Detetives do Prédio Azul em: notas sobre imaginação, criação e apropriação lúdica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34019/1981-4070.2024.v18.41470

Palavras-chave:

Apropriação lúdica, Conteúdo audiovisual infantil, Processos de criação, Roteiro, Detetives do Prédio Azul

Resumo

O artigo busca evidenciar as relações possíveis entre imaginação, criação e apropriação lúdica pelo público infantil diante de narrativas midiáticas. Para tanto, analisamos as possibilidades de relação, inter-relação e cocriação do círculo mágico (Huizinga, 2001) aberto pela série Detetives do Prédio Azul (Gloob, 2012) em contínuo diálogo com seu público-alvo. Quanto à metodologia, o trabalho realiza uma análise descritiva, interpretativa e crítica (Vanoye; Goliot-Lété, 1994), que deixa à mostra as relações aqui pretendidas, partindo de um breve relato para, então, adentrarmos a discussão a partir de um vasto e rico referencial teórico que suporte a análise desta produção. Por fim, ao conciliar saberes oriundos de estudos da cultura, dos games e da experiência lúdica (Ferreira, 2020; Kishimoto, 2002), ao campo da psicologia (Brougère, 1998; Vigotski, 2018), das culturas das mídias e suas mediações (Setton, 2010; Martín-Barbero, 1997) e estudos relacionados ao brincar advindos da gramática da fantasia (Rodari, 2021), notamos que, no contexto do conteúdo analisado, tanto criadores quanto seu próprio público-alvo alimentam e retroalimentam o círculo mágico no qual estão inseridos a partir de um processo múltiplo de imaginação, criação e apropriação lúdica possibilitado pela própria narrativa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Arthur Fiel, Universidade Federal do Espírito Santo

Professor Adjunto do Departamento de Comunicação e do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Territorialidades (PÓSCOM) da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). Doutor em Comunicação (PPGCOM), bacharel e mestre em Cinema e Audiovisual (PPGCINE) pela Universidade Federal Fluminense. 

Referências

BROUGÈRE, G. A criança e a cultura lúdica. Revista da Faculdade de Educação, v. 24, n. 2, p. 103-116, 1998. Disponível em: https://bit.ly/3UCAsLR. Acesso em: 18 jan. 2022.

CAILLOIS, R. Os homens e os jogos: a máscara e a vertigem. Petrópolis: Editora Vozes, 2017.

COM elenco original da série do Gloob “Detetives do Prédio Azul”, em turnê especial. Folha Metropolitana, 2020. Disponível em: https://bit.ly/3weSRFm. Acesso em: 21 jan. 2021.

DETETIVES DO PRÉDIO AZUL. Produção: Paris Entretenimento e Gloob. Rio de Janeiro: Gloob e Globoplay, 2012-. Streaming, son., color., digital.

DETETIVES do Prédio Azul e Pandorga estreiam na TV Brasil. EBC, 2015. Disponível em: https://bit.ly/4aKZbDr. Acesso em: 21 jan. 2021.

FERREIRA, E. O jogo não acabou: relações entre apropriação lúdica e produção de sentido nos videogames. Revista Famecos, v. 27, n. 1, p. 1-13, 2020. Disponível em:https://doi.org/10.15448/1980-3729.2020.1.33957.

FERREIRA, E; FALCÃO, T. Atravessando as bordas do círculo mágico: imersão, atenção e video- games. Comunicação, Mídia e Consumo, v. 13, n. 36, p. 73-93, 2016. Disponível em: https://revistacmc.espm.br/revistacmc/article/view/1075. Acesso em: 12 jan. 2020.

FIEL, A. F. O. A tela encantada: infância e conteúdo infantil na TV do Brasil. 2019. 208f. Dissertação (Mestrado em Cinema e Audiovisual) – Instituto de Artes e Comunicação Social, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2019. Disponível em: https://bit.ly/49Ywl1l. Acesso em: 23 abr. 2024.

FIEL, A. Notas sobre o conteúdo audiovisual infantil e novas formas de se produzir para crianças. In: TEDESCO, M. C.; NET, M. B. (Orgs.). Outras pontes: abordagens e objetos emergentes no cinema e audiovisual. Rio de Janeiro: NAU Editora, 2020, p. 203-224.

FIEL, A. F. O. O Mônicaverso e diretrizes para a produção audiovisual infantil. 2023. 249 f. Tese (Doutorado em Comunicação) – Instituto de Artes e Comunicação Social, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2023. Disponível em: https://app.uff.br/riuff/handle/1/29324. Acesso em: 18 mar. 2023.

HUIZINGA, J. Homo ludens. 5. ed. São Paulo: Perspectiva, 2001.

KISHIMOTO, T. M. O jogo e a educação infantil. 4. ed. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2002.

MARTÍN-BARBERO, J. Dos meios às mediações: comunicação, cultura e hegemonia. Rio de Janeiro: UFRJ, 1997.

PLASSE, M. Detetives do Prédio Azul vai trocar suas crianças pela segunda vez. Pipoca Moderna, 2020. Disponível em: Disponível em: https://bit.ly/3UCxkzL. Acesso em: 21 jan. 2021.

RODARI, G. Gramática da fantasia: uma introdução à arte de inventar histórias. 12ª ed. São Paulo: Summus, 2021.

II ROTTA – Festival de Roteiro Audiovisual. Cinemateca do MAN Rio. 28 a 30 set. 2018. Rio de Janeiro. Disponível em: https://bit.ly/3QrKP2D. Acesso em: 12 jan. 2021.

SETTON, M. G. Mídia e educação. São Paulo: Contexto, 2010.

VANOYE, F.; GOLIOT-LÉTÉ, A. Ensaio sobre a análise fílmica. Campinas: Papirus, 1994.

VIGOTSKI, L. S. Imaginação e criação na infância. São Paulo: Expressão Popular, 2018.

Downloads

Publicado

2024-04-30

Como Citar

FIEL, A. Detetives do Prédio Azul em: notas sobre imaginação, criação e apropriação lúdica. Lumina, [S. l.], v. 18, n. 1, p. 195–211, 2024. DOI: 10.34019/1981-4070.2024.v18.41470. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/lumina/article/view/41470. Acesso em: 22 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigos