O método holmesiano de investigação e sua herança na ficção televisiva: os casos de Sherlock e The good wife

  • Renato Luiz Pucci Junior Universidade Anhembi Morumbi
  • Maria Rosa Crespo Universidade Anhembi Morumbi
Palavras-chave: televisão, ficção seriada, investigação criminal, método, Sherlock Holmes.

Resumo

A partir da constatação do método científico e da filosofia de ação propostos por Arthur Conan Doyle para seu detetive Sherlock Holmes, questiona-se a ocorrência desses elementos na ficção televisiva contemporânea. Estabelece-se um paralelo entre a série inglesa Sherlock (2010-2014) e a série americana The good wife (2009-2015), pela análise dos personagens Sherlock Holmes e Kalinda Sharma, a serviço, respectivamente, da acusação e da defesa. O referencial teórico é composto por Jason Mittell quanto a narrativas complexas, André Mendes Machado para o direito processual anglo-americano e por Marcello Truzzi e Carlo Ginsburg para esclarecimento da relação das histórias de Doyle com as formas de pensamento lógico científico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renato Luiz Pucci Junior, Universidade Anhembi Morumbi
Doutor em Ciências da Comunicação pela ECA-USP, professor do Programa de Pós-graduação em Comunicação da Universidade Anhembi Morumbi. Bolsista de produtividade do CNPq-PQ 2.
Maria Rosa Crespo, Universidade Anhembi Morumbi
Mestranda do Programa de Pós-graduação da Universidade Anhembi Morumbi. Docente da Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação-FaBCI da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo-FESPSP.  Graduação em Biblioteconomia e Ciência da Informação pela Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação-FaBCI.

Referências

CRUZ, Carla; RIBEIRO, Uirá. Metodologia científica: teoria e prática. 2.ª ed. Rio de Janeiro: Axcel Books, 2004.
DAHLBERG, Ingetraut. Teoria do conceito. Rio de Janeiro. Revista Ciência da Informação, 7(2): 101-107, 1978
DOYLE, Arthur Conan. Works of Arthur Conan Doyle. S.l.: MobileReference, s/d. Kindle Edition.
ESQUENAZI, Jean-Pierre. As séries televisivas. Lisboa: Texto & Grafia, 2011.
GINSBURG, Carlo. Chaves do mistério: Morelli, Freud e Sherlock Holmes. In: ECO, Umberto; SEBEOK, Thomas. (orgs.). O signo de três. São Paulo: Perspectiva, 1991. p. 89-129.
MACHADO, André Augusto Mendes. A investigação criminal defensiva. 206 f. Dissertação (Mestrado em Direito) – Faculdade de Direito, Universidade de São Paulo-USP, São Paulo, 2009. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/2/2137/tde-27082009-114835/pt-br.php Acesso em: 30 set. 2015.
MITTELL, Jason. Complexidade narrativa na televisão americana contemporânea. MATRIZes, São Paulo, ano 5, n.o 2, p. 29-52, jan./jun. 2012. Disponível em: http://www.matrizes.usp.br/index.php/matrizes/article/view/337 Acesso em: 30 set. 2015.
PEIRCE, Charles S. Abdution and induction. In: ___. Philosophical writings of Peirce. Nova York: Dover Publications, s/d. Kindle Edition.
SEBEOK, Thomas; UMIKER-SEBEOK, Jean. Você conhece meu método: uma justaposição de Charles S. Peirce e Sherlock Holmes. In: ECO, Umberto ; SEBEOK, Thomas. (orgs.). O signo de três. São Paulo: Perspectiva, 1991. p. 13-58.
STASHOWER, Daniel. Teller of tales: The life of Arthur Conan Doyle. Nova York: Henry Holt and Company, 2014. Kindle edition.
TRUZZI, Marcello. Sherlock Holmes: Psicólogo social aplicado. In: ECO, Umberto ; SEBEOK, Thomas. (orgs.). O signo de três: Dupin, Holmes Peirce. São Paulo: Perspectiva, 1991. p. 59-129.
Publicado
2016-04-29
Como Citar
PUCCI JUNIOR, R. L.; CRESPO, M. R. O método holmesiano de investigação e sua herança na ficção televisiva: os casos de Sherlock e The good wife. Lumina, v. 10, n. 1, 29 abr. 2016.
Seção
Artigos