Avaliação da resiliência em Psicologia: revisão do cenário científico brasileiro

Palavras-chave: Avaliação Psicológica, Resiliência, Revisão

Resumo

O termo resiliência tem sido utilizado para referir-se à indivíduos capazes de retomar o equilíbrio emocional após grandes adversidades. Todavia, há
pouco consenso acerca da melhor forma de avaliar esta habilidade. Assim, o presente estudo teve como objetivo analisar a produção científica versada
à avaliação da resiliência no país. Para isto, usou-se as bases de dados: Periódicos CAPES/MEC, Scielo e Pepsic, utilizando as palavras-chave: avaliação
e resiliência. Foram indicadas 314 produções, destas 31 foram selecionadas. Observou-se predominância de estudos empíricos, voltado à adultos,
publicados, em sua maioria (74%), em forma de artigo. A estratégia de avaliação mais utilizada pelos pesquisadores foi a avaliação qualitativa. É
possível concluir que a avaliação da resiliência é um tema em desenvolvimento no cenário nacional.

Biografia do Autor

Karina da Silva Oliveira, Pontifícia Universidade Católica de Campinas
Atualmente cursando doutorado em Psicologia: Ciência e Profissão, sob a linha de pesquisa de Avaliação do Potencial Humano, sendo orientada pela Profa. Dra. Tatiana de Cássia Nakano. Sou graduada em Psicologia, pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas), especialista pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) em Neuropsicologia Aplicada à Neurologia Infantil, e mestre em psicologia pela PUC-Campinas. As linhas de pesquisa nas quais atuo envolvem a avaliação psicológica, construção de instrumentos, criatividade, resiliência, competências socioemocionais e superdotação.
Tatiana de Cássia Nakano, Pontifícia Universidade Católica de Campinas.
Docente do curso de pós-graduação stricto sensu em Psicologia da PUC-Campinas, pesquisadora da linha de Instrumentos e processos em avaliação psicológica. Pós Doutorado na Universidade São Francisco (2009) e Doutorado em Psicologia como Profissão e Ciência (2006) pela PUC-Campinas, durante os quais a pesquisadora desenvolveu teste psicológico para avaliação da criatividade figural de crianças (publicado sob o título "Teste de Criatividade Figural Infantil"). Atua principalmente na área de Avaliação Psicológica, Criatividade, Altas Habilidades /Superdotação, Inteligência, Habilidades Socioemocionais e Psicologia Positiva. Presidente da Associação Brasileira de Criatividade e Inovação (2014-2017) e membro do grupo de trabalho Psicologia Positiva e Criatividade na Anpepp. Já formou 3 doutores, 14 mestres, orientou 28 projetos de iniciação cientifica e 11 trabalhos de conclusão de curso de graduação.

Referências

Afifi, T. O., & MacMillan, H. L. (2011). Resilience following child maltreatment: a review of protective factors. The Canadian Journal of Psychiatry, 56 (5), 266-272. doi: 10.1177/070674371105600505.
Brandão, J. M., Mahfoud, M., & Gianordoli-Nascimento, I. F. (2011). A construção do conceito de resiliência em psicologia: discutindo as origens. Paidéia, 21 (49), 263-271. doi: 10.1590/S0103-863X2011000200014.
Cardozo, G., & Dubini, P. (2006). Promoción de salud y resiliencia en adolescentes desde el âmbito escolar. Psicodebate, 7,21-39.
Carvalho, V. D., Teodoro, M. L. M., & Borges, L. O. (2014). Escala de resiliência para adultos: aplicação entre servidores públicos. Avaliação Psicológica, 13(2), 287-295.
Castro, E. K., & Moreno-Jimenez, B. (2007). Resiliencia en niños enfermos crónicos: aspectos teóricos. Psicologia em Estudo, 12 (1), 81-86.
Charepe, Z. B., & Figueiredo, M. H. J. S. (2010). Promoción de la esperanza y resiliencia familiar: prácticas apreciativas. Investigación y Educación en Enfermería, 28, 250-257.
Connor, K. M., & Davidson, J. R. T. (2003). Development of a new resilience scale: the Connor-Davidson Resilience Scale (CD-RISC). Depression and Anxiety, 18(1), 71-82. doi: 10.1002/da.10113.
Custódio, Z. A. O., Crepaldi, M. A., & Cruz, R. M. (2012). Desenvolvimento de crianças nascidas pré-termo pelo teste Denver-II: revisão da produção científica brasileira. Psicologia: Reflexão e Crítica, 25 (2), 400 – 406. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722012000200022
Deep, C. A. F. N., & Pereira, I. (2012). Adaptação da “The Resilience Scale” para a população adulta portuguesa. Psicologia USP, 23 (2), 417 – 433. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-65642012005000008.
Díaz, S. C. P., Giraldo, A. F. R. & Buitrago, H. C. (2006). Factores resilientes asociados al rendimiento acadêmico en estudiantes pertenecientes a la Universidad de Sucre. Psicologia Caribe, 17, 196-219.
Fiorentino, M. T. (2008). La construcción de la resiliencia en el mejoramiento de la calidad de vida y la salud. Suma Psicologica, 15(1), 95-114. http://dx.doi.org/10.14349/sumapsi2008.18
Greco, C., Morelato, G., & Ison, M. (2006). Emociones positivas: una herramienta psicológica para promocionar el proceso de resiliencia infantil. Psicodebate: Psicologia, Cultura y Sociedad, 7, 81-94.
Hjemdal, O., Roazzi, A., Dias, M. G. B. b., & Friborg, O. (2015). The cross-cultural validity of the Resilience Scales for Adults: a comparison between Norway and Brazil. BMC Psychology, 3 (18), 2 – 9. https://doi.org/10.1186/s40359-015-0076-1
Infante, F. (2007). A resiliência como processo: uma revisão da literatura recente. In A. Melillo & E. N. S. Ojeda (Orgs.), Resiliência – descobrindo as próprias fortalezas (p. 23 – 38). Porto Alegre: Artmed.
Junqueira, M. F. P. S., & Deslandes, S. F. (2003). Resiliência e maus tratos à criança. Cadernos de Saúde Pública, 19 (1), 227-235. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2003000100025
King, L. A., King, D. W., Vogt, D. S., Knight, J., & Samper, R. E. (2006). Deployment risk and resilience inventory: A collection of measures for studying deployment-related experiences of military personnel and veterans. Military Psychology, 18(2), 89-120.
Krentzman, A. R. (2013). Review of the application of Positive Psychology to substance use, addiction, and recovery research. Psychology of Addictive Behaviors, 27 (1), 151 – 165. doi: 10.1037/a0029897
Liborio, R. M. C., & Ungar, M. (2010). Resiliência oculta: a construção social do conceito e suas implicações para práticas profissionais junto a adolescentes em situação de risco. Psicologia: Reflexão e Crítica, 23 (3), 476 – 484. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722010000300008
Lopes, V. R., & Martins, M. C. F. (2011). Validação fatorial da Escala de Resiliência Connor-Davidson (Cd-Risc-10) para brasileiros. Revista Psicologia: Organizações e Trabalho, 11 (2), 36-50.
Luthar, S.; Cicchetti, D.; Becker, B. (2000). The Construct of resilience: A critical evaluation and guidelines for future work. Child Development, 71 (3), 543-558.
Masten, A. S. (2001). Ordinary magic: resilience processes in development. American Psychologist. 56 (3), 227-238.
Oliveira, M. A., & Nakano, T. C. (2011). Revisão sobre criatividade e resiliência. Temas em Psicologia, 19 (2), 467-479.
Oshio, A., Kaneko, H., Nagamine, S., & Nakaya, M. (2003). Construct validity of the Adolescent Resilience Scale. Psychological Reports, 93 (1), 1217-1222. doi: 10.2466/PR0.93.7.1217-1222
Osman, A., Gutierrez, P. M., Muehlenkamp, J. J., Dix-Richardson, F., Barrios, F. X. & Kopper, B. (2004). Suicide resilience inventory – 25: development and preliminary psychometric properties. Psychological Reports, 93 (3), 1349 – 1360. doi: 10.2466/PR0.94.3.1349-1360
Paludo S., & Koller, S. H. (2011). Psicologia positiva, emoções e resiliência. in Dell’Aglio, D. D., Koller, S. H., & Younes, M. A. M. (2011). Resiliência e Psicologia Positiva: interfaces do risco à proteção (pp. 69 – 86). São Paulo: Casa do Psicólogo.
Pereira, M., Cardoso, M. Alves, S., Narciso, I., & Canavarro, M. C. (2013). Estudos preliminares das características psicométricas da Escala de Resiliência para Adultos (ERA). Coimbra: Associação Portuguesa de Psicologia. Retirado de: http://hdl.handle.net/10316/23602
Pereira, M., Cardoso, M., Alves, S., Narciso, I., & Canavarro, M. C. (2013). Estudos preliminares das características psicométricas da Escala de Resiliência para Adultos (ERA). in A. Pereira, M. Calheiros, P. Vagos, I. Direito, S. Monteiro, C. F. Silva, & A. Gomes (Eds.), Livro de atas do VIII Simpósio Nacional de Investigação em Psicologia (pp.93-103). Aveiro: Associação Portuguesa de Psicologia.
Pesce, R. P., Assis, S. G., Santos, N., & Oliveira, R. V. C. (2005). Risco e proteção: em busca de um equilíbrio promotor de resiliência. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 20 (2), 135-143. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-37722004000200006
Poletto, M. & Koller, S. H. (2011). Resiliência: uma perspectiva conceitual e histórica in Dell’Aglio, D. D., Koller, S. H. & Yunes, M. A. M. (2011). Resiliência e psicologia positiva: interfaces do risco a proteção (p. 19 – 44). São Paulo: Casa do Psicológo.
Poletto, M., Wagner, T. M. C., & Koller, S. H. (2004). Resiliência e desenvolvimento infantil de crianças que cuidam de crianças: uma visão em perspectiva. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 20 (3), 241-250. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-37722004000300005
Prince-Embury, S. (2010). Introduction to special issue: assessing resiliency in children and adolecents. Journal of Psychoeducational Assessment, 28 (4), 287-290. https://doi.org/10.1177/0734282910366830
Prince-Embury, S., Saklofske, D. H., & Keefer, K. V. (2017). Tree-factor model of personal resilience. In. U. Kumar (Ed.), The Routledge International Handbook of Psychosocial Resilience (pp. 118-141). New York: Taylor & Francis Group.
Prieto, D. Y. C. (2007). Indicadores de proteção e risco para suicídio por meio de escalas de autorrelato. (Tese de Doutorado). Retirado de: http://hdl.handle.net/10482/1781.
Reppold, C. T., Mayer, J. C., Almeida, L. S., & Huts, C. S. (2012). Avaliação da resiliência: controvérsia em torno do uso de escalas. Psicologia: Reflexão e Crítica, 25 (2), 248 – 255. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722012000200006
Scorsolini-Comin, F., & Santos, M. A. (2010). The scientific study of happiness and health promotion: An integrative literature review. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 18(3), 472-479. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692010000300025
Sapienza, G., & Pedromônico, M. R. M. (2005). Risco, proteção e resiliência no desenvolvimento da criança e do adolescente. Psicologia em Estudo, 10 (2), 209-216. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-73722005000200007
Seligman, M., & Csikszentmihalyi, M. (2000). Positive psychology: an introduction. American Psychologist, 55 (1), 5-14. doi: 10.1037/0003-066X.55.1.5
Truffino, J. C. (2010). Resiliencia: una aproximación al concepto. Psiquiatría y Salud Mental, 3 (4), 145 – 151. doi: 10.1016/j.rpsm.2010.09.003
Valdebenito, E., Loizo, J. M., & García, O. (2007). Factores de resiliencia en familias de personas detenidasdesaparecidas en la dictadura militar 1976-1983 en la Provincia de San Luis. Revista electrónica de psicologia política, 5 (15). Recuperado em 23 de Outubro, 2010, de pepsic.homolog.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S166935822007000300005&lng=pt&nrm=isso
Vergara, S. C. (2008). A resiliência de profissionais angolanos. Revista de Administração Pública, 42 (4), 701 – 718.
Wagnild G. M., & Young H. M. (1993). Development and psychometric evaluation of the Resilience Scale. Journal of Nursing Measurement, 1 (2), 165–178.
Yunes, M. A. M. (2003). Psicologia positiva e resiliência: o foco no indivíduo e na família. Psicologia em Estudo, 8(1), 75-84.
Publicado
2018-04-26