Projeto Terapêutico Singular no atendimento de mulheres em um CAPS AD III

  • Scheila Silva Rasch Programa de Pós-Graduação em Psicologia. Universidade Federal do Espírito Santo (Vitória), Brasil
  • Angela Nobre de Andrade Programa de Pós-Graduação em Psicologia. Universidade Federal do Espírito Santo (Vitória), Brasil
  • Luziane Zacché Avellar Programa de Pós-Graduação em Psicologia. Universidade Federal do Espírito Santo (Vitória), Brasil
  • Pedro Machado Ribeiro Neto Programa de Pós-Graduação em Psicologia. Universidade Federal do Espírito Santo (Vitória), Brasil

Resumo

Este estudo objetiva debater o Projeto Terapêutico Singular a partir da análise de prontuários de mulheres atendidas em um Centro de Atenção
Psicossocial Álcool e Drogas. Foi realizado um levantamento nos prontuários de 27 mulheres atendidas no serviço. Os resultados levaram a três categorias principais: características sociodemográficas e do consumo; processo do tratamento; e temática das redes articuladas à construção do
projeto terapêutico. Apesar da diversidade de ações e redes utilizadas, este levantamento evidencia a necessidade da ampliação de ofertas terapêuticas
orientadas para o público feminino, visando à ampliação de recursos para mulheres. O projeto terapêutico articulado em rede e focado nas necessidades femininas pode fortalecer vínculos e propiciar uma atenção singularizada e acolhedora.

Referências

Amarante, P. (2007). Saúde mental e atenção
psicossocial. Rio de Janeiro: Fiocruz.
Boadella, D. (1992). Correntes da vida: uma introdução
à biossíntese. São Paulo: Summus.
Böing, E., & Crepaldi, M. A. (2010). O psicólogo
na atenção básica: uma incursão pelas políticas
públicas de saúde brasileiras. Psicologia: Ciência e
Profissão, 30(3), 634-649.
Boyesen, G. (1986). Entre psique e soma: introdução à
psicologia biodinâmica. São Paulo: Summus.
Brasil. (2002). Portaria nº 336, de 19 de fevereiro de
2002. Institui os Centros de Atenção Psicossocial.
Brasília: Ministério da Saúde. Recuperado de:
http://dtr2004.saude.gov.br/susdeaz/legislacao/
arquivo/39_Portaria_336_de_19_02_2002.pdf.
Acesso em: 09 jul. 2015.
Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria Executiva.
Coordenação Nacional de DST/Aids. (2003).
A política do Ministério da Saúde para a atenção
integral a usuários de álcool e outras drogas. Brasília:
Ministério da Saúde.
Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção
à Saúde. Departamento de Ações Programáticas
Estratégicas. (2004). Saúde mental no SUS:
os Centros de Atenção Psicossocial. Brasília:
Ministério da Saúde. Recuperado de: http://www.
ccs.saude.gov.br/saude_mental/pdf/sm_sus.pdf.
Acesso em: 09 jul. 2015.
Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à
Saúde. Núcleo Técnico da Política Nacional de
Humanização. (2007). Clínica ampliada, equipe
de referência e projeto terapêutico singular (2a ed.).
Brasília: Ministério da Saúde. Recuperado de:
http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/clinica_
ampliada_2ed.pdf Acesso em: 08/07/2015.Brasil. Secretaria de Atenção à Saúde. DAPES.
CoordenaçãoGeral
de Saúde Mental, Álcool e
Outras Drogas. (2011). Saúde Mental no SUS: as
novas fronteiras da Reforma Psiquiátrica. Relatório
de Gestão 2007-2010. Brasília: Ministério da
Saúde. Recuperado de: http://bvsms.saude.gov.
br/bvs/publicacoes/saude_mental_fronteiras_
reforma_psiquiatrica.pdf. Acesso em: 09 jul. 2015.
Brasil. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro.
(2012). Portaria nº 130, de 26 de janeiro de 2012.
Redefine o Centro de Atenção Psicossocial de Álcool
e outras Drogas 24 h (CAPS AD III) e os respectivos
incentivos financeiros. Brasília: Ministério da
Saúde. Recuperado de: http://bvsms.saude.gov.br/
bvs/saudelegis/gm/2012/prt0130_26_01_2012.
html. Acesso em: 09 jul. 2015.
Brasiliano, S. (2003). Psicoterapia psicanalítica
de grupo para mulheres drogadictas: o que há
de feminino? (pp. 199-205). In: M. Baptista,
M. S. Cruz & R. Matias (Orgs.). Drogas e pósmodernidade.
Rio de Janeiro: EdUERJ.
Brasiliano S., & Hochgraf, P. B. (1999). Adesão de
mulheres a um programa específico de tratamento,
Álcool e Drogas. Revista da Abead, 2(1), 43-49.
Brasiliano, S., & Hochgraf, P. B. (2006). A influência
da comorbidade com transtornos alimentares
na apresentação de mulheres dependentes de
substâncias psicoativas. Revista de Psiquiatria
Clínica, 33(3), 134-144.
Capistrano, F. C., Ferreira, A. C. Z., Silva, T. L.,
Kalinke, L. P., & Maftum, M. A. (2013). Perfil
sociodemográfico e clínico de dependentes
químicos em tratamento: análise de prontuários.
Escola Anna Nery, 17(2), 234-241.
Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas
Psicotrópicas (CEBRID). (2002). I Levantamento
domiciliar sobre o uso de drogas psicotrópicas no
Brasil: estudo envolvendo as 107 maiores cidades
do país – 2001. E. A. Carlini (supervisão) [et. al.].
São Paulo: CEBRID/ Universidade Federal de São
Paulo – UNIFESP. Recuperado de: http://www.
cebrid.epm.br. Acesso em: 09 jul. 2015.
Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas
Psicotrópicas (CEBRID). (2006). II Levantamento
domiciliar sobre o uso de drogas psicotrópicas no
Brasil: estudo envolvendo as 108 maiores cidades
do país – 2005. E. A. Carlini (supervisão) [et. al.].
São Paulo: CEBRID/ Universidade Federal de São
Paulo – UNIFESP. Recuperado de: http://www.
cebrid.epm.br. Acesso em: 09 jul. 2015.Cesar, B. A. L. (2006). Alcoolismo feminino:
um estudo de suas peculiaridades. Resultados
preliminares. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, 55(3),
208-211.
Galduróz, J. C. F., Noto, A. R., & Carlini, E. A.
(1997). IV Levantamento sobre o uso de drogas
entre os estudantes dos 1º e 2º graus em 10 capitais
brasileiras – 1997. São Paulo: Universidade Federal
de São Paulo. 130 p.
Green, C. A. (2006). Gender and use of substance
abuse treatment services. Alcohol research & health:
the journal of the National Institute on Alcohol Abuse
and Alcoholism, 29(1), 55-62.
Green, C. A., Polen, M. R., Dickinson, D. M.,
Lynch, F. L., & Bennett, M. D. (2002). Gender
differences in predictors of initiation, retention,
and completion in an HMO-based substance
abuse treatment program. Journal of substance
abuse treatment. 23(4), 285-295.
Kinoshita, R. T. (2001). Contratualidade e
reabilitação psicossocial (2a. ed.). In: A. Pitta
(Org.). Reabilitação psicossocial no Brasil (55-59).
São Paulo: Hucitec.
Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia para
Políticas Públicas de Álcool e outras Drogas
(INPAD). Universidade Federal de São Paulo
(UNIFESP). Laranjeira, R., Madruga, C. S.,
Pinsky, I., Caetano, R., Ribeiro, M., & Mitsuhiro,
S. S. (2014). II Levantamento Nacional de Álcool
e Drogas (LENAD) – Relatório 2012. São Paulo:
INPAD/ UNIFESP.
Laranjeira, R., Zaleski, M., & Ratto, L. (2004).
Comorbidades Psiquiátricas: uma visão global. In:
Comorbidades: transtornos mentais x transtornos por
uso de substâncias de abuso (pp. 7-11). São Paulo:
Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras
Drogas (ABEAD).
Lowen, A. (1982). Bioenergética (8a. ed.). São Paulo:
Summus.
Minayo, M. C. de S. (2012). O desafio do conhecimento:
pesquisa qualitativa em saúde (11a ed.). São Paulo:
Hucitec.
Monteiro, C. F. S., Fé, L. C. M., Moreira, M. A. C.,
Albuquerque, I. E. M., Silva, M. G., & Passamani,
M. C. (2011). Perfil sociodemográfico e adesão ao
tratamento de dependentes de álcool em CAPSAD
do Piauí. Escola Anna Nery, 15(1), 90-95.
Nóbrega, M. P. S., & Oliveira, E. M. (2005). Mulheres
usuárias de álcool: análise qualitativa. Revista de
Saúde Pública, 39(5), 816-823.Onocko-Campos, R., & Gama, C. (2008). Saúde
Mental na Atenção Básica. In: G. W. S. Campos
& A. V. P. Guerrero (Orgs.). Manual de práticas
em atenção básica: saúde ampliada e compartilhada.
Coleção Saúde em Debate. São Paulo: Aderaldo &
Rothschild.
Organização Mundial de Saúde (OMS). (1993).
CID 10. Transtornos mentais e comportamentais
(F00-F99). In: Classificação estatística internacional
de doenças e problemas relacionados à saúde (cap. IV,
pp. 311-388). São Paulo: Editora da Universidade
de São Paulo.
Quinderé, P. H. D., & Tófoli, L. F. (2007). Análise
do perfil epidemiológico dos clientes do centro
de atenção psicossocial para álcool e outras drogas
(CAPS-AD) de Sobral-CE. Sanare – Revista de
Políticas Públicas, 6(2), 62-66.
Reich, W. (2001). Análise do caráter. São Paulo:
Martins Fontes.
Ribeiro, D. V. A. (2009). Significações psicológicas sobre
a adesão ao tratamento ambulatorial de mulheres
dependentes de substâncias psicoativas: estudo
clínico-qualitativo (Dissertação de Mestrado).
Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de
Ciências Médicas, Campinas.
Schuckit, M. A. (1991). Abuso de álcool e drogas: uma
orientação clínica ao diagnóstico e tratamento. Porto
Alegre: Artmed.
Silva, B. L. C., Araújo, A. P., Carvalho, R. N.,
Azevedo, E. B., Moraes, M. N., & Queiroz, D.
(2012). Participação da família no tratamento
dos usuários do centro de atenção psicossocial de
álcool e outras drogas. Revista Brasileira de Pesquisa
em Saúde, 14(4), 61-68.
Souza, M. R. R., Oliveira, J. F., & Nascimento, E.
R. (2014). A saúde de mulheres e o fenômeno das
drogas em revistas brasileiras. Texto e Contexto em
Enfermagem, 23(1), 92-100.
Torres, I. M. A. (2002). O desafio em rede. In:
Cooperação Brasil-União Europeia. Entre riscos e
danos: uma nova estratégia de atenção ao uso de drogas
(111-122). Paris: Editions Scientifiques Acodess.
United Nations Office for Drug Control and Crime
Prevention (UNODCCP). (2002). Global
Illicit Drug Trends. Recuperado de: http://
www.unodc.org/pdf/report_2002-06-26_1/
report_2002-06-26_1.pdf. Acesso em: 10 jul. 2015.
United Nations Office on Drugs and Crime
(UNODC). (2004). Substance abuse treatment
and care for women: case studies and lessonslearned. Vienna: United Nations Publication.
Recuperado de: http://www.unodc.org/pdf/india/
womens_corner/sustance_abuse_treat_care.pdf.
Acesso em: 10 jul. 2015.
United Nations Office on Drugs and Crime
(UNODC). (2014). World Drug Report 2014.
Vienna: United Nations Publication. Recuperado
de: https://www.unodc.org/documents/wdr2014/
World_Drug_Report_2014_web.pdf. Acesso em:
20 set. 2016.
Wolle, C. de C., & Zilberman, M. L. (2011). Mulheres.
In: A. Diehl, D. C. Cordeiro, R. Laranjeira (Orgs.).
Dependência química: prevenção, tratamento e
políticas públicas. Porto Alegre: Artmed. p. 375-382.
World Health Organization (WHO). (2014). Global
status report on alcohol and health – 2014. Geneva:
WHO. Recuperado de: http://apps.who.int/iris/
bitstream/10665/112736/1/9789240692763_
eng.pdf. Acesso em: 10 jul. 2015.
Zilberman, M. L. (2003). Uso de drogas entre
mulheres. In: M. Baptista, M. S. Cruz & R.
Matias (Orgs.). Drogas e Pós-Modernidade: prazer,
sofrimento e tabu (pp. 175-186). Rio de Janeiro:
EdUERJ.
Publicado
2016-10-25
Seção
Artigos