Representações sociais relacionadas às práticas de rejuvenescimento

  • Bruna Berri Laboratório de Psicologia Social da Comunicação e Cognição, Departamento de Psicologia, Universidade Federal de Santa Catarina (Florianópolis), Brasil
  • Amanda Castro Laboratório de Psicologia Social da Comunicação e Cognição, Departamento de Psicologia, Universidade Federal de Santa Catarina (Florianópolis), Brasil
  • Brigido Vizeu Camargo Laboratório de Psicologia Social da Comunicação e Cognição, Departamento de Psicologia, Universidade Federal de Santa Catarina (Florianópolis), Brasil

Resumo

O rejuvenescimento apresenta-se como um recurso para manter-se em um lugar social relacionado ao estar ativo, para entender como pessoas constroem e compartilham conhecimentos cotidianos sobre rejuvenescimento utilizou-se como abordagem teórica a Teoria das Representações Sociais. Objetivou-se estudar as representações sociais das práticas de rejuvenescimento para homens e mulheres adultos. Descritiva e exploratória, envolveu 20 participantes residentes de Santa Catarina. Mediante realização de entrevistas em profundidade formou-se um material textual submetido a classificações hierárquicas descendentes. Resultados indicaram que as mulheres pensam rejuvenescimento enquanto práticas invasivas e minimamente invasivas, e os homens o associam as atividades físicas e leituras. Atividades físicas e exercícios mentais, como retardadores do envelhecimento, organizam a compreensão tanto do rejuvenescimento como das práticas para todos participantes. 

Referências

Abric, J. C. (2005). A zona muda das representações
sociais. In D. C. Oliveira & P. H. F. Campos (Orgs.),
Representações Sociais – Uma teoria sem fronteiras (pp.
23-34). Rio de Janeiro: Museu da República.

Aguiar, A. (2016). Envelhecimento e rejuvenescimento em
contextos intergrupais antagônicos: representações sociais
e práticas corporais. (Tese de Doutorado). Universidade
Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC.

Araújo, L. F., Coutinho, M. P. L., & Saldanha, A. A.
W. (2005). Análise comparativa das representações
sociais da velhice entre idosos de instituições
geriátricas e grupos de convivência. Psico, 36(2),
197-204.

Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal,
Perfumaria e Cosméticos. (2015). Panorama do setor
2015. Acedido em outubro de 2016, em https://www.
abihpec.org.br/2015/04/panorama-do-setor-2015/
Baltes, P. B. (1987). Theorical propositions of lifespan
developmental psychology on the dynamics between
growth and decline. Developmental Psychology, 23(5),
611-626.

Biasus, F., Demantova, A., & Camargo, B. V. (2011).
Representações sociais do envelhecimento e da
sexualidade para pessoas com mais de 50 anos. Temas
em Psicologia, 19, 319-336.

Camargo, B. V., & Bousfield, A. B. S. (2014). Em
direção a um modelo explicativo da relação entre
representações sociais e práticas relativas a saúde:
a ideia de adesão representacional. In E. M. Q.
O. Chamon; P. A. Guareschi; P. H. F. Campos.
Textos e debates em representações sociais. Porto
Alegre: ABRAPSO.

Camargo, B. V., & Justo, A. M. (2013). IRAMUTEQ:
Um software gratuito para análise de dados textuais.
Temas em Psicologia, 21, 513-518, 2013.

Camargo, B. V., Goetz, E. R., Bousfield, A. B. S., &
Justo, A.M. (2011). Representações sociais do corpo:
estética e saúde. Temas em Psicologia, 19(1), 257-268.

Camargo, B. V., Justo, A. M., & Alves, C. D. B. (2011).
As funções sociais e as representações sociais em
relação ao corpo: uma comparação geracional. Temas
em Psicologia, 19(1), 269-281.

Camargo, B. V., Justo, A. M., & Jodelet, D.
(2010). Normas, representações sociais e práticas
corporais. Interamerican Journal of Psychology, 44(3),
449-457.

Chnaiderman, M. O mito do corpo jovem a qualquer
preço. In A. B. Natália & G. B. S. de Baptista (Orgs).
Travessias do Tempo: acompanhamento terapêutico
e envelhecimento (pp.135-240). São Paulo: Casa
do Psicólogo.

Craciun, C. & Flick, U. (2014). “I will never be the
granny with rosy cheeks”: Perceptions of aging
in precarious and financially secure middle-aged
Germans. Journal of aging studies, 29, 78-87.

Dany, L. & Abric J. (2007). Distance à l’objet et
représentations du cannabis. Revue internationale
de psychologie sociale, 20 (3), 77-104.

Doise, W. (1982). L’explication en psychologie sociale.
Paris: P.U.F.

Doise, W. &Palmonari, A. (1986). L’étude des
représentations sociales.Neuchâtel/ Paris:
Delachaux&Niestlé

Freire Júnior, R. C., & Tavares, M. D. F. L. (2005).
A saúde sob o olhar do idoso institucionalizado:
conhecendo e valorizando sua opinião. Interface-

Comunicação, Saúde, Educação, 9(16), 147-158.
Hurd Clarke, L., & Griffin, M. (2007). The body
natural and the body unnatural: Beauty work and
aging. Journal of Aging Studies, 21(3), 187-201.
Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2013).

Censo demográfico 2010. Acedido junho de 2015,
em http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/
populacao/censo2010/sinopse/sinopse.shtm
Jodelet, D. (1989). Les representationes sociales. Paris:
Press Universitaires de France.

Magnabosco-Martins, C. R., Camargo B. V., &
Biasus, F. (2009). Representações sociais do idoso
e da velhice de diferentes faixas etárias. Universitas
Psychologica, 8 (3), 831-847.

Moreira, V., & Nogueira, F.N.N. (2008). Do indesejável
ao inevitável: a experiência vivida do estigma de
envelhecer na contemporaneidade. Psicologia USP,
19(1), 59-79.

Moscovici, S. (2012). A psicanálise, sua imagem e seu
público. Petrópolis, RJ: Vozes (Originalpublicado
em 1961).

Neri, A. L. (2013). Conceitos e teorias sobre o
envelhecimento. In L. Malloy-Diniz, et al. (Eds.).
Neuropsicologia do envelhecimento: uma Abordagem
Multidimensional. (pp. 17-42). Porto Alegre: Artmed.

Pereira, S. C., & Penalva, G. A. (2014). Nem todas
querem ser Madonna: representações sociais
da mulher carioca, de 50 anos ou mais. Estudos
Feministas, 22(1), 173-193.

Rouquette, M. L. (1998). Representações sociais e
práticas sociais: Alguns elementos teóricos. In
Moreira, A. S. P. & Oliveira, D. C. (Orgs.). Estudos
interdisciplinares de representação social. Goiânia:
Editora Ab.

Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética.
(2011). Cosmetic Procedures Performed in 2011.
Acedido em outubro de 2016, em http://www.
plasticabahia.com.br/uploads/ISAPS_Results_-
Procedures_in_2011.pdf

Stuart-Hamilton, I. (2002). A Psicologia do Envelhecimento:
uma introdução. Porto-Alegre: Artmed.

Teixeira, M. C. T. V., Franchin A. B. B., Durso F. A.,
Donati L. B., Facin M. M., & Pedreschi, P. (2007).
Envelhecimento e rejuvenescimento: um estudo de
representação social. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol.,
10(1), 49-71.

Teixeira, M. C. T. V., Settembre, F. M., & Leal, S. B.
(2007). A survey of women´s social representations of aging and rejuvenation. The Spanish Journal of
Psychology, 10 (1), 104-114.

Torres, T. L. (2010). Pensamento social sobre
envelhecimento, idoso e rejuvenescimento para diferentes
grupos etários. (Tese de Doutorado). Universidade
Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC.

Veiga, M. R. M. (2012). Mulheres na meia-idade:
corpos, envelhecimentos e feminilidades. (Dissertação
de Mestrado). Universidade Federal de Santa Maria,
Santa Maria, RS.

Veloz, M. C. T., Nascimento-Schulze, C. M., &
Camargo, B. V. (1999). Representações sociais do
envelhecimento. Psicologia Reflexão e Crítica, 12(2),
479-502.

Wachelke, J. F. R., & Camargo, B. V. (2007).
Representações sociais, representações individuais e
comportamento. Revista Interamericana de Psicologia,
41 (2), 379-390.

Wachelke, J. F. R., Camargo, B. V., Hazan, J. V., Soares,
D. R., Oliveira,L. T. P., & Reynaud, P. D. (2008).
Princípios organizadores da representação social
do envelhecimento: dados coletados via internet.
Estudos de Psicologia (Natal), 13(2), 107-116.

Zani, R. (1994). Beleza e rejuvenescimento: métodos e
técnicas. São Paulo: Saraiva.
Publicado
2016-12-21
Seção
Artigos