O Lugar da Música na Semiose Midiatizada: O Funk Proibidão investigado como caso

Palavras-chave: Midiatização, Música, Semiose, Circuito, Funk Proibidão

Resumo

Este artigo desenvolve hipótese sobre o meio e objeto música para a investigação na perspectiva da midiatização. Na primeira parte, apresentamos a hipótese geral sobre a midiatização acionada, referenciada em Verón (2014) e Ferreira (2018). Localizamos nesse lugar epistemológico o objeto e meio musical inseridos em contextos de produção e recepção, emergência e mutações do campo da música. Finalizamos essa parte com proposições sobre a singularidade da música na semiose midiatizada. Na segunda parte, essa abordagem epistemológica é referência para inferências dedutivas, indutivas e abdutivas sobre o funk
proibidão. As inferências são apresentadas como proposições e questões relativamente à linguagem do proibidão – enquanto meio-música e narrativas – e usos e apropriações dos meios na configuração de circuitos, coletivos, táticas e outras linguagens. A singularidade da inserção do funk proibidão no espaço público ampliado é colocar em cena rupturas em relação às hegemonias dos meios musicais da modernidade – referenciados na racionalidade da partitura, na música enquanto sublimação do real e das poéticas não menos sublimadoras. Certamente, o funk proibidão não é único a ocupar esse espaço, pois se diferencia em relação ao conjunto do hip-hop (através do rap e do trap). Porém, a sua existência material – enquanto linguagem instrumental, narrativas, usos e apropriações dos meios em rede e reapropriações por atores que participam de seus circuitos – traz aos outros contextos sociais – musicais ou não – o imperativo comunicacional de interagir, com empatia ou repressão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jairo Ferreira, Unisinos

Professor Titular I do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação da UNISINOS.

Luísa Schenato Staldoni, Universidade do Vale do Rio dos Sinos

Doutoranda bolsista CAPES/PROEX na Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos). Mestre em Ciências da Comunicação e Jornalista formada pela mesma universidade. 

Referências

AMARAL, M. O rap, o hip-hop e o funk: a “eróptica” da arte juvenil invade a cena das escolas públicas nas metrópoles brasileiras. Psicol, [S.l.], v. 22, n. 3, p. 593-620, 2011. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-65642011000300009&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 18 mar. 2020.

BARRENA, S. P. La logica considerada como semiotica. Cidade: Biblioteca Nueva. 2007.

BRATOSIN, S. Eglise, espace public et démocratie: quels tournants? Revista Roman de Jurnalism si Comunicare, Bucareste, a. 9, n. 1-2, p. 5-15, 2014.

FERNANDEZ, Luciana Moretti. Mente firme e coração blindado: uma teoria da presentificação social na prática comunicacional de representar o crime no proibido. 2017. Tese (Doutorado em Interfaces Sociais da Comunicação). Escola de Comunicações e Artes. São Paulo: USP, 2017. Disponível em:

FERREIRA, J. Meios, dispositivos e médium: genealogia e prospecções na perspectiva da midiatização. In: FERREIRA, J.; ROSA, A. P.; BRAGA, J. L.; FAUSTO NETO, A.; GOMES, P. G. (Org.). Entre o que se diz e o que se pensa: onde está a midiatização?. 1ed.SANTA MARIA: FACOS-UFSM, 2018, v. 1, p. 283-298.

FERREIRA, J. Midiatização: dispositivos, processos sociais e de comunicação. E-COMPÓS, Brasília, v. 10, p. 1-13, 2007. Disponível em: <https://doi.org/10.30962/ec.196>. Acesso em: 18 mar. 2020.

FREIRE FILHO, J.; HERSCHMANN, M. Mídia, pânico moral e o funk carioca. In: FREIRE FILHO, J.; HERSCHMANN, M. Comunicação, cultura & consumo. Rio de Janeiro: Ed. E-Papers, 2005, p. 241-254.

FREITAS, C. MC Menor do Chapa abre as portas da nova casa e mostra seu lado "família". Entrevista com Mc Menor do Chapa. Record Tv/R7, [S.l.], 09 fev. 2015. Disponível em: <https://noticias.r7.com/reporter-em-acao/videos/mc-menor-do-chapa-abre-as-portas-da-nova-casa-e-mostra-seu-lado-familia-16102015>. Acesso em: 2 fev. 2020.

HERSCHMANN, M. Abalando os anos 90: funk e hip-hop, globalização, violência e estilo cultural. Rio de Janeiro: Rocco, 1997.

JANOTTI JÚNIOR, J. À procura da batida perfeita: a importância do gênero musical para a análise da música popular massiva. Revista Eco-Pós, Rio de Janeiro, v. 6, n.2, 2003, p. 31-46. Disponível em: <https://revistas.ufrj.br/index.php/eco_pos/article/view/1131>. Acesso em: 18 mar. 2020.

LOPES, A. C.; FACINA, A. Cidade do funk: expressões da diáspora negra nas favelas cariocas. Revista do Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, n. 6, p. 177-191, 2012. Disponível em: <http://www0.rio.rj.gov.br/arquivo/pdf/revista_agcrj_pdf/revista_AGCRJ_6_2012.pdf#page=193>. Acesso em: 15 dez. 2019.

LOPES, A.a C. Funke-se quem quiser: no batidão negro da cidade carioca. Rio de Janeiro: Bom Texto Editora, 2010.

MARX, K. Prefácio para a crítica da economia política. São Paulo: Brasil, Cultural, 1982. p.23-27.

PALOMBINI, C. Do volt-mix ao tamborzão: morfologias comparadas e neurose. In: IV SIMPOM: Simpósio Brasileiro de Pós-Graduandos em Música, n. 4, 2016, Rio de Janeiro. Anais [...]. Rio de Janeiro: Unirio, 2016, p. 30-50. Disponível em: <http://www.seer.unirio.br/index.php/simpom/article/view/5598/5055>. Acesso em: 10 nov. 2020.

PALOMBINI, C. Musicologia e direito na faixa de Gaza. In: BATISTA, C. B. Tamborzão: olhares sobre a criminalização do funk. E-book. 2014. Disponível em: <https://www.academia.edu/29110737/_Musicologia_e_Direito_na_Faixa_de_Gaza>. Acesso em: 15 dez. 2019.

PALOMBINI, C. Soul brasileiro e funk carioca. Opus, Goiânia, v. 15, n. 1, p. 37-61, jun. 2009. Disponível em: <https://www.anppom.com.br/revista/index.php/opus/article/view/261/241>. Acesso em: 11 nov. 2020.

PHILIP, R. Performing music in the age of recording. New Haven/Londres: Yale University Press, 2004.

POUND, E. ABC da literatura. São Paulo: Cultrix, 2006.

RODA DE FUNK. MC Menor do Chapa lançando várias ao vivo na Roda de Funk em Rio das Pedras. Mountain View: Google, 2015. (17 min 06 s). Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=HBqA75uuYE4&ab_channel=FunkCarioca/>. Acesso em: 2 fev. 2020.

VERÓN, E. La semiosis social 2: ideas, momentos, interpretantes. Buenos Aires: Paidós, 2013.

VERÓN, E. Mediatization theory: a semio-anthropological perspective and some of its consequences. Matrizes, São Paulo, v. 8, n. 1, 2014, p. 13-19. Disponível em: <http://www.revistas.usp.br/matrizes/article/view/82928/85961>. Acesso em: 18 mar. 2020.

VIANNA, H. O mundo funk carioca. Rio de Janeiro: Zahar, 1988.

WALTER-BENSE, E. A teoria geral dos signos. São Paulo: Perspectiva. 2000.

Publicado
2020-12-30
Como Citar
FERREIRA, J.; SCHENATO STALDONI, L. O Lugar da Música na Semiose Midiatizada: O Funk Proibidão investigado como caso . Lumina, v. 14, n. 3, p. 37-56, 30 dez. 2020.
Seção
Artigos