Práticas de cuidado de crianças com bebês em instituição de acolhimento

Palavras-chave: Cuidado da criança, Criança acolhida, Interação Social

Resumo

Buscando investigar práticas de cuidados de crianças com bebês em acolhimento institucional, conduziu-se estudo de caso exploratório e longitudinal acompanhando Ana, com idade entre 10-12 meses. Por meio de videogravações semanais, em ambiente naturalístico, foram categorizados episódios de cuidado. Três categorias finais foram descritas: cuidados orientados por atenção; cuidados orientados por solicitude (criança atendeu à necessidade expressa do bebê) e; cuidados orientados por tensão (criança agiu frente a um risco ao bebê). Discutiu-se o caráter empático e pró-social destas práticas e seu potencial para promoção do desenvolvimento e aprendizagem das crianças acolhidas e formação da sua rede socioafetiva. Destacou-se, também, o papel mediador do adulto no planejamento do ambiente, da supervisão e da significação das ações das crianças nestes encontros.

Biografia do Autor

Cíntia Carvalho, Universidade Federal do Mato Grosso do Sul.
Professora Adjunta I, do Curso de Psicologia da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul. Doutoranda em Psicologia do Desenvolvimento pelo Programa de Pós-graduação em Psicologia da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo (USP). Mestre em Psicologia Aplicada pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Especialista em Educação Especial pela Universidade de Uberaba (UNIUBE). Graduada em Psicologia pela Universidade Estadual Paulista (UNESP).
Gabriella Garcia Moura, Departamento de Psicologia Social e do Desenvolvimento, Universidade Federal do Espírito Santo.
Professora Adjunta do Depto de Psicologia Social e do Desenvolvimento da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). Doutora e Mestre em Psicologia do Desenvolvimento pelo Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo (USP). Doutorado Sanduiche na Universidade Autónoma de Madrid (UAM). Graduação em Psicologia pela Universidade Estadual Paulista (UNESP).
Kátia de Souza Amorim, Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo.
Professora Livre-docente da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (USP). Doutorado sandwich na Clark University e professora visitante na Utah University. Trabalha na área de Psicologia do Desenvolvimento Humano, atuando principalmente nos seguintes temas: bebês e crianças pequenas, comunicação e significação, construção de vínculos, desenvolvimento, criança com e sem necessidades especiais. É ainda pesquisadora principal do eixo de pesquisas sobre educação e interação social, relativa a crianças com epilepsia, ligado ao Programa CINACPE (programa Interinstitucional de apoio às pesquisas sobre o cérebro) (apoio FAPESP).
Publicado
2020-03-16