A imagem através do espelho: O sujeito Ocidente e a razão do poder em jogos documentais

Autores

  • Diego Granja do Amaral Universidade Federal Fluminense
  • José Messias Franco Universidade Federal Fluminense

DOI:

https://doi.org/10.34019/1981-4070.2017.v11.21398

Palavras-chave:

narrativa, videogames, alteridade, conflito, representação

Resumo

O presente artigo discute a partir de uma perspectiva ética e estética o problema da representação em jogos documentais. Mais especificamente, trataremos de jogos de teor político que visam problematizar conflitos no oriente médio. Para tanto, o trabalho lança mão da teoria pós-colonial (SPIVAK, 2010; MIGNOLO, 2003) e da noção de estética como política em Rancière (2009; 2010) em diálogo com o campo de estudo dos jogos. Pretende-se com isto apresentar um olhar crítico acerca do caráter político de representações consideradas pegagógicas ou documentais, onde o colonialismo se apresenta como um dado fundamental para a apreensão do sentido

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Diego Granja do Amaral, Universidade Federal Fluminense

Doutorando em Comunicação pelo PPGCOM/UFF. Graduado e Mestre  em comunicação pela UFPE. Membro do [LAN] Laboratório de Experimentação e Pesquisa de Narrativas da Mídia

José Messias Franco, Universidade Federal Fluminense

Doutor em Comunicação e Cultura pela Escola da Comunicação da UFRJ com bolsa Faperj Nota 10 para realização de projeto de pesquisa sobre customização e compartilhamento de games, e conteúdos derivados, em comunidades virtuais de redes sociais. Pesquisador visitante na University of Wisconsin-Milwaukee por intermédio do Programa de Bolsa de Doutorado Sanduíche Capes/Fulbright. Mestre em Comunicação formado pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da Uerj, em 2012, com projeto sobre a representação do herói nas histórias em quadrinhos japonesas e estadunidenses. Graduação em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Comunicação Social da Uerj (2010). Foi bolsista de iniciação científica pelo CNPq do grupo de pesquisa Comunicação, Entretenimento e Cognição (Cibercog) do qual ainda faz parte como voluntário. Atua ativamente tanto na área de quadrinhos, imaginário, representação e mito do herói quanto na de práticas do entretenimento, pirataria e competências cognitivas.

Referências

AMARAL, Diego; COVALESKI, Rogério. Videogames como dispositivos: Uma abordagem metodológica. In Questões Transversais-Revista de Epistemologias da Comunicação, v. 3, n. 6, 2016. Disponível em: < http://www.revistas.unisinos.br/index.php/questoes/article/view/11312>. Acesso: 26 abr. 2017.
BUTLER, Judith. Quadros de guerra: quando a vida é passível de luto. Civilização Brasileira. Rio de Janeiro, 2015.
BURAK, Asi; KEYLOR, Eric; SWEENEY, Tim. PeaceMaker: A video game to teach peace. In: International Conference on Intelligent Technologies for Interactive Entertainment. Springer Berlin Heidelberg, 2005. p. 307-310.
BURAK, A. What I Learned Turning The Israel-Palestine Conflict Into A Video Game. KOTAKU, 2014. Disponível em: <http://kotaku.com/what-i-learned-turning-the-israel-palestine-conflict-in-1612148555 > Acesso em: jun.2016
BROWN, E. et al., 2006. PeaceMaker [videogame], ImpactGames LLC.
DELEUZE, Gilles. O que é a filosofia. São Paulo, SP: Editora 34, 1992.
DESLISLE, Guy. Crônicas de Jerusalém. Campinas: Zarabatana Books, 2012.
DIDI-HUBERMAN. Pós: Belo Horizonte, v. 2, n. 4, p. 204 - 219, nov. 2012.
HEGEL, F. Fenomenologia do Espírito, parte I. Petrópolis: Vozes, 1992.
HÖGLUND, Johan. Electronic empire: Orientalism revisited in the military shooter. Game Studies, v. 8, n. 1, 2008.
LEVANDER, Caroline; MIGNOLO, Walter. Introduction: the Global South and world dis/order. The Global South, v. 5, n. 1, p. 1-11, 2011.
MASSEY, Doreen. Por um sentido global do lugar. Campinas, SP: Papirus, 2000.
MIGNOLO, Walter. Histórias locais/ projetos globais: colonialidade, saberes subalternos e pensamento liminar. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2003.
____________Desobediência epistêmica: a opção descolonial e o significado de identidade em política. Cadernos de Letras da UFF. Dossiê: Literatura, língua e identidade, n.34, 2008.
FRASCA, Gonzalo. September 12th: A Toy World [videogame], 2002. Online. Disponível em: <www.newsgaming.com>.Acesso em: 10 jul. 2016.
RAESSENS, Joost. Reality Play: Documentary Computer Games Beyond Fact and Fiction. Popular Communication, 2006. Lawrence Erlbaum Associates, Inc.
RANCIÈRE, Jacques. Incosciente estético. São Paulo, Editora 34: 2009.
______ A Estética como Política. Devires.Belo horizonte, v. 7, n. 2, p. 01-199, jul/dez. 2010.
RESENDE, Fernando. In: SILVA, Gislene et al. Jornalismo contemporâneo: Figurações, impasses e perspectivas. Salvador, Editora da Universidade Federal da Bahia: 2011.
RICOEUR, Paul. Tempo e narrativa. Tomo III. Campinas: Papirus, 1997.
SAID, Edward. Orientalismo: O Oriente como invenção do Ocidente. São Paulo, Companhia das Letras: 1996.
______Palestina existe: La lucha por la autodeterminación y la afirmación de la soberanía. Crítica y Emancipación. Ano VII n.14. Segundo semestre de 2015.
SICART, Miguel. Against procedurality. Game studies, v. 11, n. 3, 2011
VELOSO, Caetano. Língua. Mercury/Universal, 2007.

Downloads

Publicado

2017-04-30

Como Citar

AMARAL, D. G. do; FRANCO, J. M. A imagem através do espelho: O sujeito Ocidente e a razão do poder em jogos documentais. Lumina, [S. l.], v. 11, n. 1, 2017. DOI: 10.34019/1981-4070.2017.v11.21398. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/lumina/article/view/21398. Acesso em: 24 jul. 2024.

Edição

Seção

Dossiê: Entretenimento Digital: Meios e Processos do Lúdico na Cultura Contemporânea