Consumo de álcool e drogas e o trabalho do psicólogo no núcleo de apoio à saúde da família

  • Ana Izabel Oliveira Lima Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) – Natal (RN), Brasil.
  • Magda Dimenstein Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) – Natal (RN), Brasil.
  • João Paulo Macedo Universidade Federal do Piauí (UFPI) – Parnaíba (PI), Brasil.

Resumo

Objetivou-se discutir os desafios para a prática do psicólogo no Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF) diante de demandas relacionadas ao
consumo de substâncias psicoativas e às possibilidades de atuação. Como desafios, aponta-se a falta de atualização e manejo profissional; a crença dos profissionais de que nada pode ser feito em relação a problemas com álcool e drogas; o encaminhamento como única ação de cuidado; e a formação dos psicólogos ainda baseada no modelo de clínica liberal, privada, curativa. É preciso criar práticas de acordo com o contexto dos indivíduos, resgatar as múltiplas dimensões de saúde e incorporar outros saberes para compor a produção do cuidado com a saúde, como a Redução de Danos, que reconhece cada usuário em sua singularidade e traça estratégias de promoção da saúde.

Referências

Araújo, A. C. C. (2013). Atenção primária
e dependência química: contribuições do
matriciamento em saúde mental. Saúde em Debate,
37(1), 61-69.
Arce, V. A. R., Sousa, M. F., & Lima, M. G. (2011).
A práxis da saúde mental no âmbito da Estratégia
Saúde da Família: contribuições para a construção
de um cuidado integrado. Physis: Revista de Saúde
Coletiva, 21(2), 541-560.
Barros, M. A., & Pillon, S. C. (2007). Assistência aos
usuários de drogas: a visão dos profissionais do
Programa Saúde da Família, Revista Enfermagem
UERJ, 15(2), 261-266.
Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 3.124,de 28
de dezembro de 2012. Redefine os parâmetros
de vinculação dos Núcleos de Apoio à Saúde da
Família (NASF) Modalidades 1 e 2 às Equipes
Saúde da Família e/ou Equipes de Atenção Básica
para populações específicas, cria a Modalidade
NASF 3, e dá outras providências. Brasília:
Ministério da Saúde.Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de
Atenção à Saúde. (2015). Cadastro Nacional de
Estabelecimentos de Saúde. Recuperado de http://
cnes.datasus.gov.br/
Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à
Saúde. Departamento de Ações Programáticas e
Estratégicas. (2008). Política nacional de atenção
integral à saúde do homem (princípios e diretrizes).
Brasília: Ministério da Saúde.
Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção
à Saúde. Departamento de Atenção Básica.
Departamento de Ações Programáticas e
Estratégicas. (2013). Cadernos de Atenção Básica,
n. 34: saúde mental. Brasília: Ministério da Saúde.
Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à
Saúde. Departamento de Atenção Básica. (2009).
Diretrizes do NASF: Núcleo de Apoio à Saúde da
Família. Brasília: Ministério da Saúde.
Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à
Saúde. (2003). Saúde mental na atenção básica: o
vínculo e o diálogo necessários. Brasília: Ministério
da Saúde.
Campos, F. C. B., & Guarido, E. L. (2010). O
psicólogo no SUS: suas práticas e as necessidades
de quem o procura. In: SPINK, M. J. P. (Org.), A
psicologia em diálogo com o SUS: prática profissional
e produção acadêmica (pp. 81-103). São Paulo:
Casa do Psicólogo.
Chiaverini, D. H. (Org.). (2011). Guia prático de
matriciamento em saúde mental. Brasília: Ministério
da Saúde/Centro de Estudo e Pesquisa em Saúde
Coletiva.
Claro, H. G., Oliveira, M. A. F., Almeida, M. M.,
Vargas, D., & Plaglione, H. B. (2011). Adaptação
cultural de instrumentos de coleta de dados para
mensuração em álcool e drogas. SMAD. Revista
Eletrônica Saúde Mental Álcool e Drogas (Edição em
Português), 7(2), 71-77.
Conselho Federal de Psicologia/CFP. (2013).
Referências técnicas para a atuação de psicólogas(os)
em políticas públicas de álcool e outras drogas.
Brasília: CFP.
Costa, P. H. A, Mota, D. C. B., Cruvinel, E., Paiva,
F. S., & Ronzani T. M. (2013). Metodologia de
implementação de práticas preventivas ao uso de
drogas na atenção primária latino-americana. Revista
Panamericana de Salud Pública. 33(5), 325-331.
Figueiredo, M. D., & Campos, R. O. (2009). Saúde
mental na atenção básica à saúde de Campinas, SP:
uma rede ou um emaranhado? Ciência & Saúde
Coletiva, Botucatu, 14(1), 129-138.Fonsêca, C. J. B. (2012). Conhecendo a redução de
danos enquanto uma proposta ética. Psicologia
& Saberes, 1(1), 11-36. Recuperado de http://
revistas.cesmac.edu.br/index.php/psicologia/
article/view/42
Gonçalves, A. M. (2002). Cuidados diante do abuso
e da dependência de drogas: desafio da prática do
Programa Saúde da Família (Tese de doutorado).
Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.
Laranjeira, R. (Org.). (2012). II Levantamento
Nacional de Álcool e Drogas (LENAD). São Paulo:
Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia para
Políticas Públicas de Álcool e Outras Drogas/
INPAD. Recuperado de http://inpad.org.
br/wp-content/uploads/2014/03/Lenad-IIRelat%
C3%B3rio.pdf
Lima, A, I. O. (2014). Suporte ao uso de álcool e drogas
na atenção primária: um estudo com equipes de
Natal/RN (Dissertação de mestrado). Universidade
Federal do Rio Grande do Norte, Natal.
Machado, A. R. (2013). Contribuições para a formulação
de ações de formação em atenção a usuários de
álcool/drogas no SUS: o relato de uma experiência
em Minas Gerais. In: Lobosque, A. M., & Silva, C.
R. (Orgs.). Saúde Mental: marcos conceituais e campos
de prática (pp. 111-119). Belo Horizonte: Conselho
Regional de Psicologia de Minas Gerais.
Meira, M. A., & Silva, M. O. (2011). Atuação
da Psicologia na Estratégia Saúde da Família: a
experiência de um psicólogo em uma residência
multiprofissional. Revista Brasileira de Ciências da
Saúde, 15(3), 369-376.
Neumann, B. G. (1992). Intervenção Breve. In:
Formigoni, M. L. (Org.), A intervenção breve
na dependência de drogas: a experiência brasileira
(pp. 81-94). São Paulo: Contexto.
Organização Mundial da Saúde (OMS). (2011).
Intervención breve vinculada a ASSIST para el
consumo riesgoso y nocivo de sustancias: Manual
para uso en la atención primaria. Washington,
DC: OMS. Recuperado de http://www.who.int/
substance_abuse/activities/assist_intervention_
spanish.pdf
Organização Pan Americana de Saúde (OPAS). (2009).
Drug Use Epidemiology in Latin America and the
Caribbean: A Public Health Approach. Washington,
DC: Panamerican Health Organization.
Paulin, T., & Luzio, C. A. (2009). A psicologia na
saúde pública: desafios para a atuação e formação
profissional. Revista de Psicologia da UNESP, 8(2),
98-109.Ribeiro, R. I. S. (2012). A dependência grave do
álcool e do crack e o atendimento na rede pública
de saúde mental. Ministério Público do Estado de
Minas Gerais. Recuperado de https://aplicacao.
mpmg.mp.br/xmlui/handle/123456789/1058
Romagnoli, R. C. (2006). A formação dos psicólogos e
a saúde pública. Pesquisas e Práticas Psicossociais, 1(2).
Ronzani, T. M., Mota, D. C. B., & Souza, I. C. W.
(2009). Prevenção do uso de álcool na atenção
primária em municípios do estado de Minas
Gerais. Revista de Saúde Pública, 43(Supl. 1), 51-
61. doi:10.1590/S0034-89102009000800009.
Ronzani, T. M. (2008). Padrão de uso de álcool entre
pacientes da atenção primária à saúde: estudo
comparativo. Revista de APS, 11(2), 163-171.
Ronzani, T. M., & Rodrigues, M. C. (2006).
O psicólogo na atenção primária à saúde:
contribuições, desafios e redirecionamentos.
Psicologia Ciência e Profissão, 26(1), 132-143.
Silveira, M. R. (2009). A saúde mental na atenção
básica: um diálogo necessário (Tese de doutorado).
Universidade Federal de Minas Gerais, Belo
Horizonte.
Publicado
2016-10-25
Seção
Artigos