PRÁTICAS COMUNITÁRIAS PARTICIPATIVAS E REARRANJOS DE TRABALHO: ACOLHIMENTO COLETIVO DO IDOSO

  • Lara Monteiro Schuck - http://orcid.org/0000-0003-3968-0499
  • Marta Marcantonio Unidade Básica de Saúde. Grupo Hospitalar Conceição.
  • Laura Garcia de Freitas Núcleo de Apoio à Saúde da Família. Prefeitura de São Leopoldo

Resumo

O presente relato de experiência aborda um processo de mudança de fluxo para marcação de consultas do idoso numa Unidade Básica de Saúde do município de Porto Alegre (RS), dispositivando-o como mecanismo de participação comunitária, fortalecimento e apropriação coletiva do processo saúde-adoecimento, bem como da política do Sistema Único de Saúde (SUS). A partir do relato desta experimentação, erigida em discussões na equipe e no Conselho Local de Saúde, buscamos visibilizar e discutir potências e entraves na proposição de espaços coletivos de emancipação na atenção básica, a partir de necessidades em saúde.

Biografia do Autor

Lara Monteiro Schuck, -
Psicóloga graduada pela UFCSPA. Especialista em Saúde da Família e Comunidade pela Residência Integrada em Saúde do Grupo Hospitalar Conceição. Especialização em andamento em Gestão de Organização Pública em Saúde pela UFSM.
Marta Marcantonio, Unidade Básica de Saúde. Grupo Hospitalar Conceição.

Psicóloga, graduada pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). Especialista em Saúde Pública.

Laura Garcia de Freitas, Núcleo de Apoio à Saúde da Família. Prefeitura de São Leopoldo

Nutricionista, graduada pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). Especialista em Saúde da Família e Comunidade pelo Grupo Hospitalar Conceição (GHC).

Referências

Alvarenga, M. L., Rodrigues, J. L. R., Soares, M., Dalat, R., Magalhães, R., & de Medeiros, T. L. (2017). Participação social através da criação de um conselho de saúde: relato de experiência. JMPHC| Journal of Management & Primary Health Care, 7(1), 102-102.
Batistoni,S.S.T. & Neri, A.L. (2007) Percepção de classe social entre idosos e suas relações com aspectos emocionais do envelhecimento. Psicologia em Pesquisa UFJF, 1(2), 3-10.
Bender, K.G., dos Santos, A.C., Dutra, B.D., Alves, L.M.S., Assunção, A.N., & Krug, S.B.F. (2016) Condições e modificações no processo de trabalho: concepções de Agentes Comunitários de Saúde. Revista Jovens Pesquisadores, 6(2), 45-59.
Brasil (2009) Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. O trabalho do agente comunitário de saúde. Brasília: Ministério da Saúde.
Brasil (2013a) Ministério da saúde. Conselhos de Saúde: a responsabilidade do controle social democrático do SUS (2ª ed.) Brasília: Ministério da Saúde.
Brasil (2013b) Ministério da saúde. Cadernos de Atenção Básica: Acolhimento a demanda espontânea (1ª ed.) Brasília: Ministério da Saúde.
Ceccim, R. B., & Feuerwerker, L. C. (2004). O quadrilátero da formação para a área da saúde: ensino, gestão, atenção e controle social. Physis, 14(1), 41-65.
Coelho, M. O., & Jorge, M. S. B. (2009). Tecnologia das relações como dispositivo do atendimento humanizado na atenção básica à saúde na perspectiva do acesso, do acolhimento e do vínculo. Ciênc. saúde coletiva, 14(1), 1523-1531.
Medeiros, S. M. D., & Rocha, S. M. M. (2004). Considerações sobre a terceira revolução industrial e a força de trabalho em saúde em Natal. Ciência & Saúde Coletiva, 9(2), 399-409.
dos Reis, M. A. S. D., Fortuna, C. M., Oliveira, C. T., & Durante, M. C. (2007). A organização do processo de trabalho em uma unidade de saúde da família: desafios para a mudança das práticas. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, 11(23), 655-666.
Franco, T. B., Bueno, W. S., & Merhy, E. E. (1999). O acolhimento e os processos de trabalho em saúde: o caso de Betim, Minas Gerais, Brasil “User embracement” and the working process in health: Betim’s case, Minas Gerais, Brazil. Cad. saúde pública, 15(2), 345-353.
Franco, T. B., & Merhy, E. E. (2005). A produção imaginária da demanda e o processo de trabalho em saúde. In: Pinheiro, R. & Mattos, R.A. (orgs.) Construção social da demanda: direito à saúde, trabalho em equipe, participação e espaços públicos (pp. 181-193). Rio de Janeiro: Cepesc/Uerj/Abrasco.
Lara, R. (2011). Saúde do trabalhador: considerações a partir da crítica da economia política. Revista Katálysis, 14(1), 78-85.
Lei nº 7508, de 28 de junho de 2011 (2011). Regulamenta a Lei no 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde - SUS, o planejamento da saúde, a assistência à saúde e a articulação interfederativa, e dá outras providências. Recuperado em 02.06.2017 em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/decreto/d7508.htm.
Lopes, D. D., Rodrigues, F.D. & Barros, N.D.V.M. (2012) Para além da Doença: Integralidade e Cuidado em Saúde. Psicologia em Pesquisa UFJF, 6(1), 68-73.
Machado, L. M., Colomé, J. S., Silva, R. M. D., Sangoi, T. P., & Freitas, N. Q. (2016). Significados do fazer profissional na estratégia de saúde da família: atenção básica enquanto cenário de atuação. Rev. pesqui. cuid. fundam.(Online), 4026-4035. Recuperado em 22.05.2017 em http://www.seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/download/3384/pdf_1830.
Medeiros, R.H.A., Iung, A.M.B. & Comunello, L.N. (2007) A Espera: projeto e ação de acolhimento a partir da escuta da população. Psico, 38(1), 17-24.
Oliveira, R.A. (2016) Intervenção de estágio na Unidade Básica de Saúde da Família (UBSF) Campos Sales: Fomentando a capacidade crítica, política, e democrática dos usuários da Unidade. Trabalho de Conclusão de Curso, Recuperado em 18.04.2017, em http://dspace.bc.uepb.edu.br/jspui/handle/123456789/10339.
Oliveira, K. A. S., de Godoi Floresta, A. C., de Oliveira, M. C., de Souza, V. S., & de Vasconcelos Freira, P. (2017). Acolhendo as necessidades de saúde: um relato de experiência. JMPHC| Journal of Management & Primary Health Care, 7(1), 95-95.
Tavares, L.A.T. (2010) A depressão como “mal estar” contemporâneo: medicalização e (ex)-sistência do sujeito depressivo. São Paulo: Cultura Acadêmica.
Publicado
2017-12-21
Seção
Artigos