Aborto e bioética no jornal Folha de São Paulo

  • Edclécia Reino Carneiro de Morais Universidade Federal de Pernambuco - UFPE
  • Renata Lira dos Santos Aléssio Universidade Federal de Pernambuco
  • Larissa de Siqueira Coelho Universidade Federal de Pernambuco
  • Joanna Luiza da Cunha Pontes Universidade Federal de Pernambuco
Palavras-chave: Bioética, Aborto, Teoria das Representações Sociais, Imprensa.

Resumo

Este trabalho objetivou analisar, à luz da teoria das representações sociais, a construção do aborto como notícia atrelada aos debates bioéticos na imprensa
brasileira. Foram selecionadas 46 matérias sobre aborto do acervo do jornal Folha de São Paulo. Os dados foram analisados com ajuda do software
ALCESTE, resultando em dois eixos: 1-ampliação das possibilidades legais para o aborto? - jornalistas e opinião pública aquecem a discussão sobre o
acesso ao aborto; 2- definição de pessoa e valores - destaque para a discussão ontológica sobre o estatuto da pessoa e do embrião. A questão do aborto
aparece aqui investida por preocupações normativas relativas à dimensão axiológica do direito à vida e à clivagem simbólica entre mulher e embrião.

Biografia do Autor

Edclécia Reino Carneiro de Morais, Universidade Federal de Pernambuco - UFPE

Psicóloga e Mestre em psicologia pela Universidade Federal de Pernambuco; Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da UFPE.


Renata Lira dos Santos Aléssio, Universidade Federal de Pernambuco
Psicóloga pela Universidade Federal de Pernambuco; Mestre e Doutora pela Université D’Aix-Marseille; Professora do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da UFPE
Larissa de Siqueira Coelho, Universidade Federal de Pernambuco

Psicóloga pela Universidade Federal de Pernambuco


Joanna Luiza da Cunha Pontes, Universidade Federal de Pernambuco

Psicóloga pela Universidade Federal de Pernambuco

Referências

Bauer, M. (1994). A popularização da ciência como imunização cultural: a função das representações sociais. In S. Jovchelovitch & P. Guareschi (Orgs.), Textos em representações sociais (p. 229–257). Petropolis: Vozes.
Camargo, B. V., & Bousfield, A. B. S. (2011). Teoria das Representações Sociais: uma concepção contextualizada de comunicação. In A. M. O. Almeida, M. F. S. Santos, & Z. A. Trindade (Orgs.), Teoria das Representações Sociais: 50 anos (p. 433–456). Brasília: Technopolitik.
Clémence, A., Green, E. G. T., & Courvoisier, N. (2011). Comunicação e ancoragem: a difusão e a transformação das representações. In A. M. O. Almeida, M. F. S. Santos, & Z. A. Trindade (Orgs.), Teoria das Representações Sociais: 50 anos (p. 179–198). Brasília: Technopolitik.
Diniz, D. (2005). Aborto e inviabilidad fetal: el debate brasileño. Caderno de Saúde Pública, 21(2), 634–639.
Diniz, D. (2008). Bioética e gênero. Revista Bioética, 16(2), 207–216.
Diniz, D., & Almeida, M. (1998). Iniciação à Bioética. Brasília: Conselho Federal de Medecina.
Fontes, M. L. A. (2012). O enquadramento do aborto na mídia impressa brasileira nas eleições 2010: a exclusão da saúde pública do debate. Ciência e Saúde Coletiva, 1805–1812.
Franklin, S. (1999). What we know and what we don’t about cloning and society. New Genetics & Society, 18(1), 111.
Gomes, E. de C., & Menezes, R. A. (2008). Aborto e eutanásia: dilemas contemporâneos sobre os limites da vida. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 18(1), 77–103. http://doi.org/10.1590/S0103-73312008000100006
Jovchelovitch, S. (2001). Social Representations, Public Life, and Social Construction. In K. Deaux & G. Philogène (Orgs.), Representations of the social: bridging theoretical traditions (p. 165–182). Oxford: Blackwell Publishers Ltd.
Jovchelovitch, S. (2008). Os contextos do saber representações, comunidade e cultura. Petrópolis, RJ: Vozes.
Kissling, F. (1998). Perspectivas católicas progressistas em saúde e direitos reprodutivos: o desafio político da ortodoxia. Caderno de Saúde Pública, 14(Supl 1), 135–137.
Luna, N. (2002). As novas tecnologias reprodutivas e o estatuto do embrião: um discurso do magistério da Igreja Católica sobre a natureza. Gênero, 3(1), 83–100.
Luna, N. (2010). Aborto e células-tronco embrionárias na Campanha da Fraternidade, ciência e ética no ensino da igreja. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 25(74), 91–105.
Marková, I. (2006). Dialogicidade e representações sociais: as dinâmicas da mente. (H. Magri Filho, Trad.). Vozes.
Melo, J. (2001). Aborto na imprensa brasileira. In M. C. F. A. de Oliveira & M. I. B. da Rocha (Orgs.), Saúde reprodutiva na esfera pública e política na América Latina (p. 263–278). Campinas: Editora da UNICAMP : NEPO.
Miguel, L. F. (2002). Os meios de comunicação e a prática política. Lua Nova: Revista de Cultura e Política, (55-56), 155-184. https://dx.doi.org/10.1590/S0102-64452002000100007
Moscovici, S. (1976). La psychanalyse, son image et son public. Paris: Presses Universitaires de France.
Nascimento, A. R. A. do, & Menandro, P. R. M. (2006). Análise lexical e análise de conteúdo: uma proposta de utilização conjugada. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 6(2), 72–88.
Pazello, M., & Côrrea, S. (2002). Aborto. Mais polêmicas à vista! In F. Oliveira (Org.), Olhar sobre a mídia (p. 147–183). Belo Horizonte, MG: Mazza Edições : Comissão de Cidadania e Reprodução.
Porqueres I Gené, E. (2004). Individu et parenté, individuation de l’embryon. In F. Héritier & M. Xanthakou (Orgs.), Corps et affects (p. 139–150). Paris: Odile Jacob.
Rocha, M. I. B. (2006). A discussão política sobre aborto no Brasil: uma síntese. Revista Brasileira de Estudos de População, 23(2), 369–374. http://doi.org/10.1590/S0102-30982006000200011
Schramm, F. R. (2015). Três ensaios de bioética. Rio de Janeiro: Fiocruz.
Simoneau, A. S., & Oliveira, D. C. de. (2014). Representações sociais e meios de comunicação: produção do conhecimento científico em periódicos brasileiros. Psicologia e Saber Social, 3(2), 281–300. http://doi.org/10.12957/psi.saber.soc.2014.14478
Publicado
2018-04-26