Percepções do Cuidado aos Usuários de Drogas por Agentes Comunitários de Saúde

  • Bárbara Cristina de Assis Melo Barbacena, Minas Gerais
  • Júlia Inácia Assunção Ritápolis, Minas Gerais
  • Marcelo Dalla Vecchia Departamento de Psicologia

Resumo

Os Agentes Comunitários de Saúde (ACS) fazem parte da equipe da Estratégia Saúde da Família (ESF) e são elos entre comunidade e equipe. Buscou-se compreender sua atuação no cuidado a usuários de álcool e outras drogas em um município de Minas Gerais, a partir de entrevistas individuais não estruturadas com estes profissionais. Recorreu-se à análise de conteúdo como referencial teórico para análise do material empírico. Foram delimitados quatro núcleos temáticos, abarcando centralmente as ideias de medo e preconceito em relação ao usuário; sofrimento familiar devido ao uso; desconhecimento da Rede de Atenção Psicossocial; e percepção de insuficiência na atuação profissional. Constatou-se, dentre outros aspectos, a relevância da Educação Permanente envolvendo os ACS amparada pela perspectiva da redução de danos.

Referências

Alves, V. S. (2009). Modelo de atenção à saúde de
usuários de álcool e outras drogas: discursos políticos,
saberes e práticas. Caderno de Saúde Pública, 25(11),
2309-2319. Recuperado em 11 de janeiro de 2014,
de http://www.scielosp.org/pdf/csp/v25n11/02.pdf

Andrade, T. M. (2011). Reflexões sobre Políticas de
Drogas no Brasil. Ciência e Saúde Coletiva, 16(12),
4665-4674. Recuperado em 10 de janeiro de 2014,
de http://www.scielo.br/pdf/csc/v16n12/15.pdf
Bardin, L. (1994) Análise de Conteúdo. Lisboa:
Edições 70.

Baudrillard, J. (2011). A sociedade de consumo (2a ed.).
Lisboa: Edições 70. (Original publicado em 1970).

Bernardy, C. C. F., & Oliveira, M. L. F. (2010). O papel
das relações familiares na iniciação ao uso de drogas
de abuso por jovens institucionalizados. Revista
da Escola de Enfermagem da USP, 44(1), 11-17.
Recuperado em 11 de janeiro de 2014, de http://
www.scielo.br/pdf/reeusp/v44n1/a02v44n1.pdf

Bornstein, V. J., & Stotz, E. N. (2008). Concepções
que integram a formação e o processo de trabalho
dos agentes comunitários de saúde: uma revisão da
literatura. Ciência e Saúde Coletiva, 13(1), 259-268.
Recuperado em 11 de janeiro de 2014, de http://
www.scielo.br/pdf/csc/v13n1/28.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à
Saúde. Departamento de Ações Programáticas
Estratégicas. (2015). Guia estratégico para o cuidado
de pessoas com necessidades relacionadas ao consumo de
álcool e outras drogas: Guia AD. Brasília: Ministério
da Saúde, 2015. Recuperado em 17 de dezembro
de 2015, de http://portalsaude.saude.gov.br/index.
php/o-ministerio/principal/secretarias/sas/daet/
saude-mental

Caldeira, Z. F. (1999). Drogas, indivíduo e família: um
estudo de relações singulares. Dissertação de Mestrado,
ENSP/FIOCRUZ, Rio de Janeiro.

Campos, C. J. G. (2004). Método de Análise de
Conteúdo: ferramenta para a análise de dados
qualitativos no campo da saúde. Revista Brasileira
de Enfermagem, 57(5), 611-614. Recuperado em
10 de janeiro de 2014, de http://www.scielo.br/pdf/
reben/v57n5/a19v57n5.pdf

Crochík, J. L. (2006). Preconceito, indivíduo e cultura
(3a ed). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Dalla Vecchia, M., Lopes, F. M., & Carbonário, F.
A. (Orgs.). (2016). A rua em cena: implantação de
projetos de redução de danos em Barbacena. Porto
Alegre, RS: Rede UNIDA.

Dalla Vecchia, M., & Martins, S. T. F. (2009).
Desinstitucionalização dos cuidados a pessoas com
transtornos mentais na atenção básica: aportes para
a implementação de ações. Interface – Comunicação,
Saúde, Educação, 13(28), 151-164. Recuperado em
07 de dezembro de 2015, de http://www.scielo.br/
pdf/icse/v13n28/v13n28a13.pdf

Escohotado, A. (2004) História Elementar das Drogas.
Lisboa: Antígona.

Fontanella, B. J. B., Campos, C. J. G., & Turato, E.
R. (2006). Coleta de dados na pesquisa clínicoqualitativa:
uso de entrevistas não-dirigidas de
questões abertas por profissionais da saúde. Revista
Latino-Americana de Enfermagem, 14(5), 812-820.
Recuperado em 20 de fevereiro de 2014, de http://
www.scielo.br/pdf/rlae/v14n5/pt_v14n5a25.pdf

Gomes, K. O., Cotta, R. M. M., Mitre, S. M., Batista,
R. S., & Cherchiglia, M. L. (2010). O Agente
Comunitário de Saúde e a consolidação do Sistema
Único de Saúde: reflexões contemporâneas. Physis,
20(4), 1143-1164. Recuperado em 11 de janeiro de
2014, de http://www.scielo.br/pdf/physis/v20n4/
a05v20n4.pdf

Habimorad, P. H. L., & Martins, S. T. F. (2013). O
abuso e dependência de drogas no território: desafios
e limites dos Agentes Comunitários de Saúde de
uma Unidade de Saúde da Família. Pesquisas e
Práticas Psicossociais, 8(1), 63-74. Recuperado em
11 de janeiro de 2014, de http://www.ufsj.edu.br/
portal2-repositorio/File/revistalapip/Volume8_n1/
PPP-8Abstract-Art_5.pdf

Lei n. 11.350, de 5 de outubro de 2006. (2011, 6
de outubro). Regulamenta o § 5º do Art. 198 da
Constituição, dispõe sobre o aproveitamento de
pessoal amparado pelo parágrafo único do Art. 2º
da Emenda Constitucional no 51, de 14 de fevereiro
de 2006, e dá outras providências. Diário Oficial da
União, seção 1.

Machado, C. (2004) Pânico moral: para uma revisão do
conceito. Interacções, 4(7), 60-80. Recuperado em
21 de fevereiro de 2014, de www.interacoes-ismt.
com/index.php/revista/article/download/125/129

Ministério da Saúde (2003). A Política do Ministério da
Saúde para a Atenção Integral a Usuários de Álcool e
outras Drogas. Brasília, DF: Autor.

Oliveira, G. N. (2013). O projeto terapêutico singular.
In: G. W. S. Campos & A. V. P. Guerrero (Orgs.),
Manual de práticas de atenção básica: saúde ampliada
e compartilhada (3a ed). São Paulo: Hucitec.

Passos, E. H., & Souza, T. P. (2011). Redução de danos
e saúde pública: construções alternativas à política
global de “guerra às drogas”. Psicologia e Sociedade,
23(1), 154-162. Recuperado em 11 de janeiro de
2014, de http://www.scielo.br/pdf/psoc/v23n1/
a17v23n1.pdf

Pereira, I. C., & Oliveira, M. A. C. (2013). O trabalho
do agente comunitário na promoção da saúde:
revisão integrativa da literatura. Revista Brasileira de Enfermagem, 66(3), 412-419. Recuperado em
11 de janeiro de 2014, de http://www.scielo.br/pdf/
reben/v66n3/a17v66n3.pdf

Pinho, P. H., Oliveira, M. A., & Almeida, M. M.
(2008). A reabilitação psicossocial na atenção aos
transtornos associados ao consumo de álcool e
outras drogas: uma estratégia possível? Revista de
Psiquiatria Clínica, 35(1), 82-88. Recuperado em 10
de janeiro de 2014, de http://www.scielo.br/scielo.
php?pid=S0101-60832008000700017&script=sci_
arttext

Portaria n. 3.088. (2011, 26 de dezembro). Institui
a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com
sofrimento ou transtorno mental e com necessidades
decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas,
no âmbito do Sistema Único de Saúde. Brasília, DF:
Ministério da Saúde.

Romanini, M., & Roso, A. (2012). Mídia e crack:
promovendo saúde ou reforçando relações de
dominação? Psicologia: Ciência e Profissão, 32(1),
82-97.

Silveira, P. S., Soares, R. G., Noto, A. R., & Ronzani,
T. M. (2013). Estigma e suas conseqüências para
usuários de drogas. In T. M. Ronzani (Org.), Ações
integradas sobre drogas: prevenção, abordagens e
políticas públicas (pp. 251-270). Juiz de Fora: UFJF.

Sodelli, M. (2010). A abordagem proibicionista em
desconstrução: compreensão fenomenológica
existencial do uso de drogas. Ciência e Saúde Coletiva,
15(3), 637-644. Recuperado em 11 de janeiro de
2014, de http://www.scielosp.org/pdf/csc/v15n3/
v15n3a05.pdf

Tenório, F. (2002). A reforma psiquiátrica brasileira, da
década de 1980 aos dias atuais: história e conceitos.
História, Ciências, Saúde – Manguinhos, 9(1),
25-59. Recuperado em 19 de fevereiro de 2014,
de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_
arttext&pid=S0104-59702002000100003&lng=p
t&nrm=iso&tlng=pt.

Trad, S. (2010). Princípios e desafios para a integração
da família nas políticas de drogas. In L. A. B. Trad
(Org.), Família contemporânea e saúde: significados,
práticas e políticas públicas (pp. 179-197). Rio de
Janeiro: Fiocruz.

Vecchia, M. D., & Martins, S. T. F. (2009). Concepções
dos cuidados em saúde mental por uma equipe
de saúde da família, em perspectiva históricocultural.
Ciência & Saúde Coletiva, 14(1), 183-193.
Recuperado em 10 de janeiro de 2016, de http://
www.scielo.br/pdf/csc/v14n1/a24v14n1.pdf
Publicado
2016-12-21
Seção
Artigos