Uma arqueologia do streaming no Brasil: ensaio metodológico

Autores

Palavras-chave:

Estudos de Televisão, Arqueologia da Mídia, Audiovisual On-line, SeAC, Streaming

Resumo

A partir da proposta teórica da arqueologia das mídias, esse texto apresenta uma metodologia para observar a institucionalização do streaming no Brasil contemporâneo. Espera-se contribuir na discussão sobre a matéria que elabora uma mídia, com atenção à sua forma. Isso consiste numa cartografia das relações de força envolvidas, com atenção pontual sobre a sedimentação em torno de uma norma jurídica: o SeAC, a Lei do Serviço de Acesso Condicionado. A partir do entendimento tanto de Foucault quanto de Deleuze e Guattari sobre a relação entre forma de expressão e de conteúdo, o conceito de diagrama, a visão particular sobre signos e a ideia de transformação incorpórea, entende-se os termos dessa lei como permissões e impedimentos que delimitam o horizonte no qual o audiovisual on-line pôde vir a se organizar. Cartografar essas forças significa identificar os pontos-chave em disputa na elaboração dessa lei e na tentativa de dissolvê-la: o sistema de cotas então proposto e a separação patrimonial criada para proteger as operações locais de broadcast. Ambos consistem em barreiras para o imperativo de intenso deslocamento numa intensa velocidade, traço identificado por Virilio como fator-chave na modernidade, que, no streaming, encontra-se em franca operação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

João Damasceno Martins Ladeira, Universidade Federal do Paraná

Professor adjunto da UFPR, atuando no Programa de Pós-Graduação em Comunicação e no Departamento de Comunicação. 

Referências

ANATEL. Ata: 6a reunião extraordinária. Brasília: Anatel, 22 ago. 2019a.

ANATEL. Carta ao Senado. Brasília: Anatel, 8 abr. 2019b.

ANATEL. Despacho Decisório No 128/2019/CPRP/SCP. Brasília: Anatel, 13 jun. 2019c.

ANATEL. Informe no 242/2019/CPRP/SCP. Brasília: Anatel, 13 jun. 2019d.

ANATEL. Informe no 15/2017/SEI/CPOE/SCP. Brasília: Anatel, 19 abr. 2017a.

ANATEL. Parecer no 00302/2017/PFE­Anatel/PGF/AGU. Brasília: Procuradoria Federal Especializada: Anatel, 4 maio 2017b.

ANCINE. Uma nova política para o audiovisual: Agência Nacional do Cinema, os primeiros 15 anos. Brasília: ANCINE, 2017.

APPERLEY, T.; PARIKKA, J. Platform Studies’ Epistemic Threshold. Games and Culture, v. 13, n. 4, p. 349–369, 2018. DOI: <https://doi.org/10.1177/1555412015616509>.

ARMITAGE, J. (org.). Paul Virilio: From Modernism to Hypermodernism and Beyond. Thousand Oaks: Sage Publications, 2000.

BRASIL. Lei nº 12.485, de 12 de setembro de 2011. Dispõe sobre a comunicação audiovisual de acesso condicionado. Brasília, DF: Presidência da República, [2011]. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/lei/l12485.htm>. Acesso em: 5 fev. 2020.

BRASIL. Lei nº 9.472, de 16 de julho de 1997. Dispõe sobre a organização dos serviços de telecomunicações, a criação e funcionamento de um órgão regulador e outros aspectos institucionais. Brasília, DF: Presidência da República, [1997]. Disponível em: <https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9472.htm>. Acesso em: 5 fev. 2020.

BRASIL. Projeto de Lei nº 3.832, de 2019. Brasília, DF: Senado, [2019]. Disponível em: <https://www25.senado.leg.br/web/atividade/materias/-/materia/137517>. Acesso em: 5 fev. 2020.

BRASIL. Projeto de Lei nº 8.889, de 2017. Brasília, DF: Câmara dos Deputados, [2017]. Disponível em: <https://www.camara.leg.br/propostas-legislativas/2157806>. Acesso em: 5 fev. 2020.

DELEUZE, G. Foucault. São Paulo: Brasiliense, 1986.

DELEUZE, G. Post-scriptum sobre as sociedades de controle. In: DELEUZE, G. Conversações. São Paulo: Ed. 34, 1990, p. 219-226.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. 1227 - Tratado de Nomadologia: a Máquina de Guerra. In: DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil Platôs: Capitalismo e Esquizofrenia v. 5. São Paulo: Ed. 34, 1980b, p. 11-118.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. 20 de Novembro de 1923 - Postulados da Linguística. In: DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil Platôs: Capitalismo e Esquizofrenia v. 2. São Paulo: Ed. 34, 1980a, p. 11–62.

DINIZ, Anibal. Voto no 4/2019/AD. Brasília: Anatel, 4 fev. 2020.

DREYFUS, H.; RABINOW, P. Michel Foucault: Beyond Structuralism and Hermeneutics. Chicago: University of Chicago Press, 1982.

FOUCAULT, M. A Arqueologia do Saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1969.

FOUCAULT, M. As Palavras e as Coisas: Uma Arqueologia das Ciências Humanas. São Paulo: Martins Fontes, 1966.

FOUCAULT, M. Vigiar e Punir: Nascimento da Prisão. Petrópolis: Vozes, 1975.

GILBERT, A. Push, Pull, Rerun: Television Reruns and Streaming Media. Television & New Media, v. 20, n. 7, p. 686–701, 2019. DOI: <https://doi.org/10.1177/1527476419842418>.

GUMBRECHT, H. U. Produção de Presença: o que o sentido não consegue transmitir. Rio de Janeiro: Contraponto, 2010.

GUTTING, G. Michel Foucault’s archaeology of scientific reason. Cambridge: Cambridge University Press, 1989.

HOLLAND, E. Deleuze and Guattari’s “A Thousand Plateaus”: A Reader’s Guide. Londres: Bloomsbury Academic, 2013.

HOLT, J.; VONDERAU, P. “Where the Internet Lives”: Data Centers as Cloud Infrastructure. In: PARKS, L.; STAROSIELSKI, N. (eds.). Signal Traffic: Critical Studies of Media Infrastructures. Champaign: University of Illinois Press, 2015, p. 71-93.

HUHTAMO, E.; PARIKKA, J. (org.). Media Archaeology: Approaches, Applications, and Implications. Berkeley: University of California Press, 2011.

JAMES, I. Paul Virilio. Nova York: Routledge, 2007.

KEATING, G. Netflixed. Nova York: Portfolio, 2012.

KUIPERS, G. Cultural Globalization as the Emergence of a Transnational Cultural Field: Transnational Television and National Media Landscapes in Four European Countries. American Behavioral Scientist, v. 55, n. 5, p. 541-557, 2011. DOI: <https://doi.org/10.1177/0002764211398078>.

LADEIRA, J. M. Estranhas Metamorfoses: O Caso Fox-América Móvil e a Desintegração do SeAC. Razón y Palabra, v. 25, n. 110, p. 335-347, 2021. Disponível em: <https://revistarazonypalabra.org/index.php/ryp/article/view/1727/1569>. Acesso em 6 jun. 2021.

LADEIRA, J. M. Indecisões e Procrastinações: A Fusão AT&T-Time Warner e a Regulação no Brasil. Animus, v. 39, n. 19, p. 186-203, 2020. DOI: <https://doi.org/10.5902/2175497739678>.

LADEIRA, J. M. Normas, técnicas, trocas: A conexão entre televisão segmentada e telecomunicações no Brasil. InTexto, v. 35, n. 1, p. 210-228, 2016. DOI: <https://doi.org/10.19132/1807-8583201635.210-228>.

LAUTERJUNG, F. Eduardo Bolsonaro defende fim dos limites à propriedade cruzada na TV paga. Teletime, São Paulo, 8 ago. 2019. Disponível em: <https://teletime.com.br/08/08/2019/eduardo-bolsonaro-defende-fim-dos-limites-a-propriedade-cruzada-na-tv-paga/>. Acesso em: 20 jan. 2020.

LEAL, V. N. Coronelismo, Enxada e Voto. São Paulo: Companhia das Letras, 1948.

LEIGH STAR, S. The Ethonography of Infrasctructure. American Behavioral Scientist, v. 43, n. 3, p. 377–391, 1999. DOI: <https://doi.org/10.1177/00027649921955326>.

LOBATO, R. Netflix Nations: The Geography of Digital Distribution. Nova York: New York University Press, 2019.

LOPES, M. I. V.; GÓMEZ, G. O. (org.). Modelos de distribuição da televisão por internet: atores, tecnologias, estratégias. Porto Alegre: Sulina, 2019.

MASSUMI, B. A User’s Guide to Capitalism and Schizophrenia: Deviations from Deleuze and Guattari. Cambridge: The MIT Press, 1992.

MICOVA, S. B.; HEMPEL, F.; JACQUES, S. Protecting Europe’s content production from US giants. Journal of Media Law, v. 10, n. 2, p. 219-243, 2018. DOI: <https://doi.org/10.1080/17577632.2019.1579296>.

MINISTÉRIO DA ECONOMIA. Minuta. Brasília, DF: Ministério da Economia, 26 jun. 2019. Disponível em: <https://drive.google.com/file/d/1dQ6cxb7nnNVZfd49ml7JpHRviAXyK5nc/view>. Acesso em: 19 nov. 2019.

PARIKKA, J. What is Media Archaeology? Cambridge: Polity Press, 2012.

PLANTIN, J.- C. et al. Infrastructure studies meet platform studies in the age of Google and Facebook. New Media & Society, v. 20, n. 1, p. 293-310, 2018. DOI: <https://doi.org/10.1177/1461444816661553>.

POSSEBON, S. Decisão do TCU para o Fundo Setorial do Audiovisual. Tela Viva, São Paulo, 29 mar. 2019a. Disponível em: <https://telaviva.com.br/29/03/2019/decisao-do-tcu-para-o-fundo-setorial-do-audiovisual/>. Acesso em: 20 jan. 2020.

POSSEBON, S. MP para mudar Lei de TV paga ainda não está pronta, nem é consensual. Teletime, São Paulo, 6 ago. 2019b. Disponível em: <https://teletime.com.br/06/08/2019/mp-para-mudar-lei-de-tv-paga-ainda-nao-esta-pronta-nem-e-consensual/>. Acesso em: 20 jan. 2020.

ROCHA, S. M. Os Estudos Culturais e a Análise Cultural da Televisão: Considerações Teórico-Metodológicas. Animus, v. 10, n. 19, 2011. DOI: <https://doi.org/10.5902/217549773000>.

SANSON, K.; STEIRER, G. Hulu, streaming, and the contemporary television ecosystem. Media, Culture & Society, v. 41, n. 8, p. 1210–1227, 2019. DOI: <https://doi.org/10.1177/0163443718823144>.

SANTOS, S. E-Sucupira: o Coronelismo Eletrônico como herança do Coronelismo nas comunicações brasileiras. E-Compós, v. 7, p. 1–27, 2006. DOI: <https://doi.org/10.30962/ec.104>.

SHERIDAN, A. Michel Foucault the will to truth. Londres: Tavistock, 1990.

SIMÕES, I. F.; COSTA, A. H.; KEHL, M. R. Um país no ar: história da TV brasileira em três canais. São Paulo: Brasiliense, 1986.

SIMÕES, P. G. et al. Estudos de Televisão no Brasil: uma abordagem de autores/as e teorias. Contemporânea, v. 17, n. 2, p. 190–213, 2019. DOI: <https://doi.org/10.9771/contemporanea.v17i2.28179>.

SINCLAIR, J. Latin American Television: A Global View. Nova York: Oxford University Press, 1999.

SMART, B. Michel Foucault. Nova York: Routledge, 2002.

SOUZA, M. et al. Big Data For Data Journalism, Enhanced Business Analytics And Video Recommendation At Globo. IBC365, Londres, 26 out. 2017. Disponível em: <https://www.ibc.org/big-data-for-journalism-and-enhanced-business-analytics/2455.article>. Acesso em: 20 jan. 2020.

SUNDFELD, C. A.; C MARA, J. A. A eficácia dos limites legais à competência regulamentar em regulação econômica: o caso Ancine e as empresas estrangeiras. Revista Brasileira de Direito, v. 13, n. 3, p. 258–276, 2017. DOI: <https://doi.org/10.18256/2238-0604.2017.v13i3.1870>.

VIRILIO, P. Speed and Politics. Los Angeles: Semiotext(e), 1977.

VONDERAU, P.; BURGESS, J. The YouTube Reader. Estocolmo: National Library of Sweden, 2010.

WHEELER, M. Supranational Regulation: Television and the European Union. European Journal of Communication, v. 19, n. 3, p. 349–369, 2004. DOI: <https://doi.org/10.1177/0267323104045263>.

WIMMER, M. Os Projetos de Lei de Comunicação de Massa por Assinatura. Revista de Direito, Estado e Telecomunicações, v. 2, n. 1, p. 231–258, 2010. DOI: <https://doi.org/10.26512/lstr.v2i1.21690>.

ZIELINSKI, S. Audiovisions: Cinema and Television as Entr’actes in History. Amsterdã: Amsterdam University Press, 1994.

Downloads

Publicado

2022-04-30

Como Citar

LADEIRA, J. D. M. Uma arqueologia do streaming no Brasil: ensaio metodológico. Lumina, [S. l.], v. 16, n. 1, p. 28–44, 2022. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/lumina/article/view/32557. Acesso em: 20 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos