Bem Estar Pessoal e Sentimento de Comunidade: um estudo psicossocial da pobreza

  • Bárbara Barbosa Nepomuceno Programa de Pós – Graduação em Psicologia da Universidade Federal do Ceará, Fortaleza
  • Marília Studart Barbosa Programa de Pós – Graduação em Psicologia da Universidade Federal do Ceará, Fortaleza
  • Verônica Morais Ximenes Programa de Pós – Graduação em Psicologia da Universidade Federal do Ceará, Fortaleza
  • Antônio Vieira Cardoso Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará, Morada Nova

Resumo

O estudo objetivou analisar as implicações psicossociais da pobreza, a partir do bem estar pessoal e sentimento de comunidade, em populações de comunidades rural e urbana do Ceará (Brasil). A pesquisa quantitativa contou com amostra de 411 sujeitos adultos. Aplicou-se questionários compostos por: itens de identificação, Instrumento de Mensuração da Pobreza Multidimensional, Sense of Community Index (SCI) e Personal Well-Being Index (PWI). Os resultados indicam média de pobreza multidimensional no contexto rural (M=0,28) maior que no urbano (M=0,23), entretanto o primeiro apresenta maiores médias de sentimento de comunidade e bem estar pessoal. Tais categorias apresentam correlação positiva (r=0,305). Os aspectos psicossociais da pobreza interagem com o contexto sociocultural assumindo diferentes configurações nos cenários urbano e rural.

Referências

Accorssi, A. (2011). Materializações do pensamento social sobre a pobreza (Tese de Doutorado). Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Amaro, J.P. (2007). Sentimento Psicológico de Comunidade: uma revisão. Análise Psicológica, 1(25), 25-33.

Bastos, A.C.S, Rabinovich, E.P, & Almeida, M.B. (2011) Living the world of poverty: the researcher as participant/apprentice. Psychology and Developing Societies, 22(2), 221–247.

Bauman, Z. (2008). Vida para o consumo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Benatuil, D. (2003). El bienestar psicológico en adolescentes desde una perspectiva cualitativa. Psicodebate: Psicología, cultura y sociedad, 3, 43-58.

Cidade, E. C. (2012). Juventude em condições de pobreza: modos de vida e fatalismo (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Ceará, Fortaleza.

Cidade, E. C., Moura, J. F., & Ximenes, V. M. (2012). Implicações psicológicas da pobreza na vida do povo Latino-Americano. Psicologia Argumento, 30(68), 87-98.

Couto-Oliveira, V. (2007). Vida de mulher: gênero, pobreza, saúde mental e resiliência. Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica e Cultura). Universidade de Brasília, Brasília.

Cummins, R. A., Eckersley, R., Pallant, J., Van Vugt, J., & Misajon, R. (2003). Developing a national index of subjective wellbeing: the Australian unity wellbeing index. Social Indicators Research. 64, 159–190.

Dela Coleta, J., Lopes, J., & Dela Coleta, M. (2012). Felicidade, bem-estar subjetivo e variáveis sociodemográficas em grupos de estudantes universitários. Psico-USF, 17, 129-139.

Diener, E., & Seligman, M.E.P. (2004). Beyond Money: Toward an economy of well-being. Psychological Science in the Public Interest, 5(1), 1-31.

Elvaz, S., & Moniz, M.J.V. (2010). Sentimento de Comunidade, qualidade de vida e satisfação com a vida. Análise Psicológica, 3 (28), 451-464.

Freitas, M. G., & Montero, M. (2003). Las redes comunitarias. In Montero, M. (Org.) Teoria y práctica de la Psicología Comunitaria: la tensión entre comunidad y sociedad (pp.173-201). Buenos Aires: Paidós.

Garcia, E., & Herrero, J. (2006). La comunidad como fuente de apoyo social: evaluación e implicaciones en los ámbitos individual y comunitario. Revista Latinoamericana de Psicología, 38, 327-342

Góis, C.W.L. (2005). Psicologia Comunitária: atividade e consciência. Fortaleza: Publicações Instituto Paulo Freire.

IPECE. (2012). Perfil Municipal de Fortaleza. Tema VIII: O Mapa da Extrema Pobreza. Informe nº 43. Fortaleza. Recuperado de http://www.ipece.ce.gov.br/informe/Ipece_Informe_43_05_novembro_2012.pdf.

IPECE. (2013). Perfil Básico Municipal – Apuiarés. Recuperado de http://www.ipece.ce.gov.br/perfil_basico_municipal/2013/Apuiares.pdf.

Lever, J.P., Piñol, N.L.G., & Uralde, J.H. (2005). Poverty, psychological resources and subjective well-being. Social Indicators Research, 73(3), 375-408.

Lima, C.M., & Valla, V. (2005). Religiosidade popular e saúde: fome de que? In: Anais Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. Bauru. Recuperado de www.nutes.ufrj.br/abrapec/venpec/conteudo/artigos/3/doc/p637.doc

Loureiro, A.O.F, & Suliano, D.C. (2009). As principais linhas de pobreza utilizadas no Brasil. Nota Técnica Nº 3 do de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE). Governo do Estado do Ceará. Recuperado de
Marante, L.R.P. (2010). A reconstrução do sentido de comunidade: implicações teórico-metodológicas no trabalho sobre a experiência de sentido de comunidade (Dissertação de Mestrado). Universidade de Lisboa, Lisboa.

Martínez, M. M. (2004). Comunidad y bienestar social. In M. Ochoa, M. Olaizola, C. Espinosa; M. Martínez (Orgs.). Introducción a la Psicología Comunitaria (pp. 43-72). Barcelona: Editorial UOC.

McMillan, D.W., & Chavis, D.M.G. (1986). Sense of community: a definition and theory. Journal of Community Psychology, 14, 1-23.

Montero, M.M. (2004). Introducción a la Psicología Comunitaria: desarrollo, conceptos y procesos. Buenos Aires: Paidós.

Morais, S.M.R.B.M. (2010). Viver na Alta de Lisboa: o impacto do Sentimento Psicológico de Comunidade e das relações de vizinhança no Bem-Estar. (Dissertação de Mestrado). Instituto Universitário de Lisboa, Lisboa.

Moura Jr., J., Cidade, E.C., Ximenes, V.M, & Sarriera, J.C. (2014). Concepções de Pobreza: um convite à discussão psicossocial. Temas em Psicologia, 22(2), 341-352.

Nepomuceno, B.B. (2013). Pobreza e saúde mental: uma análise psicossocial a partir da perspectiva dos usuários do Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Ceará, Fortaleza.

Oliveira, G. F., Barbosa, G. A., Souza, L. E. C, Costa, C. L. P., Araújo, R. C. R., & Gouveia, V. V. (2009). Satisfação com a vida entre profissionais da saúde: correlatos demográficos e laborais. Revista Bioética, 17 (2), 319 – 334.

Piovesan, A., & Temporini, E. (1995). Pesquisa exploratória: procedimento metodológico para o estudo de fatores humanos no campo da saúde pública. Rev. Saúde pública, 29(4), 318-325.

Prado, M.A.M. (2005). Movimentos de Massa e Movimentos Sociais: aspectos psicopolíticos das ações coletivas. Revista de Ciências Humanas, (37), 47-65.

Prezza & Contatini (1998). Sense of Community and Life Satisfaction: Investigation in Three Diferent Territorial Contexts. Journal of Community & Applied Social Psychology, 8, 181-194.

Sarason, S. (1974). The psychological sense of community: Prospects for a community psychology. San Francisco: Jossey-Bass.

Sarriera, J. C., Ximenes, V. M., Bedin, L., Rodrigues, A. L., Schütz, F. F., Montserrat, C., & Silva, C. L. (2012). Bem-estar pessoal de pais e filhos e seus valores aspirados. Aletheia, 37, 91-104.

Sen, A. (2010). Desenvolvimento como liberdade. São Paulo: Companhia das Letras.

Silva, L.B., Feitosa, M.Z. de S., Nepomuceno, B.B., Silva, A.M.S., Ximenes, V.M. & Bomfim, Z.A.C. (2016) Apoio Social como modo de enfrentamento à pobreza. In V.M. Ximenes, B.B. Nepomuceno, E.C. Cidade, & J.F, Moura Jr. (Orgs.) Implicações Psicossociais da Pobreza: Diversidades e Resistências. (pp. 289-310). Fortaleza: Expressão Gráfica e Editora.

Soares, S., Souza, L., Silva, W., Silveira, S.G., & Campos, A. (2016). Perfil da Pobreza: Norte e Nordeste Rurais. Brasília: Centro Internacional de Políticas para o Crescimento Inclusivo. Recuperado de: http://www.ipc-undp.org/pub/port/Perfil_da_pobreza_Norte_e_Nordeste_rurais.pdf.

Stotz, E. (2005). Pobreza e capitalismo. In V.V. Valla, E. N. Stotz, & E.B. Algebaile (Orgs.). Para compreender a pobreza no Brasil (pp. 53-72). Rio de Janeiro: Contraponto: Escola Nacional de Saúde Pública, 2005.

Universidade Estadual do Ceará. (2011). Mapa da Criminalidade e da Violência em Fortaleza: perfil da SER V. Recuperado de .

Ximenes, V.M., Moura Jr., J.F., Cruz, J.M., Silva, L.B., & Sarriera, J.C. (2016). Pobreza multidimensional e seus aspectos subjetivos em contextos rurais e urbanos nordestinos. Estudos de Psicologia, 21(2),146-156.

Ximenes, V.M., & Moura Jr, J.F. (2013). Psicologia Comunitária e comunidades rurais do Ceará: caminhos, práticas e vivências em extensão universitária. In F.J.F Leite & M. Dimenstein (Orgs). Psicologia e contextos rurais (pp.453-476). Natal: EDUFRN.
Publicado
2017-07-19
Seção
Artigos