Dissociação Entre Seres Vivos e Artefatos: Investigação de Efeito Categoria Específica no Processamento de Substantivos na Bateria de Memória Semântica de Cambridge

  • Maria Teresa Carthery-Goulart
  • Jaqueline Geraldin Estequi
  • Renata Areza-Fegyveres
  • Amanda Costa Silveira
  • Karolina César
  • Mirna Lie Hosogi Senaha
  • Sonia Brucki
  • Ricardo Nitrini
Palavras-chave: Memória semântica, demência semântica, doença de Alzheimer, avaliação neuropsicológica

Resumo

Este trabalho investigou a existência de dissociação entre seres vivos e artefatos em dois estudos: um com adultos típicos e outro com a descrição de
dois pacientes que receberam diagnósticos de Demência Semântica (DS) ou de Doença de Alzheimer (DA). Para tanto, foram utilizadas as provas
de fluência verbal, nomeação, compreensão e definição da Bateria de Memória Semântica de Cambridge. Entre os adultos típicos, o número de
acertos em seres vivos foi maior na nomeação, definição e fluência verbal. Diante do controle das covariáveis sociodemográficas correlacionadas com
as tarefas, não se encontraram diferenças significativas. Já a investigação dos dois casos identificou diferentes perfis de distúrbio nas provas. Sugere-se
que o paciente com DS teve dupla-dissociação em relação aos controles e à paciente com DA. Os resultados foram discutidos com base em modelos
de organização do conhecimento semântico e correlatos neuroanatômicos.
Publicado
2017-09-27
Seção
Artigos