A psicanálise de crianças no Brasil: um relato histórico

Palavras-chave: Psicanálise de crianças, história, higiene mental.

Resumo

Apresenta-se um relato histórico sobre os primórdios da Psicanálise de crianças no Brasil, com destaque para os fatores políticos, culturais e sociais que influenciaram o surgimento e desenvolvimento desse campo. Destaca-se o modo como a Psiquiatria, juntamente com a medicina social do século XIX, orientou os pioneiros da Psicanálise de crianças, a partir da concepção da higiene mental escolar e sua ideologia normativa. Conclui-se que apesar da adesão a um discurso adaptacionista em seu surgimento, a Psicanálise de crianças, na atualidade, não comunga mais com um ideal normativo, haja vista que a dimensão pulsional em cada sujeito é incontrolável e responde pela singularidade do sintoma de cada criança, o que impede uma adaptação ao social como almejavam os higienistas.

Biografia do Autor

Daniela Paula do Couto, Universidade Federal de Minas Gerais
Doutoranda em Psicologia pela Universidade Federal de Minas Gerais. Mestre em Psicologia, pela Universidade Federal de São João del-Rei. Psicóloga graduada pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais.
Mardem Leandro Silva, Universidade Federal de Minas Gerais
Doutorando em Psicologia pela Universidade Federal de Minas Gerais. Mestre em Psicologia, pela Universidade Federal de São João del-Rei. Psicólogo graduado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais.

Referências

Abrão, J. L. F. (2001). A história da Psicanálise de crianças no Brasil. São Paulo: Escuta.
Costa, J. F. (1989). Ordem médica e norma familiar (3a ed.). Rio de Janeiro: Edições Graal.
Foucault, M. (1979). Microfísica do Poder. Rio de Janeiro: Edições Graal.
Freud, S. (1996). Três ensaios sobre a teoria da sexualidade. In J. Strachey (Ed. e Trad.). Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud (Vol. 7, pp. 117-231). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1905).
Freud, S. (1996). Introdução a The Psycho-Analytic Method, de Pfister. In J. Strachey (Ed. e Trad.). Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud (Vol. 12, pp. 351-357). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1913).
Freud, S. (1996). Sobre o ensino da Psicanálise nas universidades. In J. Strachey (Ed. e Trad.). Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud (Vol. 17, pp. 183-189). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1919[1918]).
Freud, S. (1996). Dois verbetes de enciclopédia. In J. Strachey (Ed. e Trad.). Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud (Vol. 18, pp. 249-274). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1923[1922]).
Freud, S. (1996). Prefácio a Juventude desorientada, de Aichhorn. In J. Strachey (Ed. e Trad.). Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud (Vol. 19, pp. 303-308). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1925).
Freud, S. (1996). O mal-estar na civilização. In J. Strachey (Ed. e Trad.). Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud (Vol. 21, pp. 65-148). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1930[1929]).
Freud, A. (1971). O tratamento psicanalítico de crianças: preleções técnicas e ensaios. Rio de Janeiro: Imago.
Jorge, M. A. C. (1985). Entrevista de Gastão Pereira da Silva. Revirão, 1, 139-149. Recuperado em 12 de janeiro, 2013, de https://www.yumpu.com/pt/document/view/12768968/entrevista-de-gastao-pereira-da-silva-marco-antonio-coutinho-jorge
Machado, R., Loureiro, A., Luz, R., & Muricy, K. (1978). Danação da norma: medicina social e constituição da Psiquiatria no Brasil. Rio de Janeiro: Edições Graal.
Mokrejs, E. (1993). A Psicanálise no Brasil: As origens do pensamento psicanalítico. Petrópolis, RJ: Vozes.
Nunes, S. A. (1988). Da Medicina Social à Psicanálise. In J. Birman (Coord.). Percursos na história da Psicanálise (pp. 61-122). Rio de Janeiro: Taurus.
Oliveira, C. L. M. V. (2002). A historiografia sobre o movimento psicanalítico no Brasil. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 3, 144-153. Recuperado em 27 de dezembro, 2012, de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-47142002000300144
Perestrello, M. (1992). Encontros: Psicanálise e Marialzira Perestrello. Rio de Janeiro: Imago.
Ramos, A. (1934). Educação e psychanalyse. São Paulo: Companhia Editora Nacional.
Ramos, A. (1954). A criança problema: a higiene mental na Escola primária (4a ed.). Rio de Janeiro: Casa do Estudante do Brasil.
Rocha, G. S. (1989). Introdução ao nascimento da Psicanálise no Brasil. Rio de Janeiro: Forense Universitária.
Sagawa, R. Y. (1989). Os inconscientes no divã da história. Dissertação de mestrado, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP.
Sagawa, R. Y. ([s.d.]). Um recorte da história da Psicanálise do Brasil - Grupo PSI-COC.
Silva, G. P. (1959). 25 anos de Psicanálise. Rio de Janeiro: Livraria Império Editora.
Silva, G. P. (1968). Para compreender Freud. Belo Horizonte: Editora Itatiaia Limitada.
Tadei, E. M. (2002). Uma arqueologia da Psicanálise no Brasil. Dissertação de mestrado, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade São Marcos, São Paulo, SP.
Vale, E. A. N. (2003). Os rumos da Psicanálise no Brasil: um estudo sobre a transmissão psicanalítica. São Paulo: Escuta.
Publicado
2018-12-28
Seção
Artigos