Entre o urbano e o rural: afetações nos encontros de uma pesquisa em saúde

  • Gislene Aparecida Lacerda Escola de Saúde Pública
  • Luciana Kind Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

Resumo

O objetivo deste texto é expor as interações entre pessoas da cidade e do contexto rural, no material empírico de uma pesquisa de orientação etnográfica. O rural é pensado como o lugar do encontro entre o campo e a cidade, como um “espaço singular” e como um modo vida. Apoiadas nas contribuições dos estudos etnográficos utilizou-se neste trabalho recursos como observação participante, descrição densa e entrevistas com os profissionais da equipe de Saúde da Família, que trabalham em povoados de um município de Minas Gerais. Acentua-se do material empírico produzido durante a pesquisa as situações de encontro entre a pesquisadora e os/as integrantes da equipe de saúde com o território e a população rural.

Biografia do Autor

Gislene Aparecida Lacerda, Escola de Saúde Pública
Núcleo de Gestão em Saúde
Luciana Kind, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais
Departamento de Psicologia

Referências

Abramovay, R. (2000). Do setor ao território: funções e medidas da ruralidade no desenvolvimento contemporâneo. Texto para discussão n. 702, IPEA, Rio de Janeiro. Recuperado de: http://www.ipea.gov.br/agencia/images/stories/PDFs/TDs/td_0702.pdf
Caprara, A. & Rodrigues, J. (2004). A relação assimétrica médico-paciente: repensando o vínculo terapêutico. Ciência e Saúde Coletiva, 9(1), 139-146. doi: 10.1590/S1413-81232004000100014.
Carneiro, M. J. (1998). Ruralidades: novas identidades em construção. Revista Estudos Sociedade e Agricultura, 11, 53-75.
Clifford, J. (2008). A experiência etnográfica: antropologia e literatura no século XX. Rio de Janeiro: Editora UFRJ.
Favret-Saada, J. (2005). Ser afetado. Cadernos de Campo, 13, 155-161.
Geertz, Clifford. (1989). A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Zahar.
Gomes, A. M. A., Caprara, A., Landim, L. O. P., & Vasconcelos, M. G. F. (2012). Relação médico-paciente: entre o desejável e o possível na Atenção Primária à Saúde. Physis, 22(3), 1101-1119. doi: 10.1590/S0103-73312012000300014.
Laperrière, Anne (2008). Os critérios de cientificidade dos métodos qualitativos. In J. Poupart et al. (Org.). A pesquisa qualitativa: Enfoque epistemológicos e metodológicos (pp. 410-435). Petrópolis: Vozes.
Laubstein, F. C. (2011). A Ruralidade Ontem e Hoje: uma análise do rural na contemporaneidade. Revista Aurora, Ano V(8), 92-102.
Malinowski, B. (1976). Argonautas do Pacífico Ocidental. São Paulo: Abril Cultural. (Original publicado em 1922).
Martinho Campos. Lei Orgânica do Município de Martinho Campos, de 17 de março de 1990. Recuperado de: http://www.camaramcampos.mg.gov.br/site/documentos/lei_organica_camara_martinho_campos.pdf
Mesquita, A. P. & Ferreira, W. R. (2016). O Município E O Planejamento Rural: o plano diretor municipal como instrumento de ordenamento das áreas rurais. Espaço em Revista, 18(1), 11-32.
Nunes, K. C. S. & Bezerra Neto, L. (2016). Urbano e rural: contradições e influências no (re)pensar da ruralidade no brasil. Revista Exitus, 6(1), 62-76.
Oliveira, R. (2006). O trabalho do antropólogo. Brasília: Editora Unesp.
Passos, R. A. (2015). Cotidiano e saúde (s): Estudo Etnográfico dos usuários do SUS em um Município do Sul de Minas. ( Dissertação de Mestrado) Universidade Federal de Itajubá, Itajubá.
Reigota, M. (1999). Ecologistas. Rio Grande do Sul: editora EDUNISC, 2003.
Silva, A. P. (2011). As relações entre o pequeno município e o espaço rural: Cristais Paulista (SP) – um estudo de caso. (Dissertação de mestrado). Universidade Estadual Paulista, Programa de Pós-graduação em Sociologia, Araraquara, São Paulo.
Spink, P. K. (2003). Pesquisa de campo em psicologia social: uma perspectiva pós-construcionista. Psicologia & Sociedade, 15(2), 18-42.
Sucupira, A.C. (2007). A importância do ensino da relação médico-paciente e das habilidades de comunicação na formação do profissional da saúde. Interface – Comunicação, Saúde e Educação, 11(23), 624-627. doi: 10.1590/S1414-32832007000300016
Veiga, J. E (2002). Cidades imaginárias: o Brasil é menos urbano do que se calcula. Campinas: Autores Associados.
Veiga, José Eli da. (2006). Nascimento de outra ruralidade. Estudos Avançados, 20(57), 333-353. doi: 10.1590/S0103-40142006000200023.
Wanderley, M. N. B. (2000). A emergência de uma nova ruralidade nas sociedades modernas avançadas – o “rural” como espaço singular e ator coletivo. Estudos sociedade e agricultura, 15, 87-146.
Wanderley, M. N. B. (2001). A ruralidade no Brasil moderno por um pacto social pelo desenvolvimento rural. In: N. Giarracca (Org.). Una nueva ruralidad en America Latina? (pp. 31-44). Buenos Aires: Clocso.
Wanderley, M. N. B. (2004). Olhares sobre o “rural” brasileiro. Raízes, 23(01-02), 82-98.
Publicado
2017-12-21
Seção
Artigos