A Dispensação de Psicofármacos em um Município de Pequeno Porte: Considerações Acerca da Medicalização da Vida

  • Suely Teodora da Silveira São João del-Rei, Minas Gerais
  • Andréa Resende Vieira de Carvalho São João del-Rei, Minas Gerais
  • Marcelo Dalla Vecchia Departamento de Psicologia, Universidade Federal de São João del-Rei, São João del-Rei, Minas Gerais. Praça Dom Helvécio, 74 – DPSIC - Dom Bosco - São João del-Rei/MG - CEP 36.301-160
  • Walter Melo Departamento de Psicologia, Universidade Federal de São João del-Rei, São João del-Rei, Minas Gerais

Resumo

A hipótese da medicalização da vida é discutida pelo estudo da dispensação de psicofármacos em um município mineiro de pequeno porte. Foram sistematizados e analisados 1.240 registros de dispensação pela rede pública de saúde em 2012. Os antiepiléticos foram mais prescritos no período (37,6%), seguidos de ansiolíticos (33,8%) e antipsicóticos (17,3%). Mulheres receberam a maior parte das prescrições (67,6%). As prescrições foram concentradas nas faixas etárias de 50-59 (20,8%), 60-69 (18,5%) e 40-49 anos (17%). A adesão aos psicofármacos no tratamento do sofrimento mental mostrou-se relevante nesta localidade, sendo a alta prescrição um indicador indireto. Elaboração e desenvolvimento de propostas de desmedicalização junto dos usuários do SUS são fundamentais na direção da atenção integral à saúde.

Referências

Almeida, L. M., Coutinho, E. S. F., & Pepe, V. L.
E. (1994). Consumo de Psicofármacos em uma
Região Administrativa do Rio de Janeiro: A Ilha
do Governador. Cadernos de Saúde Pública, 10(1),
5-16, 1994.

Angell, M. (2007). A verdade sobre os laboratórios
farmacêuticos. Rio de Janeiro/São Paulo: Editora
Record.

Bezerra, I. C., Jorge, M. S. B., Gondim, A. P. S., Lima,
L. L., & Vasconcelos, M. G. F. (2014). “Fui lá no
posto e o doutor me mandou foi pra cá”: processo de
medicamentalização e (des)caminhos para o cuidado
em saúde mental na Atenção Primária. Interface -
Comunicação, Saúde, Educação, 18(48), 61-74.

Borges, T. L., Miasso, A. I., Vedana, K. G. G., Telles
Filho & Hegadoren, K. M. (2015). Prevalência do
uso de psicotrópicos e fatores associados na atenção
primária à saúde. Acta Paulista de Enfermagem,
28(4), 344-349.

Camargo Jr., K. R. (2013). Medicalização,
farmacologização e imperialismo sanitário. Cadernos
de Saúde Pública, 29(5), 844-846.

Canabarro, R. C. S., & Alves, M. B. (2009). Uma pílula
para (não) viver. Revista Mal-Estar e Subjetividade,
9(3), 839-866.

Campos, R. T. O. & Campos, G. W. S. (2006).
Co-construção de autonomia: o sujeito em questão.
In G. W. S. Campos, M. C. S. Minayo, M. Akerman,
M. Drumond Júnior & I. M. Carvalho (Orgs.),
Tratado de Saúde Coletiva (pp. 669-687). São Paulo:
Hucitec.

Carvalho, L.F. & Dimenstein, M. (2004). O modelo
de atenção à saúde e o uso de ansiolíticos entre
mulheres. Estudos de Psicologia, 9(1), 121-129.

Conselho Regional de Psicologia de São Paulo.
Grupo Interinstitucional Queixa Escolar. (2010).

Medicalização de crianças e adolescentes: conflitos
silenciados pela redução de questões sociais a doenças
de indivíduos. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Ferraza, D. A., Luzia, C. A., Rocha, L. C.; Sanches,
R. R. (2010). A banalização da prescrição de
psicofármacos em um ambulatório de saúde mental.
Paidéia, 20(47), 381-390.

Firmino, K. F., Abreu, M. H. N. G., Perini, E., &
Magalhães, S. M. S. (2011). Fatores associados ao
uso de benzodiazepínicos no serviço municipal
de saúde da cidade de Coronel Fabriciano, Minas
Gerais, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 27(6),
1223-1232.

Freitas, F., & Amarante, P. (2015). Medicalização em
Psiquiatria. Rio de Janeiro: Fiocruz.

Freud, S. (1987). O mal-estar na civilização (Edição
Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas
de Sigmund Freud, v. 21, 2ª ed.). Rio de Janeiro:
Imago. (Originalmente publicado em 1930).

Guarido, R. (2007). A medicalização do sofrimento
psíquico: considerações sobre o discurso psiquiátrico
e seus efeitos na Educação. Educação e Pesquisa,
33(1), p. 151-161.

Henrard, L. P. & Reis, C. W. (2013) A medicalização do
sofrimento psíquico na contemporaneidade. Revista Polidisciplinar Eletrônica da Faculdade Guairacá,
2(5), 32-48.

Ignácio, V. T. G., & Nardi, H. C. (2007). A medicalização
como estratégia biopolítica: um estudo sobre o
consumo de psicofármacos no contexto de um
pequeno município do Rio Grande do Sul. Psicologia
& Sociedade, 19(3), 88-95.

Itaborahy, C., & Ortega, F. (2013). O metifenidato no
Brasil: uma década de publicações. Ciência & Saúde
Coletiva, 18(3), 803-816.

Kantorski, L. P., Jardim, V. M. R., Porto, A. R., Schek,
G., Cortes, J. M., & Oliveira, M. M. (2011).

Descrição de oferta e consumo dos psicofármacos
em Centros de Atenção Psicossocial na Região Sul
brasileira. Revista da Escola de Enfermagem da USP,
45(6), 1481-1487.

Leibing, A & Groisman, D. (2001) Tão alto quanto
o morro – identidades localizadas de mulheres
hipertensas na favela da Mangueira. In B.T. Ribeiro,
et al (Orgs.). Narrativa, Identidade e Clínica (pp.
258-276). Rio de Janeiro: Edições IPUB/CUCA.

Lima, M. C. P., Menezes, P. R., Carandina, L., Cesar, C.
L. G., Barros, M. B. A., & Goldbaum, M. (2008).

Transtornos mentais comuns e uso de psicofármacos:
impacto das condições socioeconômicas. Revista de
Saúde Pública, 42(4), 717-723.

Luna M. M. E, Lirola E. C., Acín M. J. P., Matías,
M. R. M., Goméz, F. A. & Alcalá, F. J. R. (2000).
Influencia del género del paciente em el manejo
de cuadros ansioso/depresivos. Atención Primaria,
26(8), 554-8.

Loyola Filho, A. I.; Castro-Costa, É.; Firmo, J. O.
A., & Peixoto, S. V. (2014). Trends in the use of
antidepressants among older adults: Bambuí Project.
Revista de Saúde Pública, 48(6), 857-865.

Loyola Filho, A. I., Uchoa, E., Costa, M. F. L. (2006).
Estudo epidemiológico de base populacional
sobre uso de medicamentos entre idosos na região
metropolitana de Belo Horizonte, Minas Gerais,
Brasil. Revista de Saúde Pública, 22(12), 2657-67.

Mastroianni, P. C., Vaz, A. C. R., Noto, A. R.,
Galduróz, J. C. F. (2008). Análise do conteúdo de
propagandas de medicamentos psicoativos. Revista
de Saúde Pública, 42(5), 968-71.

Nordon, D. G., Akamine, K., Novo, N. F., & Hübner,
C. von Krakauer. (2009). Características do uso
de benzodiazepínicos por mulheres que buscavam
tratamento na atenção primária. Revista de Psiquiatria
do Rio Grande do Sul, 31(3), 152-158.

Noto, A. R., Carlini, E. A., Mastroianni, P. C., Alves,
V. C., Galduróz, J. C. F., Kuroiwa, W., Csizmar, J.,
Costa, A., Faria, M. A., Hidalgo, S. R., Assis, D.,
& Nappo, S. A. (2002). Analysis of prescription
and dispensation of psychotropic medications in
two cities in the State of São Paulo, Brazil. Revista
Brasileira de Psiquiatria, 24(2), 68-73.

Pelegrini, M. R. F. (2003). O abuso de medicamentos
psicotrópicos na contemporaneidade. Psicologia:
Ciência e Profissão, 21(3), 38-43.

Rocha, B. S., & Werlang, M. C. (2013). Psicofármacos
na Estratégia Saúde da Família: perfil de utilização,
acesso e estratégias para a promoção do uso racional.
Ciência & Saúde Coletiva, 18(11), 3291-3300.

Rodrigues, M. A. P., Facchini, L. A., & Lima, M. S.
(2006). Modificações nos padrões de consumo de
psicofármacos em localidade do Sul do Brasil. Revista
de Saúde Pública, 40(1), 107-114.

Rosa, B. P. G. D., & Winograd, M. (2011). Palavras
e pílulas: sobre a medicamentalização do mal-estar
psíquico na atualidade. Psicologia & Sociedade,
23(spe), 37-44.

Roudinesco, R. (2000). Por que a psicanálise? Rio de
Janeiro: Jorge Zahar Editor.

Silva, J. C., Piano, G. & Hunsche, L. B. (2013).
Medicalização e psicoterapia: a relação entre o uso
de psicofármacos e o processo de psicoterapia na
adolescência. Revista NUPEM, 5(9), 151-162.

Tesser, C. D. (2006). Medicalização social (II): limites
biomédicos e propostas para a clínica na atenção
básica. Interface - Comunicação, Saúde, Educação,
10(20), 347-362.

Watters, E. (2010). A americanização da doença
mental. Revista Latinoamericana de Psicopatologia
Fundamental, 13(1), 102-115.

Winograd, M. (2010/2011). O sujeito das neurociências.
Trabalho, Educação, Saúde, 8(3), 521-535.

Xavier, M. S., Terra, M. G., Silva, C. T., Mostardeiro,
S. C. T. S., Silva, A. A. & Freitas, F. F. (2014).

O significado da utilização de psicofármacos
para indivíduos com transtorno mental em
acompanhamento ambulatorial. Escola Anna Nery
Revista de Enfermagem , 18(2), 323-329.
Publicado
2016-12-21
Seção
Artigos