostitutas. Texto & Contexto - Enfermagem, 22(3), 731-738. doi: 10.1590/S0104-07072013000300020
Paiva, L. L., Araújo, J. L., Nascimento, E. G. C., &Alchieri, J. C. (2013). A vivência das profissionais do sexo. Saúde em Debate, 37(98), 467-476. doi: 10.1590/S0103-11042013000300010
Penha, J. C., Aquino C. B. Q., Neri É. A. R., Reis T. G. O., Aquino P. S., & Pinheiro A. K. B. (2015). Fatores de risco para doenças sexualmente transmissíveis em profissionais do sexo do interior piauiense. Revista Gaúcha de Enfermagem, 36(2), 63-69. doi: 10.1590/1983-1447.2015.02.52089
Salmeron, N. A., & Pessoa, T. A. M. (2012). Profissionais do sexo: Perfil socioepidemiológico e medidas de redução de danos. Acta Paulista de Enfermagem, 25(4), 549-554. doi: 10.1590/S0103-21002012000400011
Santos, I. M. M., & Santos, R. S. (2008). A etapa de análise no método história de vida: Uma experiência de pesquisadores de enfermagem. Texto & Contexto - Enfermagem, 17(4), 714-719. doi: 10.1590/S0104-07072008000400012
Santos, J. P. M. (2016). A prostituição como trabalho marginal. Trabalho de conclusão da graduação em Direito, Universidade Federal de Juiz de Fora, Minas Gerais, Brasil.
Silva, K. A. T., &Cappelle, M. C. A. (2015). Sentidos do trabalho apreendidos por meio de fatos marcantes na trajetória de mulheres prostitutas. Revista de Administração Mackenzie (RAM), 16(6), 19-47. doi:10.1590/1678-69712015/administracao.v16n6p19-47
Silva, S. G. (2010). Preconceito e discriminação: As bases da violência contra a mulher. Psicologia: Ciência e Profissão, 30(3), 556-571. doi:10.1590/S1414-98932010000300009
Sousa, R. M. R. B., Frota, M. M. A., Castro, C., Kendall, B. C., &Kerr, L. R. F. S. (2017). Percepções de mulheres profissionais do sexo sobre acesso do teste HIV: Incentivos e barreiras. Saúdeem Debate, 41(113), 513-525.doi: 10.1590/0103-1104201711313
World Health Organization (1995).Constitution of the world health organization.Geneva: World Health Organization. Recuperado de http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/121457/1/em_rc42_cwho_en.pdf em 17 de abril de 2017.
Publicado
2020-08-30