A memória do feminino: Um esboço do catálogo biográfico da Companhia das Letras e Record (1990-2020)

Autores

  • Felipe Adam Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS) https://orcid.org/0000-0002-3086-178X
  • Antonio Hohlfeldt Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS)

DOI:

https://doi.org/10.34019/1981-4070.2021.v15.34517

Palavras-chave:

Livros biográficos, Arquivo, Memória, Estudos do feminino, Mercado editorial brasileiro

Resumo

Este artigo apresenta observações preliminares e exploratórias sobre investigação em andamento, realizada junto ao doutorado em Comunicação Social da PUCRS. O estudo se propõe a apresentar uma radiografia de livros cujo foco sejam biografias, postas à venda no mercado editorial brasileiro. O problema de pesquisa, que serve de norte para o trabalho, é: quem merece ser resgatado do passado? Para isso, será apreciado o catálogo virtual do Grupo Companhia das Letras e do Grupo Editorial Record, no período de 1990 a 2020. Nelas, foram encontradas 558 e 495 obras, respectivamente, na categoria “Biografia & Autobiografia”. O levantamento também evidenciou o número de homens e mulheres que biografam e/ou são biografados no país. Por meio do debate a respeito da noção de arquivo (ASMANN, 2011; FOUCAULT, 2008; FIGUEIREDO, 2017) e memória (HALBWACHS, 1990; POLLAK, 1989) — no tópico nomeado como A memória como silêncio (ou apagamento) do passado — e estudos relacionados ao feminismo (DALCASTAGNÈ, 2012; PERROT, 2005), na seção intitulada A resistência frente à invisibilidade, o texto conclui que é necessário questionar a cultura que se consome no Brasil, através das obras biográficas. Isso porque é possível inferir certo preconceito velado, onde a diversidade é camuflada e o espaço, sutilmente limitado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Felipe Adam, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS)

Jornalista e doutorando em Comunicação Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS). 

Antonio Hohlfeldt, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS)

Doutor em Letras pela PUCRS, Pós-doutorado em Jornalismo pela Universidade Fernando Pessoa.

Referências

ASSMANN, Aleida. Espaços da recordação: formas e transformações da memória cultural. Campinas: Editora da Unicamp, 2011.

BRIGGS, Asa; BURKE, Peter. Uma história social da mídia: de Gutenberg à Internet. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2006.

CAÇADORES DE OBRAS-PRIMAS. Direção: George Clooney. Produção: George Clooney e Grant Heslov. Elenco: George Clooney, Matt Damon, Bill Murray, John Goodman e outros. Alemanha/EUA: Studio Babelsberg; FOX 2000 Pictures, 2014. (118 min.), son., P&B. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=7abLqIpNtck>. Acesso em 20 mai. 2021.

CONNERTON, Paul. Como as sociedades recordam. Oeiras: Celta, 1993.

DALCASTAGNÈ, Regina. Literatura brasileira contemporânea: um território contestado. Vinhedo: Horizonte, 2012.

DE CERTEAU, Michel. A invenção do cotidiano: artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 1994.

ECO, Umberto. O nome da rosa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1983.

ESTÉS, Clarissa Pinkola. Mulheres que correm com os lobos: mitos e histórias do arquétipo da mulher selvagem. Rio de Janeiro: Rocco, 2018.

FRANZ, Marie-Louise Von. A interpretação dos contos de fada. São Paulo: Paulus, 1990.

FIGUEIREDO, Eurídice. A literatura como arquivo da ditadura brasileira. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2017.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Vértice, 1990.

LE GOFF, Jacques. História e memória. Campinas: Editora Unicamp, 2003.

LEJEUNE, Philippe. O pacto autobiográfico: de Rousseau à Internet. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2014.

LIMA, Edvaldo Pereira. Páginas ampliadas: o livro-reportagem como extensão do jornalismo e da literatura. São Paulo: Manole, 2009.

NORA, Pierre. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Projeto História, São Paulo, v.10, p. 7-28, dez. 1993. Disponível em: <https://revistas.pucsp.br/index.php/revph/article/view/12101>. Acesso em 20 mai. 2021.

PERROT, Michelle. As mulheres ou os silêncios da história. Bauru: EDUSC, 2005.

POLLAK, Michael. Memória, esquecimento, silêncio. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, p. 3-15, 1989. Disponível em: <http://www.uel.br/cch/cdph/arqtxt/Memoria_esquecimento_silencio.pdf>. Acesso em 20 mai. 2021.

SARLO, Beatriz. Tempo passado: cultura da memória e guinada subjetiva. Belo Horizonte: Editora da UFMG; São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

SELIGMAN-SILVA, Márcio. Narrar o trauma: a questão dos testemunhos de catástrofes históricas. Psicologia Clínica, Rio de Janeiro, v. 20, n. 1, p. 65-82, 2008. DOI: <https://doi.org/10.1590/S0103-56652008000100005>. Acesso em 20 mai. 2021.

SILVA, Tomaz Tadeu da. A produção social da identidade e da diferença. In: SILVA, Tomaz Tadeu da; HALL, Stuart; WOODWARD, Kathryn(org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos Estudos Culturais. Petrópolis: Vozes, 2000. p. 73-102.

VILAS BOAS, Sérgio. Biografia e biógrafos: jornalismo sobre personagens. São Paulo: Summus, 2002.

Downloads

Publicado

2021-08-30

Como Citar

ADAM, F.; HOHLFELDT, A. A memória do feminino: Um esboço do catálogo biográfico da Companhia das Letras e Record (1990-2020). Lumina, [S. l.], v. 15, n. 2, p. 55–71, 2021. DOI: 10.34019/1981-4070.2021.v15.34517. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/lumina/article/view/34517. Acesso em: 27 set. 2021.

Edição

Seção

Dossiê: História, Memória, Comunicação – entre crises e críticas