Ficção televisiva brasileira e covid-19: reconfigurações e estratégias de programação

Autores

Palavras-chave:

Covid-19, Ficção Televisiva Brasileira, Globo, Pensamento Complexo, Telenovela

Resumo

Este trabalho, inicialmente apresentado em junho de 2020 no Congresso Virtual da Associação Brasileira de Pesquisadores em Cibercultura - ABCiber, foi revisto, atualizado e ampliado desde então, com a intenção de acompanhar a retificação dos dados produzidos, de modo acelerado, pelo campo. Temos como objetivo observar as alterações na produção, circulação e audiência da ficção televisiva brasileira, durante um ano — de março de 2020 a março de 2021 —, considerando a emergência da pandemia de Covid-19 e o processo de distanciamento social no Brasil, ainda que o mesmo tenha se apresentado em diferentes momentos e intensidades nas diversas regiões do país. Para isso foi realizado um levantamento de dados tanto em instituições de pesquisa como em artigos jornalísticos visando observar as mudanças comportamentais da sociedade em decorrência da pandemia e também os ajustes necessários feitos pela indústria cultural nacional diante das alterações exigidas pela necessidade de segurança sanitária. Depois, os dados levantados foram associados a uma revisão de literatura, tendo como base o pensamento complexo de Morin (2010). A coleta de dados, bem como a análise dos mesmos foram concentrados nas produções da Globo e em suas estratégias de programação no período.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ligia Prezia Lemos, Universidade de São Paulo

Doutora em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo, USP. Atualmente realiza pesquisa de pós-doutorado na ECA/USP.

Larissa Leda F. Rocha, Universidade Federal do Maranhão

Doutora em Comunicação Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS), professora da Universidade Federal do Maranhão (UFMA). 

Referências

GLADWELL, M. O ponto da virada. Rio de Janeiro: Sextante, 2009.

GOMES, C. Estudos do Lazer e geopolítica do conhecimento. Licere, Belo Horizonte, v. 14, n. 3, p. 1-25, set. 2011. DOI: <https://doi.org/10.35699/1981-3171.2011.762>. Acesso em: 15 maio 2020.

GRECO, C. Virou cult! Telenovela, nostalgia e fãs. Alumínio: Jogo de Palavras, 2019.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

JENKINS, H. Cultura da Convergência. São Paulo: Aleph, 2008.

JENKINS, H.; FORD, S.; GREEN, J. Cultura da conexão. São Paulo: Aleph, 2014.

KANTAR IBOPE MEDIA. Inside TV. Experiência, influência e as novas dimensões do vídeo. 2020a. Disponível em: <https://bit.ly/3rBIDHh>. Acesso em: 28 jun. 2020.

KANTAR IBOPE MEDIA. Os novos hábitos e seus impactos na jornada de compra e na mídia. Thermomether. 11. ed. 2020b. Disponível em: <https://bit.ly/3t7Qgpg>. Acesso em: 28 jun. 2020.

KIM, J.; KIM, S.; NAM, C. Competitive dynamics in the Korean video platform market: Traditional pay TV platforms vs OTT platforms. Telematics and Informatics, [S. l.], v. 33, n. 2, p. 711-721, maio 2016. DOI: <https://doi.org/10.1016/j.tele.2015.06.014>. Acesso em: 26 ago. 2019.

KOPPER, M.; DAMO, A. S. A emergência e evanescência da nova classe média brasileira. Horizontes antropológicos, Porto Alegre, ano 24, n. 50, p. 335-376, jan./abr. 2018. DOI: <https://doi.org/10.1590/S0104-71832018000100012>.

LOPES, M. I. V. Telenovela como recurso comunicativo. Matrizes, São Paulo, v. 3, n. 1, p. 21-47, 2009. DOI: <https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v3i1p21-47>.

LOTZ, A. D. Portals. Michigan: Maize Books, 2017.

MITTELL, J. Complexidade narrativa na televisão americana contemporânea. Matrizes, São Paulo, v. 5, n. 2, p. 29-52, jan./jun. 2012. DOI: <https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v5i2p29-52>.

MORIN, E. Ciência com consciência. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2010.

MORIN, E. A comunicação pelo meio (teoria complexa da comunicação). Revista Famecos, Porto Alegre, n. 20, abr. 2003. DOI: <https://doi.org/10.15448/1980-3729.2003.20.3197>.

PRYSTHON, A. Entretenimento como utopia. Alceu, Rio de Janeiro, v. 10, n. 20, p. 126-136, jan./jun. 2010. Disponível em: <https://bit.ly/3t7W5TW>. Acesso em: 22 jun. 2020.

WILLIAMS, R. Television: technology and cultural form. Nova York: Oxford University Press, 1974.

Downloads

Publicado

2022-04-30

Como Citar

LEMOS, L. P.; ROCHA, L. L. F. . Ficção televisiva brasileira e covid-19: reconfigurações e estratégias de programação. Lumina, [S. l.], v. 16, n. 1, p. 45–60, 2022. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/lumina/article/view/33616. Acesso em: 20 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos