Redes sociais no contexto de uso de drogas entre crianças e adolescentes em situação de rua

  • Yone Gonçalves de Moura
  • Eroy Aparecida da Silva
  • Ana Regina Noto
Palavras-chave: redes sociais, adolescentes em situação de rua, abuso de drogas, etnografia, pesquisa qualitativa.

Resumo

O presente artigo relata que estudos demonstram que o ser humano tende a adoecer quando percebe que sua rede social foi reduzida ou rompida. Neste estudo foram utilizadas duas técnicas qualitativas: observação participante e entrevistas em profundidade, de referencial etnográfico. Dezessete adolescentes foram entrevistados. Os sistemas observados foram compostos por diferentes segmentos sociais que variaram entre a família, escola, serviços de saúde, instituições específicas para pessoas em situação de rua, polícia, comércio, tráfico e, até mesmo, os ambulantes, transeuntes, motoristas (especialmente nos faróis) e os próprios “irmãos” da rua. Para esses adolescentes as situações de vulnerabilidade no ambiente familiar, parecem contribuir para o uso precoce de drogas. A cola apareceu como a droga mais usada pelos adolescentes. Diante disso, é fundamental ressaltar a responsabilidade que as redes sociais têm de auxiliar famílias, crianças e adolescentes para a diminuição da desfiliação social e redução das desigualdades sociais no Brasil.
Publicado
2017-12-06
Seção
Artigos