Violados indignos: usuários de crack no Rio de Janeiro e em Nova Iorque

  • Danielle de Carvalho Vallim Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Rio de Janeiro), Brasil

Resumo

Este estudo analisa formas de manifestação da violência praticada contra usuários de crack em cenas de uso, nas cidades do Rio de Janeiro e de Nova Iorque. O método qualitativo constituiu a proposta metodológica em ambas as cidades, com técnicas de observação participante, elatos de histórias de vida e entrevistas semiestruturadas. Concluiu-se que, nos ambientes em que essa população se encontrava, reproduziam-se formas particulares de sofrimento, provocadas pelas violências física e moral, contra e entre os usuários, bem como pela discriminação social a que eram submetidos, perpetuando formas de banalização da violência e do sofrimento. Tornou-se evidente que o uso de drogas em cenas de uso de crack nas duas cidades eleva a exposição de seus usuários a problemas de saúde, violência, estigma, isolamento social e violação dos direitos.

Referências

Bourdieu, P., & Wacquant, L. (1992). The Practice
of Reflexive Sociology (The Paris Workshop). In:
Bourdieu, P., & Wacquant, L. (Ed.), An invitation
to reflexive sociology (pp. 219-257). Chicago:
University of Chicago Press.
Bourgois, P. (2003). Selling crack in el barrio (2nd ed.).
New York: Cambrigde University Press. 432 p.
Elias, L. A., & Bastos, F. I. (2011). Saúde pública,
redução de danos e a prevenção das infecções
de transmissão sexual e sanguínea: revisão dos
principais conceitos e sua implementação no
Brasil. Ciência e Saúde Coletiva, 16(12), 4721-
4730.
Foot Whyte, W. (2005). Sociedade de Esquina = Street
Corner Society. A estrutura social de uma área
urbana, pobre e degradada. Rio de Janeiro: Jorge
Zaahar. 390 p.
Fullilove, R., & Fullilove, M. (1992). Intersecting
epidemics: black teen crack use and sexually
transmited disease. Journal of American Medical
Women’s Associations. 44(5), 146-153.Heilborn, M., Faya, A., Damasceno, A. p., & Souza,
J. (2014). Jovens, gênero, mídia e violência em
contexto de pacificação na cidade do Rio de
Janeiro. Publicação QUALIS/CAPES: Diálogos
Possíveis (FSBA), 13, 156-182.
Heilborn, M., & Souza, J. (2014). Juventude e
sociabilidade em um “território pacificado” no
Rio de Janeiro: diversidade de experiências e seus
marcadores sociais. Revista de Antropologia do
Centro-Oeste, ACENO, 1(1), 102-122.
Jacobo, W. J. Mapa da violência 2013: mortes
matadas por armas de fogo. Centro Brasileiro de
Estudos Latino-Americano (CEBELA), 2013. 55
p. Disponível em: org.br/pdf2013/MapaViolencia2013_armas.pdf.>
Kalichman, S. C., Simbayi, L. C., Cloete, A.,
Mthembu, P. P., Mkhonta, R. N., Ginindza, T.
(2009). Measuring AIDS stigmas in people living
with HIV/AIDS: The Internalized AIDS-Related
Stigma Scale. AIDS Care, 21(1), 87-93.Leeds, E. (1998). Cocaína e poderes paralelos
na periferia urbana brasileira: ameaças àdemocratização em nível local. In: Zaluar, A. &
Alvito, M. (Org.), Um século de favela (pp. 233-
266). Rio de Janeiro: FGV.
Macrae, E., & Vidal, S. S. (2006). A Resolução
196/96 e a imposição do modelo biomédico na
pesquisa social: dilemas éticos e metodológicos
do antropólogo pesquisando o uso de substâncias
psicoativas. Revista Antropologia, 49(2), 645-666.
Mcneil, R., Kerr, T., Lampkin, H., & Small, W.
(2015). We need somewhere to smoke crack:
An ethnographic study of an unsanctioned safer
smoking room in Vancouver, Canada. International
Journal of Drug Policy. Recuperado de: http://
www.academia.edu/10239725/McNeil_R._
Kerr_T._Lampkin_H._and_Small_Win_press.
We_need_somewhere_to_smoke_crack_An_
ethnographic_study_of_unsanctio ed_safer_
smoking_room_in_Vancouver_Canada._
International_Journal_of_DrugPolicyNew York City. ([2013]). Department of City Planning
2010-2012 (Censo da Cidade de Nova Iorque).
Recuperado de: pdf/neigh_info/profile/mn12_profile.pdf>
Rocha, M. M. (2007) Violência Contra a Mulher. In:
Taquette, S. R. (Org.), Violência contra a Mulher
Adolescente/Jovem (pp. 91-96). Rio de Janeiro:
EdUERJ.
Ronzani, T. M., Noto, A. R., & Silveira, P. S.
(2014). Reduzindo o estigma entre usuários de
drogas. Guia para profissionais e gestores. Juiz
de Fora: UFJF. 24 p.
Scheper-Hughes, N. (1992). Death without weeping:
The violence of everyday life in Brazil. Berkeley,
CA: University of California Press.
Silva, S. L. (2000). Mulheres da Luz: uma etnografia
dos usos e preservação no uso do crack, Dissertação de
Mestrado, Universidade de São Paulo, São Paulo.Souza, M. L. (2000). Revisitando a crítica ao mito
da marginalidade: a população favelada do Rio de
Janeiro em face do tráfico de drogas. In: Acselrad,
G. (Org.), Avessos do Prazer. Drogas Aids e Direitos
Humanos (pp. 89-103). Rio de Janeiro: Fiocruz.
Tavares-dos-Santos, J. V., Nery, B. D., & Simon, C.
C. (1998). (Org.). A palavra e o gesto emparedados:
a violência na escola. Porto Alegre: Secretaria
Municipal de Educação (SMED). 189 p.
Vallim, D. C. (2015). Os passos dos indesejáveis. Um
estudo sobre o contexto sociocultural do uso e
usuários de crack nas cidades do Rio de Janeiro e
Nova Iorque, Tese de Doutorado, Universidade do
Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.Vallim, D. C., Zaluar, A., & Sampaio, C. (2015).
Uma etnografia das cenas de uso de crack no Rio
de Janeiro e seus efeitos nos usuários. In: Teixeira,
M., & Fonseca, Z. (Orgs.), Saberes e práticas na
atenção primária à saúde: cuidado à população em
situação de rua e usuários de álcool, crack e outras
drogas (1a ed). São Paulo: Hucitec. 263 p.
Zaluar, A. (1994) A máquina e a Revolta – As
organizações populares e o significado da pobreza.
2ª edição. Editora Brasileira.
Zaluar, A. (2000). Violência, Dinheiro Fácil e Justiça
no Brasil 1980-1995. In: Gilberta, A (Org.), Avessos
do Prazer. Drogas Aids e Direitos Humanos. (pp.
51-74). Rio de Janeiro: FIOCRUZ.
Zaluar, A. (2007). Democratização Inacabada:
fracasso da Segurança Pública. São Paulo: Estudos
Avançados, 15(61), 31- 49
Zaluar, A. (2009). Pesquisando no perigo: etnografias
voluntárias e não acidentais. Revista Mana, 15(2),
557-584.
Zaluar, A., & Leal, M. C. (2001). Violência extra e
intramuros. Revista Brasileira de Ciências Sociais,
16(45), 145-164.
Publicado
2016-10-25
Seção
Artigos