Diálogos sobre sexualidade na escola: uma intervenção possível

  • Raquel de Andrade Souza Ew Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
  • Jaqueline Conz Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
  • Aline Daniela Gonçalves de Oliveira Farias Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
  • Paula Biazetto Machado Sombrio Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
  • Kátia Bones Rocha Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Resumo

O objetivo desta intervenção foi implementar oficinas sobre sexualidade em escolas, fundamentadas na metodologia participativa. Foram realizadas 11 oficinas em Porto Alegre, com 349 alunos, organizadas a partir das dúvidas dos adolescentes. As oficinas visaram promover reflexão crítica e autocuidado. Mapearam-se os sentidos associados à palavra sexualidade e principais dúvidas dos jovens. As palavras mais referidas foram: sexo, amor, camisinha, prazer, gênero, homem, mulher, gravidez, doenças e relação. As dúvidas mais frequentes foram: primeira relação sexual, gravidez, cuidados médicos, sexo e drogas, gênero, orientação sexual, cultura e sexualidade, corpo e prazer, infecções sexualmente transmissíveis e violência. Os alunos avaliaram a intervenção positivamente. Os resultados apontam para necessidade de as escolas abordarem o tema da sexualidade, construindo espaços de diálogo

Biografia do Autor

Raquel de Andrade Souza Ew, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Doutoranda em Psicologia Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Integrante do Grupo de Pesquisa Psicologia, Saúde e Comunidades do Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Psicologia da PUCRS.
Jaqueline Conz, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Mestre em Psicologia Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Integrante do grupo de pesquisa Psicologia, Saúde e Comunidades do Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Psicologia da PUCRS. 

Aline Daniela Gonçalves de Oliveira Farias, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Psicóloga pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Integrante do grupo de pesquisa Psicologia, Saúde e Comunidades do Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Psicologia da PUCRS.
Paula Biazetto Machado Sombrio, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Graduanda em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Integrante do grupo de pesquisa Psicologia, Saúde e Comunidades do Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Psicologia da PUCRS.
Kátia Bones Rocha, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Doutora em Psicologia pela Universidade Autônoma de Barcelona.Professora no Programa de Pós-Graduação em Psicologia da PUC-RS. Coordenadora do Grupo de Pesquisa Psicologia, Saúde e Comunidades na PUC-RS.

Referências

Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.
Brasil (2010). Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção em Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Diretrizes nacionais para a atenção integral à saúde de adolescentes e jovens na promoção, proteção e recuperação da saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2010.
Brasil (2015). Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. Boletim Epidemiológico HIV/Aids. Brasília: Ministério da Saúde.
Brasil. (2016). Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. Boletim Epidemiológico Aids e DST. Brasília: Ministério da Saúde. 64p.
Buss, P. M., & Pellegrini Filho, A. (2007). A saúde e seus determinantes sociais. Physis, 17(1), 77-93.Recuperado de http://www.uff.br/coletiva1/DETERMINANTES_SOCAIS_E_SAUDE.pdf
Camargo, E. A. I., & Ferrari, R. A. P. (2009). Adolescentes: conhecimentos sobre sexualidade antes e após a participação em oficinas de prevenção. Ciência & Saúde Coletiva, 14(3), 937-946. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/csc/v14n3/30.pdf
Castro, D. M. F., & Katz, R. (2015). Espaço Livre de Orientação em Saúde e Sexualidade – ELOSS – e Programa de Orientação em Sexualidade, Prevenção de DST/AIDS e Distribuição de Preservativos – PROSS. Adolescência & Saúde, 12(1), 23-31. Recuperado de http://www.adolescenciaesaude.com/detalhe_artigo.asp?id=487
Chaveiro, L. G. (2011). A temática sexualidade no contexto escolar: diagnóstico situacional na região leste de Goiânia, Goiás (Dissertação de mestrado). Faculdade de Enfermagem, UFG, Goiânia. Recuperado de https://repositorio.bc.ufg.br/tede/handle/tde/706
de Oliveira Júnior, I. B., & Maio, E. R. (2017). “Não vai ser permitido a nenhum órgão do governo fazer propaganda de opções sexuais”: o discurso inaugural no “desagendamento” do kit gay do MEC. Revista e-Curriculum, 15(1), 125-152. http://dx.doi.org/10.23925/1809-3876.2017v15i1p125-152
Figueiró, M. N. D. (2006). Educação sexual: como ensinar no espaço da escola. Revista Linhas, 7(1), online. Recuperado de http://www.periodicos.udesc.br/index.php/linhas/article/view/1323
Freire, P. (2001). Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo, SP: Paz e Terra.
Freitas, K. R., & Dias, S. M. Z. (2010). Percepções de adolescentes sobre sua sexualidade. Texto & Contexto Enfermagem, 19(2), 351-357. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/tce/v19n2/17.pdf
Freitas, D. L. (2012). Pressupostos de uma Formadora em Educação Sexual. Lições da Prática. Que Rastros Temos Deixado Pelo Caminho? Contexto e Educação, 27(88), 35-61. Recuperado de file:///C:/Users/15191102/Downloads/366-4385-1-PB.pdf
Garcia, A. M. (2005). A Orientação Sexual na Escola: Como os professores, alunos e pais percebem a sexualidade e o papel da escola na orientação sexual (Dissertação de mestrado), Faculdade de Ciências, UNESP, São Paulo. Recuperado de http://repositorio.unesp.br/handle/11449/90900
Gonçalves, R. C., Faleiro, J. H., & Malafaia, G. (2013). Educação sexual no contexto familiar e escolar: impasses e desafios. Holos, 5, 251-263. Recuperado de http://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/HOLOS/article/view/784
Hoffmann, A. C. O. S., & Zampieri, M. F. M. (2009). A atuação do profissional da enfermagem na socialização de conhecimentos sobre sexualidade na adolescência. Rev. Saúde Pública, 2(1), 56-69. Recuperado de http://esp.saude.sc.gov.br/sistemas/revista/index.php/inicio/article/viewFile/34/59
Jeolás, L. S., & Ferrari, R. A. P. (2003). Oficinas de prevenção em um serviço de saúde para adolescentes: espaço de reflexão e de conhecimento compartilhado. Ciência & Saúde Coletiva, 8(2), 611-620. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/csc/v8n2/a21v08n2.pdf
Louro, G.L. (org, 2013). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica.
Madureira, L., Marques, I. R., & Jardim, D. P. (2010). Contracepção na adolescência: conhecimento e uso. Cogitare Enfermagem, 15(1), 100-105. Recuperado de http://revistas.ufpr.br/cogitare/article/view/17179/11314
Mano, M. K.(2017). Da suspeição à suspensão: reflexões sobre os caminhos recentes da democracia brasileira sob uma perspectiva de gênero. Ciência e Cultura, 69(1) , 34-38 . http://dx.doi.org/10.21800/2317-66602017000100014
Mantovani, G. D., Tres, B., Silva, R. M. M., & Moura, C. B. (2014). Comparação de dúvidas sobre sexualidade entre crianças e adolescentes. Contexto & Educação, 29(92),72-90. Recuperado de https://www.revistas.unijui.edu.br/index.php/contextoeducacao/article/view/2968/3622
Martins, C. B. G., & Souza, S. P. S. (2013). Adolescente e Sexualidade: as possibilidades de um projeto de extensão na busca de uma adolescência saudável. Avances en Enfermería, 31(1), 170-176. Recuperado de http://www.scielo.org.co/pdf/aven/v31n1/v31n1a16.pdf
Moizés, J. S., & Bueno, S. M. V. (2010). Compreensão sobre sexualidade e sexo nas escolas segundo professores do ensino fundamental. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 44(1), 205-212. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v44n1/a29v44n1.pdf
Moskovics, J. M., & Calvetti, P. U. (2008). Formação de multiplicadores para a prevenção das DST/AIDS numa universidade espanhola. Psicologia: Ciência e Profissão, 28(1), 210-217. Recuperado de http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=282021760016
Nogueira, M. J., Martins, A. M., & Rodrigues, A. R. (2012). Escolas e unidades básicas de saúde: diálogos possíveis e necessários para a promoção da saúde sexual e reprodutiva dos adolescentes. Saúde em Debate, 36(92), 117-124. Recuperado de http://www.redalyc.org/pdf/4063/406341764014.pdf
Paiva, V. (2000). Fazendo arte com camisinha: sexualidades jovens em tempo de Aids. São Paulo: Summus.
Parker, R. (2000). Prefácio. In Paiva, V. Fazendo arte com a camisinha (pp. 13-17). São Paulo, SP: Sumus
Rocha, K. B., & Pizzinato, A. (Producer). (2015). Você já pensou em fazer o teste rápido de HIV? [DVD]. Recuperado de https://www.youtube.com/watch?v=giiMd2SwT6k
Santos, M. A. (2001). Orientação sexual no 1º e 2º ciclos do ensino fundamental: uma realidade distante? (Monografia). Faculdade de Pedagogia, UFRN, Rio Grande do Norte.
Silva, R. C. (2002). Metodologias participativas para trabalhos de promoção de saúde e cidadania. São Paulo, SP: Vetor.
Tonelli, M. J. F. (2004). Direitos sexuais e reprodutivos: algumas considerações para auxiliar a pensar o lugar da psicologia e sua produção teórica sobre a adolescência. Psicologia & Sociedade, 16(1), 151-160. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/psoc/v16n1/v16n1a13
UNAIDS (2016). Prevention Gap Report. Genebra: UNAIDS, 2016. Disponível em http://www.unaids.org/sites/default/files/media_asset/2016-prevention-gap-report_en.pdf
Publicado
2017-12-21
Seção
Artigos