A campanha eleitoral permanente de Jair Bolsonaro: O deputado, o candidato e o presidente

  • Deysi Cioccari Faculdade Cásper Líbero
  • Simonetta Persichetti Faculdade Cásper Líbero
Palavras-chave: Eleições, Poder, campanha, Bolsonaro, Comunicação

Resumo

 O presidente Jair Bolsonaro venceu o pleito eleitoral com forte apelo discursivo nacionalista e conservador. Esse trabalho analisa a aderência desses temas em seus 27 anos como parlamentar, em  seus discursos de campanha e nos nove primeiros meses de governo (janeiro de 1991 a setembro de 2019). Os resultados demonstram um forte apego ao passado, a prevalência de pautas militares  e uma mudança a partir de 2014 por uma pauta de costumes e com conteúdo evangélico onde Bolsonaro passa a polemizar mais ainda em seus pronunciamentos.  Nosso embasamento teórico é norteado pelas noções de representatividade política de Bernard Manin, pelas teses sobre a subjetividade contemporânea de Christopher Lasch e Análise de Discurso de Patrick Charadeau.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Deysi Cioccari, Faculdade Cásper Líbero

 Jornalista, doutora em Ciências Sociais pela PUC/SP, vice-coordenadora do grupo Comunicação, Cultura e Visualidades da Faculdade Cásper Líbero, membro da Academia de Letras dos Municípios do Rio Grande do Sul.

Simonetta Persichetti, Faculdade Cásper Líbero
Jornalista, crítica de fotografia, doutora em Psicologia Social pela PUC/SP, professora do Programa de Pós-Graduação da Faculdade Cásper Líbero.   

Referências

BARROS-PLATIAU, Ana Flávia. A política externa ambiental do desenvolvimento ao desenvolvimento sustentável. In: OLIVEIRA, Henrique Altemani; LESSA, Antonio Carlos (Org.). Relações Internacionais do Brasil: temas e agendas. São Paulo: Saraiva. 2006. v. 2, p. 251-283.

BONAVIDES, Paulo. Nacionalismo, soberania e subdesenvolvimento na crise política e social do Brasil. Revista de Direito Público e Ciência Política. Rio de Janeiro, vol. VII, n. 3, Set/Dez, 1964.

CHARAUDEAU, Patrick. Para uma nova Análise do Discurso. In: CARNEIRO, Agostinho Dias (Org.). O discurso da mídia. Rio de Janeiro: Oficina do autor, 1996. p. 5-43.

_____. Uma teoria dos sujeitos da linguagem. In: MARI, Hugo et al. (Org.). Análise do discurso: fundamentos e práticas. Belo Horizonte: NAD/FALE/UFMG, 2001. p. 23-38. CHARAUDEAU, Patrick. Discurso político. São Paulo: Contexto, 2006.

_____. Linguagem e discurso: modos de organização. São Paulo: Contexto, 2009.

DAHL, Robert A. (2001). Sobre a democracia. Brasília: Editora da Universidade de Brasília.
_____. (2005) Poliarquia. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.
DUVERGER, Maurice (1987). Os Partidos Políticos. Rio de Janeiro: Editora Guanabara.


GALVÃO, Débora Gomes. Transformações no modelo representacional dos partidos contemporâneos sob a ótica de Bernard Manin. Revista Jus Navigandi, 2018. Disponível em: https://jus.com.br/artigos/48772. Acesso em: 25 set. 2019.

LASCH, C. A cultura do narcisismo: a vida americana numa era de esperanças em Declínio. Tradução por Emani Pavaneli. Rio de Janeiro: Imago, 1983.

____ . O mínimo eu: sobrevivência psíquica em tempos difíceis. Tradução por João Roberto Martins Filho. 4ª ed. São Paulo: Brasiliense, 1987.

MANIN, Bernard. As Metamorfoses do Governo Representativo. Revista Brasileira de Ciências Sociais, nº 29, pp. 5-34, 1995.

MAQUIAVEL, Nicolau. O príncipe. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1969.
Publicado
2019-12-30
Como Citar
CIOCCARI, D.; PERSICHETTI, S. A campanha eleitoral permanente de Jair Bolsonaro: O deputado, o candidato e o presidente . Lumina, v. 13, n. 3, p. 135-151, 30 dez. 2019.
Seção
Dossiê: Comunicação Política, Eleições 2018 e Campanha Permanente