Repercussões profissionais e cotidianas do adoecimento em pacientes do sexo masculino com câncer avançado

  • Cristine Gabrielle da Costa dos Reis Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)
  • Luísa da Rosa Olesiak Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
  • Alberto Manuel Quintana Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
  • Camila Peixoto Farias Universidade Federal de Pelotas (UFPEL).
Palavras-chave: Neoplasias, hospitalização, atividade-passividade, sofrimento, luto.

Resumo

O câncer é uma doença que provoca diversas repercussões, dentre as quais está o próprio adoecimento, tratamentos e hospitalização. Essas questões
afetam o funcionamento físico e psíquico do sujeito. Nesse sentido, objetivou-se compreender como os pacientes do sexo masculino vivenciam tais
repercussões. Para tanto, foi realizada uma pesquisa qualitativa, exploratória, descritiva com 11 pacientes de um Hospital Escola do interior do Rio
Grande do Sul. As entrevistas foram analisadas por meio da análise temática. Compreendeu-se que, frequentemente, os sujeitos encaram a doença
como uma interrupção da sua vida habitual, impossibilitados de realizar atividades profissionais, cotidianas e de lazer. Assim, ressalta-se a importância
do processo de luto frente às perdas e mudanças como fundamental para o sujeito poder ressignificar sua vida.

Biografia do Autor

Cristine Gabrielle da Costa dos Reis, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)
Mestre em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Doutoranda em Psicologia na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).
Luísa da Rosa Olesiak, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
Mestranda em Psicologia na Universidade Federal de Santa Maria (UFSM).
Alberto Manuel Quintana, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
Professor Titular na na Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Departamento de Psicologia.
Camila Peixoto Farias, Universidade Federal de Pelotas (UFPEL).
Professora na Universidade Federal de Pelotas (UFPEL).

Referências

American Cancer Society. (2014). What is advanced cancer? Recuperado de http://www.cancer.org/treatment/understandingyourdiagnosis/advancedcancer/advanced-cancer-what-is
Angerami-Camon, V. A. (2003). O psicólogo no hospital. In: V. A. Angerami-Camon, F. A. R. Trucharte, R. B. Knijnik & R. W. Sebastiani (Eds.), Psicologia hospitalar: teoria e prática (pp. 01-14¬). São Paulo: Pioneira Thomson Learning.
Bauer, M. W., & Gaskell, G. (2008). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático (7a ed., P. Guareschi, trad.). São Paulo: Vozes.
Bendassoli, P. F. (2011). Crítica às apropriações psicológicas do trabalho. Psicologia & Sociedade, 23(1), 75-84. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/psoc/v23n1/a09v23n1.pdf
Brasil (2016). Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 510, de 7 de abril de 2016. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, Recuperado de http://conselho. saude.gov.br/resolucoes/2016/Reso510.pdf
Câmara, R. de A., & Amato, M. A. P. (2014). A vivência de pacientes com câncer hematológico sob a perspectiva do psicodrama. Revista Brasileira de Psicodrama, 22(1), 85-91.
Cardoso, E. A. D. O., & dos Santos, M. A. (2013). Luto antecipatorio em pacientes com indicacao para o Transplante de Celulas-Tronco Hematopoeticas. Ciência & Saúde Coletiva, 18(9), 2567-2575. Recuperado de: http://www.scielo.br/pdf/csc/v18n9/v18n9a11.pdf
Castro-Arantes, J. de M., & Lo Bianco, A. C. (2013). Corpo e finitude: a escuta do sofrimento como instrumento de trabalho em instituição oncológica. Ciência & Saúde Coletiva, 18(9), 2515-2522. doi: 10.1590/S1413-81232013000900005
Combinato, D. S., & Queiroz, M. de S. (2006). Morte: uma visão psicossocial. Estudos de Psicologia (Natal), 11(2), 209-216. doi: 10.1590/S1413-294X2006000200010
Coutinho, M. C., Krawulski, E., & Soares, D. H. P. (2007). Identidade e trabalho na contemporaneidade: repensando articulações possíveis. Psicologia & Sociedade, 19(spe), 29-37. doi: 10.1590/S0102-71822007000400006
Dóro, P. M., Pasquin, R., Medeiros, C. R., Bitencourt, M. A., & Moura, G. L. (2004). O câncer e sua representação simbólica. Psicologia ciência e profissão, 24(2), 120-134. doi: 10.1590/S1414-98932004000200013
Ferreira, N. M. L., Dupas, G., Costa, D. B., & Sanchez, K. de O. L. (2010). Câncer e família: compreendendo os significados simbólicos. Ciência Cuidado e Saúde, 9(2), 269-277. doi: 10.4025/cienccuidsaude.v9i2.8749
Flach, K., Lobo, B. de O. M., Potter, J. R., & Lima, N. S. (2012). O luto antecipatório na unidade de terapia intensiva pediátrica: relato de experiência. Revista da SBPH, 15(1), 83-100. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-08582012000100006&lng=pt&tlng=pt.
Franqueira, A. M. R., Magalhães, A. S., & Féres-Carneiro, T. (2015). O luto pelo filho adulto sob a ótica das mães. Estudos de Psicologia, 32(3), 487-497. doi: 10.1590/0103-166X2015000300013
Freud, S. (2006). Luto e melancolia. In: S. Freud. Edição Standard das Obras Completas de S. Freud (Vol. XIV). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1917 [1915])
Garcia-Roza, L. A. (2011). Introdução à metapsicologia freudiana 3. Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar.
Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa (4a. ed.). São Paulo, SP: Atlas.
Jaman-Mewes, P., & Rivera, M. S. (2014). Vivir con cancer: una experiencia de cambios profundos provocados por la quimioterapia. Aquichan, 14 (1), 20-31. Recuperado de http://aquichan.unisabana.edu.co/index.php/aquichan/article/view/2394/3374
Kübler-Ross, E. (1981). Sobre a morte e o morrer: O que os doentes terminais têm para ensinar a médicos, enfermeiras, religiosos e aos seus próprios parentes (1a. ed.). São Paulo, SP: Martins Fontes.
Laplanche, J., & Pontalis, J.-B. (2001). Vocabulário de psicanálise. São Paulo, SP: Martins Fontes.
Lerner, K., & Vaz, P. (2017). Minha história de superação: sofrimento, testemunho e práticas terapêuticas em narrativas de câncer. Interface (Botucatu), 21(61), 153-163. doi: 10.1590/1807-57622015.0822
Marques, A. P. F. de S. (2004) Câncer e estresse: um estudo sobre crianças em tratamento quimioterápico. Psicol. hosp., 2(2). Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S167774092004000200006
Martins, A. M., & Modena, C. M. (2016). Esteriótipos de gênero na assistência ao homem com câncer: desafios para a integralidade. Trabalho, educação e saúde, 14(2), 399-420. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1981-7746-sip00110
Mathias, C. V., Girardon-Perlini, N. M. O., Mistura, C., Jacobi, C. da S., & Stamm, B, (2015). O adoecimento de adultos por câncer e a repercussão na família: uma revisão da literatura. Rev. de Atenção à Saúde, 13(45), 80-86. doi: 10.13037/rbcs.vol13n45.2818
Minayo, M. C. S. (2014). O desafio do conhecimento: Pesquisa qualitativa em saúde (14a.ed.). São Paulo: Hucitec.
Modena, C. M., Martins, A. M., Gazzinelli, A. P., & Schall, S. S. L. de A. V. T. (2014). Câncer e masculinidades: sentidos atribuídos ao adoecimento e ao tratamento oncológico. Temas em psicologia, 22(1), 67-78. doi http://dx.doi.org/10.9788/TP2014.1-06
Neimeyer, R. A. (2011). Reconstructing meaning in bereavement: summary of a research program. Estudos de Psicologia, 28(4), 421-426. doi: 10.1590/S0103-166X2011000400002
Parkes, C. M. (1998). Luto: estudos sobre a perda na vida adulta. (Trad. Maria Helena Franco), São Paulo: Summus.
Phillips, E., Montague, J., & Archer, S. (2017). “A peculiar time in my life”: making sense of illness and recovery with gynaecological cancer. International journal of qualitative studies on health and well-being, 12(1). doi: 10.1080/17482631.2017.1364603
Pinheiro, M. T. da. S., Quintella, R. R., & Veezteman. (2010). Distinção Teórico-Clínica entre depressão, luto e melancolia. Psic. Clin., 22(2),147 – 168. doi: 10.1590/S0103-56652010000200010
Quintana, A. M., Kegler, P., Santos, M.S. dos., & Lima, L.D. (2006). Sentimentos e percepções da equipe de saúde frente ao paciente terminal. Paidéia, 16(35), 415-425. doi: 10.1590/S0103-863X2006000300012
Quintana, A. M., Wottrich, S. H., Camargo, V. P., Cherer, E. de Q., & Ries, P. K. (2011). Lutos e lutas: Reestruturações familiares diante do câncer em uma criança/adolescente. Psicol. Argum., 29(65). Recuperado de http://www2.pucpr.br/reol/pb/index.php/pa?dd1=4594&dd99=view&dd98=pb
Reticena, K. de O., Beuter, M., & Sales, C. (2015). Life experiences of elderly with cancer pain: the existential comprehensive approach. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 49(3), 417-423. doi:10.1590/S0080-623420150000300009
Rezende, A. M., Brito, V. F. D.S., Malta, J.D.S., Schall, V.T., & Modena, C. M. (2009). Vivências de crianças e adolescentes com câncer: o desenho fala. Cesumar, 11(1). Recuperado de http://periodicos.unicesumar.edu.br/index.php/iccesumar/article/view/600/764
Salci, M. A., & Marcon, S. S. (2010). A convivência com o fantasma do câncer. Revista Gaúcha de Enfermagem, 31, 18-25. doi: 10.1590/S1983-14472010000100003
Silva, L. F. da., Cabral, L. E. & Christoffel, M. M. (2010) As (im)possibilidades de brincar para o escolar com câncer em tratamento ambulatorial. Acta Paul Enferm, 23(3), 334-40. doi: 10.1590/S0103-21002010000300004
Soares, C. & Afonso, R. M. (2014). Valores associados ao trabalho: Um estudo com a população residente na Covilhã. Aná. Psicológica, 32(1). doi: 10.14417/ap.838
Turato, E. R. (2013). Tratado da metodologia da pesquisa clínico-qualitativa: Construção teórico-epistemológica discussão comparada e aplicação nas áreas da saúde e humanas. (6ª.ed.) Petrópolis, RJ: Vozes.
Whitaker, M. C. O., Nascimento, L. C., Bousso, R. S., & Lima, R. A. G. de. (2013). A vida após o câncer infantojuvenil: experiências dos sobreviventes. Revista Brasileira de Enfermagem, 66(6), 873-878. doi: 10.1590/S0034-71672013000600010
Woodward, K. (2012) Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In: Hall S, Silva TT, Woodward H. Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. (11a.ed.). Petrópolis, RJ: Vozes.
Publicado
2018-04-26