Promoção da Saúde em moradia estudantil: Desafios para o fortalecimento da coletividade

  • Luciana Oliveira de Jesus Universidade Federal de Santa Catarina
  • Daniela Ribeiro Schneider Universidade Federal de Santa Catarina
  • Luiza Harger Barbosa Universidade Federal de Santa Catarina
  • Francine Simon Universidade Federal de Santa Catarina
  • Daniele Souza Steglich Universidade Federal de Santa Catarina

Resumo

Moradias universitárias atuam como via de inclusão social por possibilitarem a permanência dos alunos em situação de vulnerabilidade socioeconômica. No entanto, moradores relatam o enfrentamento de preconceitos, dificuldades de convivência, e diversas formas de sofrimento. O objetivo deste relato de experiência é partilhar a realização de um projeto de pesquisa e extensão focado no desenvolvimento de ações em promoção da saúde numa moradia estudantil. A entrada no campo e os instrumentos de diagnóstico situacional foram realizadas entre 2015 e 2016, com a participação de residentes, técnicos e gestores da moradia, e contribuíram para o levantamento e planejamento de intervenções com as demandas psicossociais apresentadas pelos moradores, visando fortalecer ações coletivas que sirvam como fator de proteção para
vulnerabilidades psicossociais.

Biografia do Autor

Luciana Oliveira de Jesus, Universidade Federal de Santa Catarina

Psicóloga, doutoranda em Psicologia pelo Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

 
Daniela Ribeiro Schneider, Universidade Federal de Santa Catarina
Psicóloga, professora do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Coordenadora do Nùcleo de Pesquisa em Clínica da Atenção Psicossocial - PSICLIN/UFSC. Bolsista produtividade em pesquisa 2 pelo CNPQ 
Luiza Harger Barbosa, Universidade Federal de Santa Catarina
Graduanda em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina
Francine Simon, Universidade Federal de Santa Catarina
Graduanda em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina
Daniele Souza Steglich, Universidade Federal de Santa Catarina
Graduanda em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina

Referências

Amarante, P. (2013). Saúde mental e atenção psicossocial. Rio de Janeiro: Fiocruz.
Ayres, J. R. C. M., Júnior, F. R., Calazans, G. J. & Filho, H. C. S. (2009). O conceito de vulnerabilidade e as práticas de saúde pública: perspectivas e desafios. In Czeresnia, D.; Freitas, C.M. (Orgs.). Promoção da saúde: conceitos, reflexões, tendências (pp.117-39). Rio de Janeiro: Fiocruz.
Baremblitt, G. (2002). Compêndio de Análise Institucional e outras Correntes. Belo Horizonte: editora Instituto Félix Guattari.
Berlatto, F. & Sallas, A. L. F. (2008). Um lar em terra estranha: Espaço e sociabilidade em uma casa de estudantes feminina. Revista Chilena de Antropologia Visual, (12), 48-69. Recuperado em 29 de abril de 2015, de http://www.rchav.cl/imagenes12/imprimir/berlatto_&_fayet.pdf
Buss, P.M. (2009). Uma introdução ao conceito de Promoção de Saúde. In Czeresnia, D.; Freitas, C. M. (Orgs.). Promoção da saúde: conceitos, reflexões, tendências (pp. 19-42). 2a. Edição. Rio de Janeiro: Fiocruz.
Carvalho, A. I & Buss, P. M. (2009). Determinantes sociais na saúde, na doença e na intervenção. In Giovanella L et al (Orgs). Políticas e Sistema de Saúde no Brasil (pp. 141-166). Rio de Janeiro: Editora Fiocruz.
Czeresnia, D., Maciel, E. M. G. S & Oviedo, R. A. M. (2013). Os sentidos da saúde e da doença. Rio de Janeiro: Fiocruz.
Conselho Federal de Psicologia, CFP. (2011). Contribuições do Conselho Federal de Psicologia para a constituição da Rede de Atenção Psicossocial no Sistema Único de Saúde a partir do Decreto 7.508/2011. Brasília: Conselho Federal de Psicologia.
Cordioli, S (2001). Enfoque participativo, um processo de mudança: conceitos, instrumentos e aplicação prática. Porto Alegre: GENESIS.
Costa, E.B.O & Rauber, P. (2009). História da educação: surgimento e tendências atuais da universidade no Brasil. Revista Jurídica UNIGRAN, 11(21), 241-253. Recuperado em 2 de fevereiro de 2016, de http://www.unigran.br/revista_juridica/ed_anteriores/21/artigos/artigo15.pdf
Fernandes, L. L. (2009). Gestão do conhecimento em projetos de extensão universitária direcionados às pessoas com deficiencia (Tese de Doutorado). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.
Garrido, E. N (2015). A Experiência da Moradia Estudantil Universitária: Impactos sobre seus Moradores. Psicologia: Ciência e Profissão, 35(3), 726-739. Recuperado em 29 de abril de 2015, de http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-98932015000300726&script=sci_abstract&tlng=pt
Greacen, T., Jouet, E., Ryan, P.; Cserhati, Z., Grebenc, V., Grifftins, C., Hansen, B., Leahy, E., Da Silva, K.M., Sabia, A., De Marco, A., & Flores, P. (2012). Developing European guidelines for training care professionals in mental health promotion. BMC Public Health, 27(12), 1-10.
Laranjo, T.H.M. & Soares, C.B. (2006). Socialização e drogas em moradias universitárias. Rev Saúde Pública, 40(6), 1027-34. Recuperado em 29 de abril de 2015, de http://www.scielo.br/pdf/rsp/v40n6/10.pdf
Leite, J. L. (2012). Política de Assistência Estudantil: direito da carência ou carência de direitos? SER Social, 14(31), 453-472. Recuperado em 20 de junho de 2015 http://periodicos.unb.br/index.php/SER_Social/article/viewFile/4052/6485
Lourau, R. (1993). Análise Institucional e práticas de pesquisa. Rio de Janeiro: UERJ.
Mendes, R., Pezzato, L.M & Sacardo, D.P. (2016). Pesquisa-intervenção em promoção da saúde: desafios metodológicos de pesquisar “com”. Ciência & Saúde Coletiva, 21(6):1737-1745. Recuperado em 20 de março de 2017, de http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-81232016000601737&script=sci_abstract&tlng=pt
Osse, C. M. C & Costa, I. I. (2011). Saúde mental e qualidade de vida na moradia estudantil da Universidade de Brasília. Estudos de Psicologia, 28(1), 115-122. Recuperado em 30 de abril de 2015, de http://www.scielo.br/pdf/estpsi/v28n1/a12v28n1.pdf
Paiva, V. S. F. (2013). Psicologia na Saúde: Sociopsicológica ou Psicossocial? Inovações do Campo no Contexto da Resposta Brasileira à Aids. Temas em Psico, 21(3), 531-49.
Ponte, A. Q., Bomfim, Z. Á. C. & Pascual, J. G. (2009). Considerações teóricas sobre identidade de lugar à luz da abordagem histórico-cultural. Psicol. Argum, 27(59), 345-354. Recuperado em 30 de março de 2017, de http://www2.pucpr.br/reol/pb/index.php/pa?dd1=3375&dd99=view&dd98=pb
Rocha, M. L (2006). Psicologia e as práticas institucionais: A pesquisa-intervenção em movimento. Psico, 37(2), 169-74. Recuperado em 17 de maio de 2016, de http://revistaseletronicas.pucrs.br/fale/ojs/index.php/revistapsico/article/view/1431
Rocha, M. L (2003). Pesquisa-Intervenção e a Produção de Novas Análises. Psicologia Ciência e Profissão, 23 (4), 64-73. Recuperado em 17 de maio de 2016, de http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-98932003000400010&script=sci_abstract
Schneider, D. R. (2015). Da saúde mental à atenção psicossocial: trajetórias da prevenção e da promoção de saúde. In Murta, S. G., Leandro-França, C., Santos, K. B. & Polejack, L. (Orgs). Prevenção e promoção em saúde mental: fundamentos, planejamento e estratégias de intervenção (pp. 34-53). Novo Hamburgo: Sinopsys.
Shaikh, B. T & Deschamps, J. (2006). Life in a University Residence: Issues, Concerns and Responses. Education for Health, 19(1), 43-51.
Sousa, L. M & Sousa, S. M. G. (2009). Significados e sentidos das casas estudantis e a dialética inclusão-exclusão. Psicologia Ciência e Profissão, 29 (1), 4-17. Recuperado em 2 de maio de 2015, de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932009000100002
Thiollent, M. J. M. (1988). Metodologia da pesquisa-ação. 4. ed. São Paulo: Cortez. 108 p. (Coleção Temas básicos).
Vasconcelos, N. B. (2010). Programa nacional de assistência estudantil: uma análise da evolução da assistência estudantil ao longo da história da educação superior no Brasil. Ensino Em-Revista, 17(2), 599-616. Recuperado em 20 de junho de 2015, de http://www.seer.ufu.br/index.php/emrevista/article/view/11361
Vasconcellos, H. S. R. de. (1998). A pesquisa-ação em projetos de educação ambiental, In: Pedrini, A.G. (Org). Educação ambiental: reflexões e práticas contemporâneas. Petrópolis: Vozes.
Westphal, M. F. (2006). Promoção de Saúde e Prevenção de Doenças. In Campos, G. W.S. et al (Orgs). Tratado de Saúde Coletiva (pp. 635-668). São Paulo: Hucitec; Rio de Janeiro: Ed. Fiocruz.
Publicado
2017-12-21
Seção
Artigos