Popularização do feminismo, neoliberalismo e discursos midiáticos

Autores

Palavras-chave:

Feminismo de Celebridade, Neoliberalismo, Popularização, Discurso

Resumo

Neste texto discutimos a relação contemporânea entre popularização do feminismo, neoliberalismo e conteúdo midiático. Debatemos em âmbito teórico como a exposição das reivindicações feministas em produtos comunicacionais ensejam discussões ambivalentes, sobre a necessidade de maior visibilidade junto também da possibilidade de despolitização das pautas. Nesse sentido, revisamos criticamente autoras voltadas à preocupante aproximação do feminismo com o neoliberalismo, com especial atenção para a vinculação com o chamado feminismo de celebridade. Empiricamente, para ilustrar nosso argumento, buscamos observar os textos em que mulheres são auto ou heteroidentificadas como feministas em uma revista brasileira, atualmente digital, voltada para o público jovem (Capricho), com amplo lastro histórico, entre os anos de 2015 a 2020, a partir da análise do discurso faircloughiana como base metodológica. Nossos resultados apontam para a forma como discursos feministas com viés neoliberal circulam nas informações selecionadas, a partir de falas voltadas para realizações e comportamentos individuais e não coletivos. Os textos, com presença acentuada de celebridades femininas entre as fontes ouvidas, são bastante focados na dimensão da escolha e afastados de pautas mais emancipatórias ou históricas dos feminismos brasileiros.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rayza Sarmento, Universidade Federal de Viçosa

Doutora em Ciência Política pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Professora Adjunta da Faculdade de Ciências Sociais e do Programa de Pós-Graduação em Ciência Política da UFPA. Coordenadora do Grupo de Pesquisa em Gênero, Comunicação, Democracia e Sociedade (GCODES) e pesquisadora associada ao Margem - Grupo de Pesquisa em Democracia e Justiça (UFMG). 

Referências

VEZES que Emma Watson foi a melhor pessoa do mundo. Capricho, São Paulo, 15 abr. 2017. Disponível em: <https://capricho.abril.com.br/entretenimento/20-vezes-que-emma-watson-foi-a-melhor-pessoa-do-mundo/>. Acesso em: 17 abr. 2021.

ALICE Wegmann fala sobre feminismo em entrevista: ‘temos um pensamento retrógrado’. Capricho, São Paulo, 11 jan. 2016. Disponível em: <https://capricho.abril.com.br/comportamento/alice-wegmann-fala-sobre-feminismo-em-entrevista-temos-um-pensamento-retrogrado/>. Acesso em: 17 abr. 2021.

ARRUZZA, C.; BHATTACHARYA, T.; FRASER, N. Feminismo para os 99%: um manifesto. São Paulo: Boitempo, 2010.

BANET-WEISER, S.; GILL, R.; ROTTENBERG, C. Postfeminism, popular feminism and neoliberal feminism? Sarah Banet-Weiser, Rosalind Gill and Catherine Rottenberg in conversation. Feminist Theory, v. 21, n. 1, p. 3-24, 2020. DOI: <https://doi.org/10.1177/1464700119842555>.

BANET-WEISER, S. Empowered: popular feminism and popular misogyny. Durham: Duke University Press, 2018.

BROWN, W. O frankestein do neoliberalismo: liberdade autoritária nas “democracias” do século XXI. In: RAGO, M.; PELEGRINI, M. (orgs.). Neoliberalismo, feminismos e contracondutas: perspectivas foucaultianas. São Paulo: Intermeios, 2019, p. 17-49.

DARDOT, P.; LAVAL, C. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo, 2016.

DRAKE, V. The Impact of Female Empowerment in Advertising (Femvertising). Journal of Research in Marketing, v. 7, n. 3, p. 593-599, 2017. Disponível em: < https://core.ac.uk/download/pdf/229163714.pdf>. Acesso em: 10 set. 2019.

FAIRCLOUGH, N. Analysing Discourse: textual analysis for social research. Nova York: Routledge, 2003.

FAIRCLOUGH, N. Discurso e mudança social. Brasília: Ed. UnB, 2001.

FRANÇA, V.; SIMÕES, P. Celebridades como ponto de ancoragem na sociedade midiatizada. Famecos, v. 21, n. 3, p. 1062-1081, 2014. DOI: <https://doi.org/10.15448/1980-3729.2014.3.16397>.

FRASER, N. O feminismo, o capitalismo e astúcia da história. Mediações, v. 14, n. 2, p.11-33, 2009. DOI: <http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2009v14n2p11>.

GAMSON, W. Falando de política. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2011.

GIMENEZ, I. Rowan Blanchard aparece sem se depilar e manda recado girl power! Capricho, São Paulo, 13 fev. 2020. Disponível em: <https://capricho.abril.com.br/beleza/rowan-blanchard-aparece-sem-se-depilar-e-manda-recado-girl-power/>. Acesso em: 17 abr. 2021.

HAMLIN, C.; PETERS, G. Consumindo como uma garota: subjetivação e empoderamento na publicidade voltada para mulheres. Lua Nova, n. 103, p. 167-202, 2018. DOI: <https://doi.org/10.1590/0102-138/103>.

HOLLANDA, H.; COSTA, C. Rede. In: HOLLANDA, H. Explosão feminista: arte, cultura política e universidade. São Paulo: Cia. das Letras, 2018, p. 43-60.

hooks, B. Teoria feminista: da margem ao centro. São Paulo: Perspectiva, 2019.

JOUET, J. Digital feminism: questioning the renewal of activism. Journal of Research in Gender Studies, v. 8, n. 1, p. 133-157, 2018. DOI: <https://doi.org/10.22381/JRGS8120187>.

JOUT JOUT rebate comentários clássicos feitos por antifeministas. Capricho, São Paulo, 25 set. 2018. Disponível em: <https://capricho.abril.com.br/comportamento/jout-jout-rebate-classicos-comentarios-anti-feministas/>. Acesso em: 17 abr. 2021.

KELLER, J; RINGROSE, J. ‘But then feminism goesout the window!’: exploring teenage girls’ critical response to celebrity feminism. Celebrity Studies, v. 6, n. 1, p. 132-135, 2015. DOI: <https://doi.org/10.1080/19392397.2015.1005402>.

MAGALHÃES, C. A análise crítica do discurso enquanto teoria e método de estudo. In: MAGALHÃES, C. Reflexões sobre a análise crítica do discurso. Belo Horizonte: Faculdade de Letras-UFMG, 2001, p. 15-30.

MAGALHÃES, I.; MARTINS, A. R.; RESENDE, V. M. Análise de discurso crítica: um método de pesquisa qualitativa. Brasília: Ed.UnB, 2017.

MATOS, M. Movimento e teoria feminista: é possível reconstruir a teoria feminista a partir do sul global? Revista de Sociologia Política, v. 18, n. 36, p. 67-92, 2010. DOI: <https://doi.org/10.1590/S0104-44782010000200006>.

MATOS, M. Teorias de gênero ou teorias e gênero? Se e como os estudos de gênero e feministas se transformaram em um campo novo para as ciências. Revista Estudos Feministas, v. 16, n. 2, p. 333-357, 2008. DOI: <https://doi.org/10.1590/S0104-026X2008000200003>.

MEDEIROS, J. Mudanças estruturais em contrapúblicos da Zona Leste de São Paulo: do “feminismo popular” ao “feminismo periférico”. In: ENCONTRO DA ANPOCS, 42., 2018, Caxambu. Anais [...]. São Paulo: Anpocs, 2018. Disponível em: <https://www.anpocs.com/index.php/encontros/papers/42-encontro-anual-da-anpocs/gt-31/gt11-16/11203-mudancas-estruturais-em-contrapublicos-da-zona-leste-de-sao-paulo-do-feminismo-popular-ao-feminismo-periferico/file>. Acesso em: 12 abr. 2020.

MENDES, K.; RINGROSE, J.; KELLER, J. Digital Feminist Activism: girls and women fight back against rape culture. Oxford: Oxford University Press, 2019.

MENDES, K.; RINGROSE, J.; KELLER, J. #MeToo and the promise and pitfalls of challenging rape culture through digital feminist activism. European Journal of Women’s Studies, v. 25, n. 2, p. 236-246, 2018. DOI: <https://doi.org/10.1177/1350506818765318>.

MIGUEL, L. F.; BIROLI, F. Feminismo e política. São Paulo: Boitempo, 2014.

OKSALA, J. O sujeito neoliberal do feminismo. In: RAGO, M.; PELEGRINI, M. (orgs.). Neoliberalismo, feminismos e contracondutas: perspectivas foucaultianas. São Paulo: Intermeios, 2019, p. 115-138.

PELEGRINI, M. Michel Foucault e a crítica feminista ao neoliberalismo. In: RAGO, M.; PELEGRINI, M. (orgs.). Neoliberalismo, feminismos e contracondutas: perspectivas foucaultianas. São Paulo: Intermeios, 2019, p. 191-212.

PINTO, C. Uma História do feminismo no Brasil. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2003.

PRUDÊNCIO, K. Entre a cruz e a caldeirinha: ativismo digital e os limites para o debate público. In: FARIAS, L.; LEMOS, E.; REBECHI, C. Opinião pública, comunicação e organizações: convergências e perspectivas contemporâneas. São Paulo: Abrapcorp, 2020, p. 194-209.

ROTTENBERG, C. The Rise of Neoliberal Feminism. Cultural Studies, v. 28, n. 3, p. 418-437, 2014. DOI: <https://doi.org/10.1080/09502386.2013.857361>.

SOIHET, R. Feminismos e antifeminismos: mulheres e suas lutas na conquista da cidadania plena. Rio de Janeiro: 7Letras, 2013.

SARMENTO, R. Entre tempos e tensões: o debate mediado antes e depois da sanção da lei brasileira de combate à violência doméstica contra a mulher (2001 a 2012). Feminismos, v. 2, n. 1, p. 94-112, 2014. Disponível em: <https://periodicos.ufba.br/index.php/feminismos/article/view/30025>. Acesso em: 18 abr. 2021.

SARMENTO, R. O feminismo no jornalismo. Cadernos Pagu, v. 58, p. 1-36, 2020. DOI: <https://doi.org/10.1590/18094449202000580002>.

ZOCCHI, G. “Eu me considero uma feminista”, diz Kylie Jenner. Capricho, São Paulo, 30 abr. 2016. Disponível em: <https://capricho.abril.com.br/entretenimento/eu-me-considero-uma-feminista-diz-kylie-jenner/>. Acesso em: 17 abr. 2021.

Downloads

Publicado

2022-08-30

Como Citar

SARMENTO, R. Popularização do feminismo, neoliberalismo e discursos midiáticos. Lumina, [S. l.], v. 16, n. 2, p. 166–183, 2022. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/lumina/article/view/34413. Acesso em: 26 set. 2022.

Edição

Seção

Artigos