As políticas sociais nas disciplinas dos cursos de graduação em Psicologia no Brasil1

  • Pablo de Souza Seixas Faculdade de Ciências da Saúde do Trairi. Universidade Federal do Rio Grande do Norte, FACISA.
  • Ana Ludmila Costa Campus Universitário Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Centro de Ciências Humanas Letras e Artes, Departamento de Psicologia, sala 613, Lagoa Nova, Natal/RN, CEP 59078-970, Caixa-Postal: 1622.
  • Andressa Maia de Oliveira Campus Universitário Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Centro de Ciências Humanas Letras e Artes, Departamento de Psicologia, sala 613, Lagoa Nova, Natal/RN, CEP 59078-970, Caixa-Postal: 1622.
  • Joyce Pereira da Costa Campus Universitário Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Centro de Ciências Humanas Letras e Artes, Departamento de Psicologia, sala 613, Lagoa Nova, Natal/RN, CEP 59078-970, Caixa-Postal: 1622.
  • Oswaldo Hajime Yamamoto Campus Universitário Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Centro de Ciências Humanas Letras e Artes, Departamento de Psicologia, sala 614, Lagoa Nova, Natal/RN, CEP 59078-970, Caixa-Postal: 1622.

Resumo

Objetivou-se investigar o tema “política social” nas disciplinas dos cursos de Psicologia no Brasil. Foram analisados 40 Projetos Pedagógicos dos Cursos de Instituições de Ensino Superior com distintas características (natureza jurídica, organização acadêmica e localização geográfica). Destes, identificou-se ementas de disciplinas a partir de critérios prévios e classificou-se quanto as áreas da Psicologia e conteúdo temático. Os principais resultados apontam a presença do tema em 8,3% das 2600 disciplinas analisadas, de forma pulverizada entre as instituições, sendo “Política social” estudada no Núcleo Comum (70%) e articulada com áreas especializadas da Psicologia (85%). Percebe-se que a abordagem mais ampla de políticas sociais, essencial para um profissional crítico, não ocorre de modo sistemático. Sugere-se investigar as orientações teórico-políticas tratadas nas disciplinas.

Referências

Bernardes, J. S. (2012). A formação em Psicologia após
50 anos do primeiro currículo nacional da Psicologia:
alguns desafios atuais. Psicologia Ciência e Profissão,
32(num. esp.), 216-231.

Boarini, M. L. (1996). A formação (necessária) do
psicólogo para atuar na saúde pública. Psicologia
em Estudo, 1(1), 93-132.

Bock, A. M. B. (1997). Formação do psicólogo:
um debate a partir do significado do fenômeno
psicológico. Psicologia: Ciência e Profissão, 17(2),
37-42.

Bock, A. M. B., & Gianfaldoni, M. H. (2010). Direitos
Humanos no ensino de Psicologia. Psicologia: Ensino
& Formação, 1(2), 97-115.

Branco, M. T. (1998). Que profissional queremos
formar? Psicologia: Ciência e Profissão, 18(3), 28-35.

Campos, R. H. F. (1983). A função social do psicólogo.
Educação & Sociedade, 16, 74-84.

Coelho-Lima, F., Bendassolli, P. F., & Yamamoto, O.
H. (2014). Características da Psicologia do Trabalho
e das Organizações na formação do psicólogo. Psico,
45(40), 445-453.

Conselho Federal de Psicologia (Org.). (1988). Quem
é o psicólogo brasileiro. São Paulo: Edicon.

Conselho Federal de Psicologia (Org.). (2005). Psicólogo
brasileiro: Construção de novos espaços. Campinas:
Átomo.

Costa, A. L. F. (2014). A pós-graduação stricto sensu
de Psicologia e o debate sobre política social (Tese
de doutorado). Programa de Pós-graduação de
Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do
Norte, Natal.

Gomide, P. I. (1988). A formação acadêmica: onde
residem suas deficiências. In Conselho Federal de
Psicologia (Org.), Quem é o psicólogo Brasileiro? (pp.
69-85). São Paulo: Edicon.

Guzzo, R. S. L., Mezzalira, A. S. C., & Moreira, A. P.
G. (2012). Psicólogo na rede pública de educação:
embates dentro e fora da profissão. Revista Semestral
da ABRAPEE-SP, 16(2), 329-338.

Leão, S. M., Oliveira, I. M. F. F., Carvalho, D. B.
(2014). O psicólogo no campo do bem-estar social:
atuação junto às famílias e indivíduos em situação
de vulnerabilidade e risco social no Centro de
Referência de Assistência Social (CRAS). Estudos e
Pesquisas em Psicologia, 14(1), 264-289.

Lo Bianco, A. C.; Bastos, A. V. B., Nunes, M. L. T.,
& Silva, R. C. (1994). Concepções emergentes na
Psicologia Clínica: implicações para a formação.
In: Psicólogo brasileiro: práticas emergentes e desafios
para a formação (pp. 7-76). São Paulo: Casa do
Psicólogo.

Macedo, J. P. S. & Dimenstein, M. (2012) O trabalho
dos psicólogos nas políticas sociais no Brasil. Avances
en Psicologia Latinoamericana, 30(1), 182-192.

Oliveira, I. M. F. F., Amorim, K. M. O. (2012)
Psicologia e política social: o trato à pobreza como
sujeito psicológico. Psicologia Argumento, 30(70),
567-573.

Rocha Jr., A. (1999). Das discussões em torno da
formação em psicologia às diretrizes curriculares.
Psicologia: Teoria e Prática, 1(2), 3-8.

Seixas, P. S. (2014). A formação graduada em Psicologia
no Brasil: reflexão sobre os principais dilemas em um
contexto pós-DCN (Tese de doutorado). Programa
de Pós-graduação de Psicologia, Universidade Federal
do Rio Grande do Norte, Natal.

Silva, C. A. & Yamamoto, O. H. (2013). As políticas
sociais na formação graduada do psicólogo no Piauí.
Psicologia: Ciência e Profissão, 33(4), 824-839.

Witter, G. P., & Ferreira, A. A. (2005). Formação do
psicólogo hoje. In Conselho Federal de Psicologia
(Org.), Psicólogo brasileiro: construção de novos espaços
(pp. 15-39). Campinas: Editora Alínea.

Yamamoto, O. H. (2012). 50 anos de profissão:
responsabilidade social ou projeto ético-político?
Psicologia: Ciência e Profissão, 32(num. esp), 6-17.

Yamamoto, O. H., & Oliveira, I. F. de. (2010). Política
Social e Psicologia: uma trajetória de 25 anos.
Psicologia: Teoria e Pesquisa, 26, 9-24.

Yamamoto, O. H., Seixas, P. S, Costa, A. L. F., & Coelho-
Lima, F. (2013). The role of Social Psychology in
Brazilian undergraduate and graduate education.
Estudos de Psicologia, 18(1), 83-92.

Yamamoto, O. H., Souza, J. A. J., Silva, N., & Zanelli,
J. C. (2010). A formação básica, pós-graduada e
complementar do psicólogo no Brasil. In A. V. B.
Bastos & S. M. G. Gondim (Orgs.), O trabalho do
psicólogo no Brasil (pp. 45- 65). Porto Alegre: Artmed.
Publicado
2016-12-21
Seção
Artigos