O que quer a comunicação pública para juventude? Direito à informação e à cidadania entre a prática e a normatividade

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34019/1981-4070.2021.v15.29525

Palavras-chave:

Comunicação Pública, Políticas Públicas Da Juventude, Portais Web De Governo, Qualidade Da Informação, Cidadania

Resumo

Multiplicam-se no Brasil contemporâneo as realizações de comunicação pública digital produzidas por setores de governos responsáveis pela criação, execução e avaliação de políticas públicas da juventude. No entanto, nota-se a escassez de avaliações sistemáticas de sua performance na disseminação de conteúdos relevantes e seu potencial para promover participação e engajamento. Esta pesquisa investigou o desempenho da comunicação pública em portais web de governo e em redes sociais oficiais em relação a seu potencial de atendimento do direito à informação sobre gestão pública. Os dados aqui apresentados foram gerados na busca do atendimento de dois objetivos específicos: a) avaliar a qualidade da informação sobre políticas públicas da juventude em portais web de governo a fim de verificar se os conteúdos disponíveis oferecem subsídios abrangentes de acordo com categorias específicas; b) verificar se processos e estratégias empregados em redes sociais oficiais apresentam potencial para favorecer o diálogo entre jovens e governos. Os resultados sugerem que as estratégias e processos devem ser aperfeiçoados para que o jovem possa exercer seu direito à informação sobre temáticas que o afetam. Valores e condutas profissionais identificados indicam que a compreensão sobre princípios democráticos da comunicação pública deve ser ampliada, restando a oportunidade para a área avançar na consolidação de normatividades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Kátia Viviane da Silva Vanzini, Unesp (Universidade Estadual Paulista)

Mestre e doutora em Comunicação pela Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação da Unesp (Universidade Estadual Paulista)

Danilo Rothberg, Unesp

Livre-docente em Sociologia da Comunicação pela Unesp (Universidade Estadual Paulista). Docente do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Unesp.

Referências

ALTHEMAN, F.; MARQUES, A.C.S.; MARTINO, L.M.S. Comunicação nos movimentos insurgentes: conversações políticas on-line durante a ocupação de escolas em São Paulo. Esferas, Brasília, v. 6, n. 10, p. 82-94, 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.31501/esf.v1i10.9332.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2010.

BARRICHELO, E. Apontamentos sobre as estratégias de comunicação mediadas por computador. In: KUNSCH, M. M. K. (org.). Comunicação organizacional: histórico, fundamentos e processos. São Paulo: Saraiva, 2011, p. 337-357.

BRANDÃO, E. P. Conceito de Comunicação Pública. In: DUARTE, J. (org.). Comunicação pública: estado, mercado, sociedade e interesse público. São Paulo: Atlas, 2012, p. 1-33.

BRASIL. Lei nº 12.527, de 18 de novembro de 2011. Dispõe sobre o acesso a

informações públicas. Diário Oficial da União: seção 1 – edição extra, Brasília, DF, ano 148, n. 221-A, p. 1-4, 18 nov. 2011. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/lei/l12527.htm>. Acesso em: 15 jun. 2016.

BRASIL. Decreto 7.724/2012. Regulamenta a Lei nº 12.527, de 18 de novembro de 2011, que dispõe sobre o acesso a informações. Diário Oficial da União: seção 1 – edição extra, Brasília, DF, ano 149, n. 94-A, p. 1, 16 mai. 2012. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/Decreto/D7724.htm>. Acesso em: 15 jun. 2016.

BRASIL. Lei nº 12.852, de 05 de agosto de 2013. Institui o Estatuto da Juventude. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, ano 150, n. 149 -A, p. 1, 05 ago. 2013.Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2013/lei/l12852.htm>. Acesso em: 8 jul. 2016.

CACCIAMALI, M. A.; TATEI, F. Impacto do desemprego e da informalidade sobre a empregabilidade e a renda futura do jovem. In: Boletim Regional, Urbano e Ambiental. Brasília: Ipea, 2017.

CARVALHO, S. N. Avaliação de programas sociais: balanço das experiências e contribuição para o debate. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 17, n. 3-4, p. 185-197, 2003. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-88392003000300019.

CORBUCCI, P.R. Evolução do acesso de jovens à educação superior no Brasil. In: Texto para discussão. Brasília: Ipea, 2014.

DARBISHIRE, H. Proactive Transparency: The future of the right to information.

Washington: World Bank, 2010.

DEBERT, G.G. A dissolução da vida adulta e a Juventude como valor. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, v. 16, n. 34, p. 49-79, 2010. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-71832010000200003.

DUARTE, J. Sobre a emergência do(s) conceito(s) de comunicação pública. In: KUNSCH, M.M.K.(org.). Comunicação pública, sociedade e cidadania. São Caetano do Sul, SP: Difusão, 2011, p. 121-134.

DUARTE, J. Instrumentos da Comunicação Pública. In: DUARTE, J. (org.) Comunicação pública: Estado, mercado, sociedade e interesse público. São Paulo: Atlas, 2012, p. 59-71.

GIL, P. G.; MATOS, H. Quem é o cidadão na comunicação pública? In: MATOS, H.

(org.). Comunicação pública: interlocuções, interlocutores e perspectivas. São

Paulo: ECA/USP, 2012, p. 141-168.

GRUNIG, J. E.; FERRARI, M. A.; FRANÇA, F. Relações públicas: teoria, contexto e relacionamentos. São Caetano do Sul, SP: Difusão, 2011.

HABERMAS, J. Direito e democracia: entre a facticidade e a validade. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1997. v. 2.

HONNETH, A. A luta por reconhecimento: a gramática moral dos conflitos sociais. São Paulo: Editora 34, 2003.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). PNAD contínua: número de jovens que não estudam nem trabalham ou se qualificam cresce 5,9% em um ano. Agência IBGE Notícias, Rio de Janeiro, mai. 2018. Disponível em: <https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-sala-de-imprensa/2013-agencia-de-noticias/releases/21253-pnad-continua-2017-numero-de-jovens-que-nao-estudam-nem-trabalham-ou-se-qualificam-cresce-5-9-em-um-ano>. Acesso em: 8 jul. 2016.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA (IPEA). Educação Básica: A Obrigação da Reforma Ampla. In: Desafios da Nação. Brasília: Ipea, 2018.

KUNSCH, M.M.K. Comunicação pública: direitos de cidadania, fundamentos e

práticas. In: MATOS, H (org.). Comunicação pública: interlocuções, interlocutores e perspectivas. São Paulo: ECA/USP, 2012, p. 13-32.

KUNSCH, M.M.K. A comunicação estratégica nas organizações contemporâneas. Media & Jornalismo, Lisboa, v. 18, n. 33, p. 13-24, 2018. DOI: https://doi.org/10.14195/2183-5462_33_1.

LÓPEZ, J. C. J. Advocacy: uma estratégia de comunicação pública. In: KUNSCH, M.M.K. (org.). Comunicação pública, sociedade e cidadania. São Caetano do Sul, SP: Difusão, 2011, p. 61-80.

LOVEJOY, J., WATSON, B. R.; LACY, S.; RIFFE, D. Three decades of reliability in

communication content analyses: reporting of reliability statistics and

coefficient levels in three top journals. Journalism & Mass Communication

Quarterly, [S.l.], v. 93, n. 4, p. 1135-1159, 2016. DOI: https://doi.org/10.1177/1077699016644558.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA (UNESCO). Políticas públicas de/para/com juventudes. Brasília: UNESCO, 2005.

ORGANIZATION OF AMERICAN STATES (OAS). Model Inter-American Law on Access to Public Information and its implementation guidelines. Washington, DC: OAS, 2012.

PORTO, M. P. Enquadramentos da mídia e política. In: RUBIM, A. A. C. (org.). Comunicação e política: conceitos e abordagens. Salvador: Edufba, 2004, p. 73-104.

RIBEIRO, E. Políticas de Juventude no Brasil: conhecimento e percepção dos jovens. In: NOVAES, R.; VENTURI, G.; RIBEIRO, E.; PINHEIRO, D. (orgs.). Agenda juventude Brasil: Leituras sobre uma década de mudanças. Rio de Janeiro: Unirio, 2016, p. 287-303.

ROLANDO, S. A dinâmica evolutiva da comunicação pública. In: KUNSCH, M. M. K. (org.). Comunicação pública, sociedade e cidadania. São Caetano do Sul, SP: Difusão, 2011, p. 23-38.

ROTHBERG, D. Democracia digital e redes sociais: Twitter como filtro de informação política. E-Compós, Brasília, v. 17, n. 1, p. 1-16, 2014. DOI: https://doi.org/10.30962/ec.1023.

SALOMÃO, D. Desigualdades sociais na área da saúde: terceira idade, reconhecimento e capital social. In: MARQUES, A.; MATOS, H. (orgs.) Comunicação e política: Capital social, reconhecimento e deliberação pública. São Paulo: Summus, 2011, p. 293-316.

TRAQUINA, N. Teorias do Jornalismo: Porque as notícias são como são. Florianópolis: Insular, 2005. v. 1.

TREVISAN, A. P.; BELLEN, H. M. Avaliação de políticas públicas: uma revisão teórica de um campo em construção. RAP – Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 42, n. 3, p. 529-550, 2008. Disponível em: <http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rap/article/view/6644>. Acesso em: 8 ago. 2021.

WOLF, M. Teorias da comunicação. 8. ed. Lisboa: Presença, 2003.

Downloads

Publicado

2021-08-30

Como Citar

VIVIANE DA SILVA VANZINI, K. .; ROTHBERG, D. O que quer a comunicação pública para juventude? Direito à informação e à cidadania entre a prática e a normatividade. Lumina, [S. l.], v. 15, n. 2, p. 152–174, 2021. DOI: 10.34019/1981-4070.2021.v15.29525. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/lumina/article/view/29525. Acesso em: 27 set. 2021.