Estresse parental: Revisão sistemática de estudos empíricos

  • Ariane de Brito Mestra em Psicologia Social pelo Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social da Universidade Federal de Sergipe (PPGPS-UFS), São Cristóvão, Sergipe.
  • André Faro Professor Adjunto do Departamento de Psicologia (DPS) e do Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social (PPGPS) da Universidade Federal de Sergipe (UFS), São Cristóvão, Sergipe.

Resumo

Esta pesquisa descreveu as características de publicações nacionais sobre o estresse parental, indexadas em duas bases de dados eletrônicas brasileiras e de livre acesso (SciELO e PePSIC). Onze artigos empíricos foram analisados na íntegra a partir de seus métodos (participantes e instrumentos), objetivos e principais resultados. Os resultados indicaram que a maioria das produções nacionais sobre estresse parental enfoca o estresse materno e de filhos com alguma condição clínica, além de ser notada ausência de instrumentos válidos para o Brasil que possam mensurar o fenômeno em populações distintas. Estressores presentes dentro do contexto parental podem influir no nível de estresse parental, enquanto que o suporte social recebido pode auxiliar os pais/mães a lidarem de forma adaptativa com a sobrecarga estressora.

Referências

Abidin, R. R. (1992). The determinants of parenting
behavior. Journal of Clinical Child Psychology, 21,
407-412. doi: 10.1207/s15374424jccp2104_12

Andrada, E. G. C., Belling, G., Benetti, I. C., &Rezena,
B. (2009). Prontidão escolar e estresse parental.
Psicologia para América Latina, 18, 16-28.

Aragão, E. I. S., Vieira, S. S., Alves, M. G. G., & Santos,
A. F. (2009). Suporte social e estresse: Uma revisão
da literatura. Psicologia em Foco, 2, 79-90.

Barbosa, A. J. G., & Oliveira, L. D. (2008). Estresse e
enfrentamento em pais de pessoas com necessidades
especiais. Psicologia em Pesquisa, 2, 36-50.

Bellé, A. H., Andreazza, A. C., Ruschel, J., &Bosa, C.
A. (2009). Estresse e adaptação psicossocial em mães
de crianças com transtorno de déficit de atenção/
hiperatividade. Psicologia: Reflexão e Crítica, 22, 317-
325. doi: 10.1590/S0102-79722009000300001

Bérgamo, L. P. D., &Bazon, M. R. (2011). Abuso físico
infantil: Analisando o estresse parental e o apoio
social. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 27, 13-21. doi:
10.1590/S0102-37722011000100003

Cassepp-Borges, V., Balbinotti, M. A. A., & Teodoro,
M. L. M. (2010). Tradução e validação de conteúdo:
Uma proposta para a adaptação de instrumentos.
Em L. Pasquali e colaboradores, Instrumentação
psicológica: Fundamentos e práticas (pp. 506-520).
Porto Alegre: Artmed.

Cherubini, Z. A., Bosa, C. A., & Bandeira, D. R.
(2008). Estresse e autoconceito em pais e mães de
crianças com a síndrome do X-frágil. Psicologia:
Reflexão e Crítica, 21, 409-417. doi: 10.1590/
S0102-79722008000300009

Cousino, M. K., &Hazen, R. A. (2013). Parenting stress
among caregivers of children with chronic illness: A
systematic review. Journal of Pediatric Psychology, 38,
809–828. doi:10.1093/jpepsy/jst049

Dancey, C. P., & Reidy, J. (2006). Estatística sem
matemática para psicologia: Usando SPSS para
Windows. 3ª ed. Porto Alegre: Artmed.

Dessen, M. A., &Szelbracikowski, A. C. (2006).
Estabilidades e mudanças em padrões familiares
de crianças com problemas de comportamento
exteriorizado. Paidéia (Ribeirão Preto), 16, 71-80.
doi: 10.1590/S0103-863X2006000100010

Faro, A., & Pereira, M. E. (2013). Medidas do estresse:
Uma revisão narrativa. Psicologia, Saúde & Doenças,
14, 101-124.

França, D. X. (2013). A socialização e as relações
interétnicas. Em L. Camino, A. R. R. Torres, M. E.
O. Lima, & M. E. Pereira (Org.), Psicologia social:
Temas e teorias (pp. 541-587). Brasília: Technopolitik.

Freitas, P. M., Dias, C. L. A., Carvalho, R. C. L.,
&Haase, V. G. (2008). Efeitos de um programa
de intervenção cognitivo-comportamental para
mães de crianças com paralisia cerebral. Revista
Interamericana de Psicología, 42, 580-588.

Guajardo, N. R., Snyder, G., & Petersen, R. (2009).
Relationships among parenting practices, parental
stress, child behaviour, and children’s social-cognitive
development. Infant and Child Development, 18,
37–60. doi: 10.1002/icd.578

Hayes, S. A., & Watson, S. L. (2013). The impact of
parenting stress: A meta-analysis of studies comparing
the experience of parenting stress in parents of
children with and without autism spectrum disorder.
Journal of Autism and Developmental Disorders, 43,
629–642. doi: 10.1007/s10803-012-1604-y

Lazarus, R. S., & Folkman, S. (1984). Stress, appraisal
and coping. New York: Springer.

Lima, M. B. S., Afonso, T., & Silva, S. C. (2013).
Cuidadores primários de crianças com autismo
na Amazônia: Suporte social e estresse. Federação
Nacional das Apaes – Fenapaes, 2, 21-36.

Matsukura, T. S., Marturano, E. M., Oishi, J.,
& Borasche, G. (2007). Estresse e suporte social em
mães de crianças com necessidades especiais. Revista
Brasileira de Educação Especial, 13, 415-428. doi:
10.1590/S1413-65382007000300008

Minetto, M. F., Crepaldi, M. A., Bigras, M., & Moreira,
L. C. (2012). Práticas educativas e estresse parental
de pais de crianças pequenas com desenvolvimento
típico e atípico. Educar em Revista, (43), 117-132.
doi: 10.1590/S0104-40602012000100009

Moreira, M. S. (2010). Stress e suporte social em pais de
crianças com perturbação de hiperactividade com défice
de atenção. (Dissertação de Mestrado). Faculdade
de Ciências Sociais e Humanas da Universidade
Fernando Pessoa, Portugal.

McEwen, B. S., &Lasley, E. (2003). O fim do estresse
como nós o conhecemos. Rio de Janeiro: Editora
Nova Fronteira.

Pardo, M. B. L., Carvalho, M. M. B. S., & Santos, A.
B. (2014). Grupo de orientação a pais: Otimizando
a interação pais-filhos. Em V. L. Israel & M. B. L.

Pardo. Desenvolvimento infantil: Orientação a pais
e professores (p.41-58). Porto Alegre: RedesEditora.
Park, H., & Walton-Moss, B. (2012). Parenting
style, parenting stress, and children’s healthrelated
behaviors. JournalofDevelopmental&Be
havioralPediatrics, 33, 495-503. doi: 10.1097/
DBP.0b013e318258bdb8

Ribeiro, M. F. M., Sousa, A. L. L., Vandenberghe, L.,
& Porto, C. C. (2014). Estresse parental em mães de
crianças e adolescentes com paralisia cerebral. Revista
Latino-Americana de Enfermagem, 22, 440-447. doi:
10.1590/0104-1169.3409.2435

Rodriguez-JenKins, J., & Marcenko, M. O. (2014).
Parenting stress among child welfare involved
families: Differences by child placement. Children
and Youth Services Review 46, 19–27. doi: 10.1016/j.
childyouth.2014.07.024

Schmidt, C., &Bosa, C. (2007). Estresse e auto-eficácia
em mães de pessoas com autismo. Arquivos Brasileiros
de Psicologia, 59, 179-191.

Skreden, M., Skari, H., Malt, U. F., Pripp, A. H., Björk,
M. D., Faugli, A., & Emblem, R. (2012). Parenting
stress and emotional wellbeing in mothers and fathers
of preschool children. Scand Journal of Public Health,
40, 596-604. doi: 10.1177/1403494812460347

Sweenie, R., Mackey, E. R., & Streisand, R. (2014).
Parent-child relationships in type 1 diabetes:
Associations among child behavior, parenting
behavior, and pediatric parenting stress. Family
Systems Health, 32, 31–42. doi: 10.1037/fsh0000001

Theule, J., Wiener, J., Tannock, R., & Jenkins,
J. M. (2013). Parenting stress in families of
children with ADHD: A meta-analysis. Journal of
Emotional and Behavioral Disorders, 21, 3-17. doi:
10.1177/1063426610387433.

Vaughan, E. L., Feinn, R., Bernard, S., Brereton, M., &
Kaufman, J. S. (2012). Relationships between child
emotional and behavioral symptoms and caregiver
strain and parenting stress. Journal of Family Issues,
34, 534–556. doi: 10.1177/0192513X12440949

Vieira, M. L., Bossardi, C. N., Gomes, L. B., Bolze, S.
D. A., Crepaldi, M. A., &Piccinini, C. A. (2014).
Paternidade no Brasil: Revisão sistemática de artigos
empíricos. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 66,
36-52.

Zhang, Y., Wei, M., Shen, N., & Zhang, Y. (2015).
Identifying factors related to management during
the coping process of families with childhood with
chronic conditions: A multi-site study. Journal
of Pediatric Nurse, 30, 160-173. doi: 10.1016/j.
pedn.2014.10.002

Zoltowski, A. P. C., Costa, A. B., Teixeira, M. A. P.,
&Koller, S. H. (2014). Qualidade metodológica
das revisões sistemáticas em periódicos de psicologia
brasileiros. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 30, 97-104.
doi: 10.1590/S0102-3772201400010001
Publicado
2016-12-21
Seção
Artigos