Uma pesquisa-intervenção sobre prevenção às IST/HIV com mulheres lésbicas e bissexuais.

  • Monique Cristina Henares Batista Universidade Estadual do Centro-Oeste (Unicentro)/PR
  • Gustavo Zambenedetti Universidade Estadual do Centro-Oeste (Unicentro)/PR

Resumo

Esta pesquisa buscou discutir formas de prevenção às Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST’s)/HIV entre lésbicas e bissexuais. Foi utilizada pesquisa-intervenção, seguindo o referencial analítico-institucional. Foram selecionadas cinco participantes (duas lésbicas e três bissexuais), com as quais foram realizados três grupos focais. As experiências de prevenção das participantes tiveram caráter prescritivo, biomédico e heteronormativo. Foi relatado falta de preparo dos profissionais de saúde para atendimento dessa população, contribuindo para sua invisibilização e vulnerabilidade. Como efeitos de intervenção da pesquisa, houve a sensibilização das participantes em relação ao tema e o seu deslocamento de uma experiência individual/privada para um plano coletivo. Foi criado um folder,visando constituir-se como um modo de dar visibilidade e inserir as vivências lésbicas e bissexuais no curso histórico

Biografia do Autor

Gustavo Zambenedetti, Universidade Estadual do Centro-Oeste (Unicentro)/PR

Mestre e Doutor em Psicologia Social e Institucional (UFRGS)
Professor do Departamento de Psicologia e do Programa de Mestrado Interdisciplinar em Desenvolvimento Comunitário da Universidade Estadual do Centro-Oeste (Unicentro)/PR.

Referências

Aguiar, K. F., Rocha, M. L. (2003). Pesquisa-intervenção e a produção de novas análises. Psicologia: Ciência e Profissão, 23(4), 64-73.
Almeida, G. E. da S. (2005) Da invisibilidade à vulnerabilidade: percursos do 'corpo lésbico' na cena brasileira face à possibilidade de infecção por DST e AIDS. [Tese de Doutorado, Instituto de Medicina Social, UERJ]. Disponível em http://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/the-3092
Almeida, G., & Heilborn, M. L. (2008). Não somo mulheres gays: Identidade lésbica na visão de ativistas brasileiras. Revista Gênero, 9(1), 225-249.
Anjos, R. H. D. dos., Silva, J. A. de S., Val, L. F. do., Rincon, L. A., Nichiata, L. Y. I. (2012). Diferenças entre adolescentes do sexo feminino e masculino na vulnerabilidade individual ao HIV. Revista da escola de enfermagem da USP, 46(4), 829-837.
Ayres, J. R. C. M., França-Jr, I., Calazans, G. J., & Saletti Filho, H. C. (2008). O conceito de vulnerabilidade e as práticas de saúde: novas perspectivas e desafios. In.: D. Czeresnia, C.M. Freitas (Orgs.). Promoção da saúde: conceitos, reflexões, tendências (pp.121-143). Rio de Janeiro: Ed. Fiocruz.
Ayres, J.R.C.M. (2002). Práticas educativas e prevenção de HIV/Aids: Lições aprendidas e desafios atuais. Interface - Comunição Saúde, Educação, 6(11), 11-24. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/icse/v6n11/01.pdf
Brasil. (1990). Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências.
Brasil. (2014) Boletim epidemiológico: Aids e DST. Disponível em: http://www.aids.gov.br/sites/default/files/anexos/publicacao/2014/56677/boletim_2014_1_pdf _60254.pdf
Brasil. (2007). Plano nacional de enfrentamento à epidemia de Aids e das DST’s entre gays, HSH e travestis. Author. Disponível em: http://www.aids.gov.br/sites/default/files/plano_HSH.pdf
Baremblitt, G. F. (2002). Compêndio de análise institucional e outras correntes: teoria e prática. (5° ed). Belo Horizonte: MG, Instituto Felix Guattari.
Carvalho, C. S., Calderaro, F., & Souza, S. J., (2013). O dispositivo “saúde de mulheres lésbicas”: (in)visibilidade e direitos. Psicologia Política, 13(26), 111-127.
Carvalho, P. M. G., Nóbrega, B. S. M., Oliveira J. L., Almeida, R. O., Abdalla, F. T. M., & Nichiata, L. Y. I. (2013). Prevenção de doenças sexualmente transmissíveis por mulheres homossexuais e bissexuais: estudo descritivo. Online Brazilian Journal of Nursing, 12(4), 931-941.
Czeresnia, D. (2009). O conceito de saúde e a diferença entre prevenção e promoção. In.: D. Czeresnia, C.M. Freitas (Orgs.). Promoção da saúde: conceitos, reflexões, tendências (pp.43-58). Rio de Janeiro: Ed. Fiocruz.
Fisher, R.M.B. (2002). Problematizações sobre o exercício de ver: mídia e pesquisa em educação. Revista Brasileira de Educação, (20), 83 – 94.
Grangeiro, A., Holcman, M. M., Onaga, E. T., Alencar, H. D. R, Placco, A. L. N., & Teixeira, P. R. (2012). Prevalência e vulnerabilidade à infecção pelo HIV de moradores de rua em São Paulo, SP. Revista de Saúde Pública, 46(4), 674-684.
Louro, G. L. (2000) O corpo educado: Pedagogias da sexualidade. (2° ed) Belo Horizonte, MG: Autentica.
Lourau. (1993). Análise Institucional e Práticas de Pesquisa. Rio de Janeiro: UERJ.
Maia, C., Guilhem, D., & Freitas, D. (2008). Vulnerabilidade ao HIV/Aids de pessoas heterossexuais casadas ou em união estável. Revista de Saúde Pública, 42(2), 242-248. doi: 10.1590/0104-1169.2837.2377
Meyer, D. E. E., Mello, D. F., Valadao, M. M., & Ayres, J. R. C. M. (2006). "Você aprende. A gente ensina?" Interrogando relações entre educação e saúde desde a perspectiva da vulnerabilidade. Cadernos de Saúde Pública (FIOCRUZ), 22, 1335-1342.
Mora, C. M., & Monteiro, S. (2013). Homoerotismo feminino, juventude e vulnerabilidade às DSTs/Aids. Revista Estudos Feministas, 21(3), 905-926.
Nardi, H. C., Silveira, R. S., & Machado, P. S. (2013). Diversidade sexual, relações de gênero e politicas públicas. Porto Alegre: RS, Sulina.
Oliveira, J.F., & Paiva, M.S. (2007). Vulnerabilidade de mulheres usuárias de drogas ao HIV/Aids em uma perspectiva de gênero. Esc Anna Nery Revista de Enfermagem, 11 (4), 625 - 31.
Paiva, V. (2000). Fazendo arte com a camisinha: Sexualidades jovens em tempos de Aids. São Paulo: Summus Editorial.
Paiva, V. (2008). A psicologia redescobrirá a sexualidade?. Psicologia em Estudo, 13(4), 641-651.
Riscado, J. L. de S., Oliveira, M. A. B. de., & Brito, A. M. B. B. de. (2010). Vivenciando o racismo e a violência: um estudo sobre as vulnerabilidades da mulher negra e a busca de prevenção do HIV/aids em comunidades remanescentes de Quilombos, em Alagoas. Saude e Sociedade. 19(2), 96-108.
RICH, A. (2010). Heterossexualidade compulsória e existência lésbica. Revista Bagoas - Estudos Gays: Gêneros e Sexualidades, 04(05), 17-44.
Santos, M. A. dos,. (2011). Prostituição masculina e vulnerabilidade às dsts/aids. Texto & contexto - enfermagem., 20(1) 76-84.
Silva, C. M., Lopes, F. M. do V. M., & Vargens, O. M. da C. (2010). A vulnerabilidade da mulher idosa em relação à AIDS. Revista Gaúcha Enfermagem, 31(3), 450-457.
Publicado
2017-12-21
Seção
Artigos