Ajustamento Conjugal: a função das características individuais, do casal e do contexto

  • Juliana Szpoganicz Rosado Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, Rio Grande do Sul
  • Paola Vargas Barbosa Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, Rio Grande do Sul
  • Adriana Wagner Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, Rio Grande do Sul

Resumo

A qualidade dos relacionamentos conjugais é circunscrita por diversos fatores. Este trabalho investigou como a idade, o nível de escolaridade, a orientação sexual, o status conjugal, o tempo de duração da relação, a presença ou não de filhos, a percepção da conjugalidade dos pais, o salário, a satisfação com o trabalho e a satisfação com a condição econômica se associavam ao ajustamento conjugal de 1350 participantes, de ambos os sexos, de diferentes regiões do país. Análises de variância (ANOVA) revelaram que a qualidade conjugal se associa a aspectos individuais, da dinâmica conjugal e vida laboral dos participantes. Indivíduos jovens, homossexuais, sem filhos, com percepção positiva da conjugalidade dos pais e que estavam satisfeitos com a condição financeira e de trabalho indicaram maiores níveis de ajustamento conjugal.

Referências

Aknin, L. B., Norton, M. I., & Dunn, E. W. (2009)
From wealth to well-being? Money matters, but
lessa than people think. The Journal of Positive
Psychology, 4(6), 523-527.

Allendorf, K., & Ghimire, D. J. (2013). Determinants
of marital quality in an arranged marriage society.
Social Science Research, 42, 59-70.

Amato, P. R., & Booth, A. (2001). The legacy of parents’
marital discord: Consequences for children’s marital
quality. Journal of Personality and Social Psychology,
81(4), 627–638.

Anton, I. (2000). A escolha do cônjuge: Um entendimento
sistêmico e psicodinâmico. Porto Alegre: Artmed.

Bradbury, T. N., Fincham, F. D., & Beach, S. R. H.
(2000). Research on the nature and determinants of
marital satisfaction: A decade in review. Journal of
Marriage and the Family, 62, 964–980.

Falcke, D., Diehl, J.A., & Wagner, A. (2002). Satisfação
conjugal na atualidade. In A. Wagner (Ed.), Família
em Cena. Tramas, Dramas e Transformações (pp. 172-
188). Petrópolis: Vozes.

Falcke, D., & Wagner, A. (2005). A dinâmica familiar
e o fenômeno da transgeracionalidade: definição
de conceitos. In A. Wagner (Ed.), Como se perpetua
a família? A transmissão dos modelos familiares (pp.
25-46). Porto Alegre: Edipucrs.

Féres-Carneiro, T., Ziviani, C., & Magalhães, A. S.(2007) Questionário sobre a conjugalidade dos pais como instrumento de avaliação. In T.
Féres-Carneiro (Ed.), Família e Casal: saúde, trabalho e
modos de vinculação (pp. 251-267). São Paulo: Casa
do Psicólogo.

Fincham, F. D., & Bradburry, T. N. (1987). The
assessement of marital quality: A reevaluation.
Journal of Marriage and The Family, 49, 797 – 809.

Fortunato, R. C. (2009). Ecos da idade, sexo e nível sócioeconómico
em dimensões da conjugalidade: satisfação,
vinculação-afectividade e proximidade. Dissertação
de mestrado. Programa de Pós-Graduação da
Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação,
Universidade de Lisboa, Espanha.

Heckler, V. I., & Mosmann, C. P. (2016). A qualidade
conjugal nos anos iniciais do casamento em casais
de dupla carreira. Psicologia Clínica, Rio de Janeiro,
28, 161-182.

Heller, D., & Watson, D. (2005). Dynamic spillover of
satisfaction between work and marriage: The role of
time and mood. Journal of Applied Psychology, 90(6),
1272-1279.

Hernandez, J. A. E. (2008). Avaliação estrutural da
escala de ajustamento diádico. Psicologia em Estudo,
Maringá, 13(3), 593-601.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.
(2012). Estatísticas do registro civil 2012. Rio de
Janeiro: IBGE. Recuperado em 12 de novembro de
2013, em www.ibge.gov.org.

Locke H. J., & Willianson, R. C. (1958). Marital
adjustment: A factor analysis study. American
Sociological Review, 23, 562-569.

Lomando, E., Wagner, A., & Gonçalves, J.
(2011). Coesão, adaptabilidade e rede social no
relacionamento conjugal homossexual. Psicologia:
Teoria e Prática, 13(3), 95-109.

Mosmann, C., Wagner, A., & Féres-Carneiro, T. (2006).
Qualidade conjugal: Mapeando conceitos. Paidéia,
16(35), 315-325.

Neto, O. D., & Féres-Carneiro, T. (2010). Construção
e dissolução da conjugalidade: marcadores e
preditores. Interação em Psicologia, 14(2), 245-254.

Norgren, M. B. B., Souza, R. M., Kaslow, F.,
Hammerschmidt, H., & Sharlin, S. A. (2004).
Satisfação conjugal em casamentos de longa duração:
uma construção possível. Estudos de Psicologia, Natal,
9(3), 585-584.

Oliveira, M. Z. (2014). Dilemas reflexivos em transições
avançadas de desenvolvimento profissional. Tese de
doutorado – Universidade Federal do Rio Grande
do Sul.

Quissini, C. & Coelho, L. R. M. (2014). A influência
das famílias de origem nas relações conjugais.
Pensando Famílias, 18(2), 34-47.

Rosado, J. S., & Wagner, A. (2015). Qualidade,
ajustamento e satisfação conjugal: revisão sistemática
da literatura. Pensando Famílias, 19(2), 21-33.

Rowe. J. F., & Medeiros, L. G (2011) Casamento
contemporâneo: A escolha dos casais em não ter filhos.
Trabalho de conclusão do curso de Psicologia,
Universidade Federal de Santa Catarina, SC.

Scorsolini-Comin, F., & Santos, M. A. dos (2011).
Ajustamento diádico e satisfação conjugal:
correlações entre os domínios de duas escalas de
avaliação da conjugalidade. Psicologia: Reflexão e
Crítica, 24(3), 467-475.

Scorsolini-Comi, F. (2012). Família sujeito composto:
Conjugalidade dos pais e sua relação com o bem-estar
subjetivo e a satisfação nos relacionamentos amorosos
dos filhos. Tese de doutorado. Faculdade de Filosofia,
Ciências e Letras de Ribeirão Preto, Universidade
de São Paulo, SP.

Silva, I. M., & Frizzo, G. B. (2014). Ter ou não ter?:
Uma revisão da literatura sobre casais sem filhos por
opção. Pensando Famílias, 18(2), 48-61.

Spanier, G. B. (1976). Measuring dyadic adjustment:
New scales for assessing the quality of marriage and
similar dyads. Journal of Marriage and the Family,
38(1), 15-28.

Umberson, D., & Williams, K. (2005) Marital quality,
health, and aging: Gender equity? Journal of Gerontoly
B Psychological Sciences Social Sciences, 60, 109–113.

Van Steenbergen, E. F., Kluwer, E. S., & Karney, B.
R. (2011). Workload and the trajectory of marital
satisfaction in newlyweds: Job satisfaction, gender,
and parental status as moderators. Journal of Family
Psychology, 25(3), 345–355

Wagner, A., & Falcke, D. (2001). Satisfação conjugal
e transgeracionalidade. Psicologia Clínica, 13(2),
11-24.
Publicado
2016-12-21
Seção
Artigos