Violência Contra o Homem Perpetrada por Sua Parceira: Perspectivas de Psicólogos e Assistentes Sociais

  • Ana Cláudia Ferreira Cezario Discente do Programa de Pós-graduação em Psicologia da Universidade Federal de Juiz de Fora; integrante do Núcleo de Estudos em Violência e Ansiedade Social (NEVAS)
  • Laís Lage de Carvalho Discente do Programa de Pós-graduação em Psicologia da Universidade Federal de Juiz de Fora; integrante do Núcleo de Estudos em Violência e Ansiedade Social (NEVAS)
  • Lelio Moura Lourenço Docente do departamento de Psicologia da Universidade Federal de Juiz de Fora; coordenador do Núcleo de Estudos em Violência e Ansiedade Social (NEVAS)

Resumo

A violência entre parceiros íntimos (VPI) é um fenômeno social e um problema de saúde pública. Entretanto, na maioria dos casos, é abordada apresentando a mulher como vítima e homem seu respectivo agressor. Desta forma, a presente pesquisa realizou um levantamento com profissionais e estagiários de psicologia e do serviço social a fim de investigar suas percepções, visões e experiências acerca da violência contra o homem, perpetrada por sua parceira íntima, no município de Juiz de Fora/MG, bem como levantar dados da VPI contra o homem. Para análise utilizou-se estatística descritiva e a Análise de Conteúdo de Bardin. Inicialmente foi feito um mapeamento das instituições e do número de profissionais. Por fim, o estudo entrevistou 40 profissionais e estagiários da psicologia e do serviço social atuantes na área judicial, CRAS e CREAS. Dos resultados 95.0% informaram acreditar que o homem pode ser vítima da VP e 37.5% já atenderam homens. Desta forma, percebe-se a existência da VPI contra o homem no município. 

Referências

Addis, M. E. & Mahalik, J. R. (2003). Men, masculinity,
and the contexts of help seeking. American
Psychologist 58(1), 5-14.

Alvim, S. F. & Souza, L. (2005). Violência conjugal em
uma perspectiva correlacional: homens e mulheres
agredidos/agressores. Psicologia: Teoria e Prática,
7(2), 171-206.

Azevedo, R. G. (2008). Sistema penal e violência
de gênero: análise sociojurídica da Lei 11.340.
Sociedade e Estado, 23 (1), 113-135.
Bardin, L. (2011). Análise de Conteúdo. São Paulo:
Edições 70.

Bhona, F. M. C. (2011). Violência doméstica e consumo
de álcool entre mulheres: um estudo transversal
por amostragem na cidade de Juiz de Fora-MG.
Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa
de Pós-graduação em Psicologia da Universidade
Federal de Juiz de Fora. Borsoi, T. S., Brandão, E.
R. & Cavalcanti, M. L. T. (2009). Ações para o
Enfrentamento da Violência Contra a Mulher em
Duas Unidades de Atenção Primária à Saúde no
Município do Rio de Janeiro. Revista Interface –
Comunicação Saúde e Educação, 13(28), 165-74.

Brasil. (2006). Lei Federal no 11.340 (Lei Maria
da Penha). URL http://www.planalto.gov.br/
ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11340.htm
(Consultado em 17 dez 2013).

Cezario, A. C. F. & Lourenço, L. M. (2013). Violência
conjugal contra o homem: uma análise bibliométrica.
Gerais: Revista Interinstitucional de Psicologia, 6(1),
144-156

Direito Público [JusBrasil]. (2008). Retrieved
from http://direito-publico.jusbrasil.com.br/
noticias/157860/lei-maria-da-penha-e-aplicadapara-
proteger-homem Dragiewicz, M. & DeKeseredy, W. S. (2012). Claims about women’s
use of non-fatal force in intimate relationships: a
contextual review of Canadian research. Violence
Against Women, 18 (9), 1008-1026.

Fiestas, F., Rojas, R., Gushiken, A. & Gozzer, E. (2012).
Quién es la víctima y quién el agresor en la violencia
física entre parejas? Estudio epidemiológico en siete
Ciudades del peru. Rev Peru Med Exp Salud Publica,
29 (1), 44-52.

Flick, U. (2009). Introdução à Pesquisa Qualitativa.
Porto Alegre: Artmed.

Gebara, C.F.P.; Cezario, A.C.F; Ronzani, T.M. &
Lourenço, L.M (2010). A Violência Doméstica
Praticada Contra Crianças e Adolescentes Segundo
Crenças de Profissionais da Saúde. Actas do VII
Simpósio Nacional de Investigação em Psicologia.
Universidade do Minho, Portugal, 4 a 6 de Fevereiro,
pp. 3436-3449.

Gebara, C. F., Bhona, F. M., Vieira, M. T., Ferri, C. P.,
Lourenço, L. M., & Noto, A. R. (2013). Effectiveness
of a brief intervention for alcohol consumption
among Brazilian women in a household setting.
Addction Science and Clinical Practice, 8(1), 18-20.
doi: doi:10.1186/1940-0640-8-S1-A31

Gregori, M. F. (1993). As desventuras do vitimismo.
Estudos Feministas, 1, 143-149.

Hasselmann, M. H. & Reichenheim, M. E. (2003).
Adaptação transcultural da versão em português da
Conflict Tactics Scales Form R(CTS-1), usada para
aferir violência no casal: equivalências semântica e
de mensuração. Caderno de Saúde Pública, 19(4),
1083-1093. Hines, D. A., Brown, J. & Dunning, E.
(2007). Characteristics of Callers to the Domestic
Abuse Helpline for Men. Journal of Family Violence,
22, 63-72.

Hines, D. A. & Douglas, E. M. (2012). Alcohol and
Drug Abuse in Men Who Sustain Intimate Partner
Violence. Aggressive Behavior 38, 31-46.

Husso, M., Virkki, T., Notko, M., Holma, J., Laitila,
A. et al. (2012). Making sense of domestic violence
intervention in professional health care. Health and
Social Care in the Community, 20(4), 347–355.

Kiss, L. B., Schraiber, L. B. & D`oliveira, A. F. P.
(2007). Possibilidades de uma rede intersetorial de
atendimento a mulheres em situação de violência.
Interface, Comunicação e Saúde, 11(23), 485-501.

Krug, E. G., Dahlberg, L. L., Mercy, J. A., Zwi, A.
B. & Lozano, R. (2002). Relatório mundial sobre
violência e saúde Genebra: Retrieved from http://
www.opas.org.br/cedoc/hpp/ml03/0329.pdf.

Jornal de Todos os Brasis [As Mulheres Presas
Pela Maria da Penha]. (2013). Retrieved
from http://jornalggn.com.br/noticia/
as-mulheres-presas-pela-lei-maria-da-penha
Le Franc, E., Samms-Vaughan, M., Hambleton, I.,
Fox, K. & Brown, D. (2008). Interpersonal violence
in three Caribbean countries: Barbados, Jamaica,
and Trinidad and Tobago. Revista Panamericana
De Salud Publica-Pan American Journal of Public
Health, 24(6), 409-421.

Nascimento, I. C. A. (2012). Da (in)aplicabilidade
da Lei Maria da Penha aos homens vítimas
de violência doméstica. Recuperado em
13 dezembro, 2013, de http://jus.com.br/
artigos/24357/da-in-aplicabilidade-da-lei-mariamariada-
penha-aos-homens-vitimas-de-violenciadomestica/
3#ixzz2nNbDQ8GT

Santos, M. A. & Vieira, E. M. (2011). Recursos sociais
para apoio às mulheres em situação de violência em
Ribeirão Preto, SP, na perspectiva de informanteschave*.
Interface, Comunicação, Saúde e Educação.
15(36), 93-108.

Schraiber, L. B., D’Oliveira, A. F., França, I., Diniz, S.,
Portella, A. P. et al. (2007). Prevalência da Violência
Contra a Mulher por Parceiro Íntimo em Regiões
do Brasil. Revista de Saúde Pública, 41(5), 797-807.

Straus, M. A., Hamby, S. L., Boney-Mccoy, S. &
Sugarman, D. B. (1996). The Revised Conflict
Tactics Scales. Journal of Family Issues, 17(3),
283-316.

Swan, S. C., Gambone, L. J., Lee Van Horn, M., Snow.
D. L. & Sullivan, T. P. (2012). Factor Structures for
Aggression and Victimization Among Women Who
Used Aggression Against Male Partners. Violence
Against Women, 18 (9), 1045-1066.

Testa, M., Kubiak, A., Quigley, B. M., Houston, R.
J., Derrick, J. L. et al. (2012). Husband and Wife
Alcohol Use as Independent or Interactive Predictors
of Intimate Partner Violence. Journal of studies on
alcohol and drugs, 73, 268-276.

Zaleski, M., Pinsky, I., Laranjeira, R., Ramisetty-
Mikler, S. & Caetano, R. (2010). Violência entre
Parceiros Íntimos e Consumo de Álcool. Revista de
Saúde Pública, 44(1), 53-59.
Publicado
2016-12-21
Seção
Artigos