Transtornos somatoformes (manifestações histéricas) em mulheres atendidas em hospital psiquiátrico de São Luís, Maranhão

  • Ana Paula Rezzo Pires Reinert Universidade Ceuma, São Luís – Maranhão
  • Rafisa Moscoso Lobato Rêgo Universidade Ceuma, São Luís – Maranhão
  • Rômulo Cesar Rezzo Pires Faculdade do Maranhão (FACAM), São Luís – Maranhão
  • Vanalda Costa Silva Centro de Atenção Psicossocial –I, Viana – Maranhão

Resumo

Os sintomas somáticos sem explicação médica ou manifestações histéricas são freqüentes, estando associados a sofrimento mental em vários contextos. Atualmente são classificados na psiquiatria como transtornos somatoformes (TS). Estudos prévios apontam que as populações latino-americanas são propensas à somatização. No entanto, existem poucos estudos nacionais e locais sobre estes transtornos. Desse modo, este estudo objetivou verificar a ocorrência de TS em mulheres atendidas em um hospital psiquiátrico em São Luis Maranhão. Realizou-se um estudo seccional de base documental a
partir dos dados coletados dos prontuários médicos das pacientes atendidas no período de Agosto de 2012 a Janeiro de 2013. Estimou-se a prevalência de TS com base em um total de 1.220 atendimentos, o que resultou em 62 casos de sintomatologia compatível com TS (5,08%), dos quais, apenas 5 receberam diagnóstico conclusivo de TS (8,06%). Os TS diagnosticados pelo CID 10 foram: quatro casos de transtorno dissociativo conversivo e um de neurovegetativo somatoforme. Os transtornos ocorreram mais frequentemente entre mulheres pardas com idade média de 34,3 anos. Os sinais e sintomas mais freqüentes foram insônia, dor de cabeça e inapetência. Os resultados apontam a necessidade de investigações mais minuciosas com os pacientes e auxílio de outros profissionais na composição de uma equipe multidisciplinar na investigação e fechamento do diagnóstico clínico. Levando-se em consideração as reformulações pelo qual o Código Internacional de Doenças versão 10 para as modificações na 11ª edição, estudos sobre os TS contribuirão de forma significativa para o processo de revisão dos sistemas diagnósticos de transtornos mentais e de comportamento.

Referências

Almeida-Filho, N., Mari, J. de J., Coutinho, E., Fran, J.
F., Fernandes, J., Andreoli, S. B., & Busnello, E. D.
(1997). Brazilian multicentric study of psychiatric
morbidity. Methodological features and prevalence
estimates. The British Journal of Psychiatry, 171(6),
524-529.

Andrade, L., Walters, E.E., Gentil, V.,&Laurenti, R.
(2002). Prevalence of ICD – 10 mental disorders
in catchment area in the city of São Paulo, Brazil.
Soc. Psychiatry Psychiatr Epidemiol, 37 (7), 316-25.

Angel, R., & Guarnaccia, P. J. (1989). Mind, body,
and culture: somatization among Hispanics. Social
science & medicine, 28(12), 1229-1238.

Ávila, L., & Terra, J. R. (2012) Hysteria and its
metamorphoses. Rev latinoam psicopatol.fundam,
15(1), 27-41.

Bijl, R.V.,Ravelli,, A.,& Van Zessen, G. (1998)
Prevalence of psychiatric disorder in the general
population; results of The Netherlands Mental
Health Survey and Incidence Study (NEMESIS).
Soc Psychiatry Psychiatr Epidemiol, 33(12), 587-595.

Castro, L. A.,Laranjeira, R., &Dunn, J.(2005). Serviço
de Emergência Psiquiátrica: um estudo descritivo.
Revista de Saúde Pública, 17(1), 99-106.

Carrol D.H., Scachill, L., &Phillips, K.A. (2002)
Current concepts in body dysmorphic disorder. Arch
Psychiatric Nurs, 16(2), 72-79

Conselho Federal de Psicologia. (2000). Resolução CFP
nº 16. Brasília: Author. Disponível em: http://www.
crpsp.org.br/portal/orientacao/resolucoes_cfp/fr_
cfp_016-00.aspx

Conselho Federal de Psicologia. (2005).Código de
ética profissional do psicólogo. Brasília, DF: Author.
Disponível em: http://www.pol.org.br.pdf

Dalgalorrondo. P. (2008) Psicopatologia e semiologia dos
transtornos mentais(2 ed). São Paulo: Artmed.

Elkis, H.,&Louza, M., (2007).Psiquiatria Básica (2 ed).
São Paulo: Atheneu.

Florenzano R.,Acuña J., Fullerton, C., & Castro, C.
(1997). Frecuencia y características de los transtornos
emocionales em pacientes que consultan em El
nível primário de salud em Santiago de Chile. Acta

Psiquiatr. Psicol Am Lat, 43(3), 283-291.
Florenzano R.,Acuña J, Fullerton C., &Escalona,
R. (2002). Somatización: aspectos teóricos,
epidemiológicos y clínicos. Rev. Chil. Neuropsiquiatry
40(1), 47-55.

Fortes, S. (2004). Transtornos metais na atenção primária:
suas formas de apresentação, perfil nosológico e fatores
associados em unidades de programa de saúde da
família do município de Petrópolis Tese de doutorado.
Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de
Janeiro, RJ, Brasil.

Fortes, S., Villano L. A. B., & Lopes, C.S. (2008).
Nosological profile and prevalence of common
mental disorders of pacientes seen at the Family
Health Program (FHP) units in Petropolis, Rio de
Janeiro. Rev. Bras. Psiquiatria, 30(1), 32-7.

Freud, S. (1996). Estudos sobre histeria. In J. Strachey
(Ed.), Edição Standard (vol.02, pp. 13-318). Rio
de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado
em 1892).

Freud, S. (1998). Histeria primeiros artigos. Tradução de
José Luis Meurer (pp. 37-59). Rio de Janeiro: Imago.
Gil, A. C. (2010).Como elaborar projetos de pesquisa. (5
Ed). São Paulo: Atlas.

Goldberg, D., Gask, L.,&O’dowd, T. (1989).Common
mental disorders: a bio-social model.J Psychosom Rev,
33(6), 689-695.

Gureje, O, Simon, G.E., Usturn, T.B., &Goldeberg,
D.P. (1997). Somatization in cross-cultural
perspective: a World Health Organization Study
in primary care. Am J Psychiatric, 154(7), 989-995.

Henningsen, P., Zimmermann, T., & Sattel, H. M.E.
(2003). Medically unexplained physical: symptoms,
anxiety,and depression: a meta – analytic review.
Psychosom Med, 65(4), 528-533.

Holmes, David. (1997).Psicologia dos transtornos mentais
(2 Ed.). Porto Alegre: Artmed.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE.
(2010).CENSO DEMOGRÁFICO 2010. Disponível
em:http://www.ibge.gov.br/ censo 2010.

Isaac, M.,Janca, A., Burke, K.C., Costa e Silva, J.A.,
Acuda, S.W., Altamura, A.C., … Tacchini, G.
(1995). Medically unexplained somatic symptoms in
different cultures. A preliminary report from phase
I of the World Heath Organization International
Study of Somatoform Disorders. Psychorther
Psychosom, 64(2), 88-93.

Jung, C. F. (2004).Metodologia para pesquisa &
desenvolvimento. Aplicada a novas tecnologias, produtos
e processos. Rio de Janeiro: Axel.

Kanaan, R.A., Lepine, J.P., &Wessely, S.C. (2007). The
association or otherwise of the functional somatic
syndrome. Psychosom Med, 69(9), 855 –859.

Kessler, R.C., McGonagle, K.A., Zhao S., Nelson, C.B.,
Hughes, M., Eshleman, S., … Kendler, K.S. (1994).
Lifetime and 12 – month prevalence of DSM-II-R
psychiatric disorders in the United States: results
from the national comorbidity survey. Arch Gen
Psychiatric, 51(1), 8-19.

Kroenke, K., Spitzer, R. L., Williams, J. B., Linzer, M.,
Hahn, S. R., deGruy III, F. V., & Brody, D. (1994).
Physical symptoms in primary care: predictors of
psychiatric disorders and functional impairment.
Archives of family medicine, 3(9), 774.

Maj, M., Akiskal, H.S., Mezzich, J.E., & Okasha, A.,
(Eds).(2006).Somatoforme didorders. Chichester,
Englad: John Wiley & Sons.

Maurano, D.. (2010). Histeria: o principio de tudo. Rio
de Janeiro. Civilização Brasileira.

MayouR.,Kirmayer, L.J., Simon, G., Kroenke, K.,
&Sharpe, M. (2005). Somatoform disorders: time
for a new approach in DSM– V. Am J Psychiatry.
162(5), 847-855.

Meltzer, H., Gil, B., Petticrew, M., & Hinds, K.
(1995).OPCS Surveys of psychiatric Morbidity in
Great Britain Report 1: the prevalence of psychiatrihc
morbidity among adults living in private households.
London: HMSO.

Nakabayashi, T. I. K. (2012). Caracterização do padrão
de solicitações Psiquiátricas em um hospital geral:
estabilidade e mudança em um período de 30 anos
de um serviço de interconsulta. Ttese de doutorado.
(214 f.). Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto
da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Organização Mundial da Saúde. CID-10. (1997).
Classificação Estatística Internacional de Doenças e
Problemas Relacionados à Saúde (10 Ed. rev. Vol. 2).
São Paulo: Universidade de São Paulo.

Paim, F. F.,& Ibertis, C. M. (2006). A hipnose e o
método catártico como primeiros caminhos à
descoberta da associação livre. Disc. Scientia. Série:
Ciências da Saúde, 7(1), 139-152.

Resolução CNS nº 196. (1996, 10 de outubro). Brasília:
Conselho Nacional de Saúde. Disponível em: http: //
conselho.saude.gov.br/resolucoes/1996/reso196.doc

Righter E.L.,&Sansone, R.A. (2003). Tratamento da
preocupação somática. NeuroPsicoNews, 53, 9-13.

Sadock, B. J., Kaplan, H. I., & Sadock, V. A. (2007).
Compêndio de Psiquiatria: ciências do comportamento
e psiquiatria clinica. (9 Ed). Porto Alegre: Artmed.

Schreiber D., Kolb, N.R., Tabas, G. (2003). Somatização
1ª parte – diagnóstico prático. Neuro Psico News, 53:
3-6.

Schurman, R.A., Kramer, P.D., & Mitchell, J.B. (1985).
The hidden mental health network. Treatment of
mental illness by nonpsychiatrist physicians. Arch
Gen Psychiatry, 42(1), 89-94.

Silva, M.A.M.,& Queiroz, M.S. (2006). Somatização
em migrantes de baixa renda no Brasil.Psicol Soc.
18(1), 31-39.

Spitzer R.L., Williams, J.B.W., Kroenke K., Linzer
M., deGruy III, F.V., Hahn, S.R., … Johnson, J.G.
(1994). Utility of a new procedure for diagnosing
mental disorders in primary care. JAMA. 272(22),
1749-1756.

Starcevic V.,& Lipsitt D. R. (Eds). (2001).
Hypochondriasis: Modern Perpective on an Ancient
Malady. New York: Oxford University Press.

Tófoli, L. F., Andrade, L. H., & Fortes, S. (2011).
Somatização na América Latina: uma revisão sobre a
classificação de transtornos somatoformes, síndromes
funcionais e sintomas sem explicação médica. Revista
Brasileira de Psiquiatria, 33(1), 559-569

Usturn T.B,& Sartorius, N. (1995). Mental illness in
general heal th care: an international study. Chichesser.
England: John Wiley & Sons.

Villano, L.A.B. (1998). Problemas psicológicos e
morbidade psiquiátrica em serviços de saúde não
psiquiátricos: o ambulatório de clinica geral. Tese de
doutorado. Faculdade de Medicina da Universidade
Federal de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.
Publicado
2016-12-21
Seção
Artigos