Notícias falsas e teorias da conspiração face ao absurdo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34019/1981-4070.2022.v16.38614

Palavras-chave:

Albert Camus, Absurdo , Teoria da Comunicação , Notícias falsas , Teorias da conspiração

Resumo

Este artigo, sob tom ensaístico, estabelece uma discussão a partir dos conceitos de fake news e teorias da conspiração, leia-se a ornamentação contemporânea da mentira política, face ao absurdismo camusiano. O empreendimento teórico é lastreado em uma epistemologia dialógica com o intuito de estender a discussão, que está, em maioria, no efeito destes artifícios, para como os procedimentos de como a corrupção da factibilidade operam no plano da consciência. De antemão, considera-se que tanto as notícias falsas quanto as narrativas conspiratórias constituem lugar comum na mácula do campo comunicacional. Considerando as propriedades religiosas e ideológicas as quais fundamentam a morfologia atual da mentira, foi constatado que sua agência reside no eclipse ao absurdo, como maneira de fazer tábula rasa da consciência humana. A origem deste modus operandi é o fato de que os ideais são erigidos sob nome de uma utopia construída em nome de um homem que jamais existiu. Assim sendo, neste vácuo, o arrivismo emerge como método e, portanto, tudo se justifica sobre valores insustentáveis. Incute-se o defensivismo para expurgo de qualquer oposição à unidade e ao sentido artificiais provenientes da também artificial clareza da existência. Mente-se em nome do êxito da subversão, em nome do processo de destruição. A condição humana é ocultada de seus interlocutores — que possuem alguma predisposição, pois são um demográfico selecionado —, e com ela, o potencial do despertar para esta que é uma peste coletiva dos tempos atuais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Arthur Freire Simões Pires, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Doutorando e mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul — Famecos (PPGCOM/PUCRS), formado em Jornalismo pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel).

Referências

ARAUJO, M.; DE ALBUQUERQUE, A.; QUINAN, R. A Culpa é da China!: O discurso sino-conspiratório no governo Bolsonaro em tempos de COVID-19. Revista Eco-Pós, v. 24, n. 2, p. 151–174, 2021. DOI: <https://doi.org/10.29146/ecopos.v24i2.27698>.

BANGERTER, A.; BAUER, M.; FRANKS, B. Conspiracy theories as quasi-religious mentality: an integrated account from cognitive science, social representations theory, and frame theory. Frontiers in Psychology, v. 4, p. 1-12, 2013. DOI: <https://doi.org/10.3389/fpsyg.2013.00424>.

BARBOZA CAVALCANTI, D.; JARDELINO, F.; PERSICI TONIOLO, B. A proliferação das fake news nas eleições brasileiras de 2018. Comunicação Pública, v. 15, n. 28, p. 1-20, 2021. DOI: <https://doi.org/10.4000/cp.7438>.

BEIN, C.; GUERRIERO, S. Teorias da conspiração no movimento nova era. Revista Relegens Thréskeia, v. 10, n. 2, p. 261-280, 2021. DOI: <http://dx.doi.org/10.5380/rt.v10i2.82422>.

BOVET, A.; MAKSE, H. A. Influence of fake news in Twitter during the 2016 US presidential election. Nature Communications, v. 10, 2019. DOI: <https://doi.org/10.1038/s41467-018-07761-2>.

CALLAHAN, J.; POLLETTA, F. Deep Stories, Nostalgia Narratives and Fake News: Storytelling in the Trump Era. American Journal of Cultural Sociology, v. 5, n. 3, p. 392–408, 2017. DOI: <https://doi.org/10.1057/s41290-017-0037-7>.

CAMUS, A. A peste. Rio de Janeiro: Record, 2020.

CAMUS, A. Estado de sítio. Rio de Janeiro: Record, 2018.

CAMUS, A. Neither victims nor executioners. Eugene: Wipf & Stock, 2007.

CAMUS, A. O homem revoltado. Rio de Janeiro: Record, 2019.

CAMUS, A. O mito de Sísifo. Rio de Janeiro: Record, 2021.

FUCHS, C. Vida e comunicação cotidianas no capitalismo da coronavírus. Matrizes, v. 14, n. 2, p. 41-73, 2020. DOI: <https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v14i2p41-73>.

GRUZD, A.; RECUERO, R. Cascatas de Fake News Políticas: Um estudo de caso no Twitter. Galáxia, n. 41, p. 31-47, 2019. DOI: <https://doi.org/10.1590/1982-25542019239035>.

INNIS, H. O viés da comunicação. Petrópolis: Vozes, 2011.

LÉVI-VALENSI, J. Camus à Combat. Paris: Gallimard, 2002.

LEVINSON, P. McLuhan na era das mídias sociais. In: STRATE, L.; BRAGA, A.; LEVINSON, P. Introdução à Ecologia das Mídias. São Paulo: Edições Loyola; Rio de Janeiro: PUC-Rio, 2019.

LYOTARD, J. F. A condição pós-moderna. Rio de Janeiro: José Olympio, 2015.

MARSHALL, L. O jornalismo na era da publicidade. São Paulo: Summus, 2003.

MARTINO, L. M. S. O Sentido da teoria na pesquisa em comunicação: Três questionamentos a partir da prática acadêmica. Revista Famecos, v. 28, n. 1, p. 1-12, 2021. DOI: <https://doi.org/10.15448/1980-3729.2021.1.39211>.

MARX, K. Crítica da Filosofia do Direito de Hegel. São Paulo: Boitempo, 2010.

McLUHAN, M. Os meios de comunicação como extensões do homem. São Paulo: Cultrix, 1993.

McLUHAN, M.; FIORE, Q. O meio é a massagem. São Paulo: Ubu, 2018.

OSELAME, M. C. Pedagogia da notícia: uma rota de aprendizagem para o consumo consciente da informação jornalística no ambiente digital. 2021. 203 f. Tese (Doutorado em Comunicação Social) - Escola de Comunicação, Artes e Design, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2021. Disponível em: <https://tede2.pucrs.br/tede2/handle/tede/9338>. Acesso em: 10 jan. 2022.

PAIVA, R.; SACRAMENTO, I. Fake news, WhatsApp e a vacinação contra febre amarela no Brasil. Matrizes, v. 14, n. 1, p. 79-106, 2020. DOI: <https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v14i1p79-106>.

POSTMAN, N. Technopoly: the Surrender of Culture to Technology. Nova York: Vintage Books, 1993.

SAFATLE, V. O circuito dos afetos: corpos políticos, desamparo e o fim do indivíduo. Belo Horizonte: Autêntica, 2019.

SILVA, J. M. O paradoxo da ideologia. Matrizes, v. 15, n. 1, p. 45-56. DOI: <https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v15i1p45-56>.

WAINBERG, J. A. Mensagens fakes, as emoções coletivas e as teorias conspiratórias. Galáxia, n. 39, p. 150-164, 2018. DOI: <https://doi.org/10.1590/1982-255434446>.

ZOLA, E. J’accuse!: a verdade em marcha. Porto Alegre: L&PM, 2009.

Downloads

Publicado

2022-12-30

Como Citar

SIMÕES PIRES, A. F. Notícias falsas e teorias da conspiração face ao absurdo. Lumina, [S. l.], v. 16, n. 3, p. 112–126, 2022. DOI: 10.34019/1981-4070.2022.v16.38614. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/lumina/article/view/38614. Acesso em: 27 jan. 2023.

Edição

Seção

Artigos