A dignidade da literatura: Adelaide Carraro e a subversão ao regime militar

  • Álvaro Nunes Larangeira Universidade Tuiuti do Paraná
Palavras-chave: regime militar, golpe de 1964, subversão, literatura, Adelaide Carraro

Resumo

O presente trabalho propõe-se a resgatar a postura crítica da escritora Adelaide Carraro, em sua forma ingênua e por vezes simplista em ler o momento histórico, porque a sua obra chegou onde a inteligentsia litero-jornalística relegou, o leitor comum, e por esse motivo singrou por reveses financeiro e existencial. As narrativas da autora transversalizam momentos e cenários do período militar esquecidos pelos signatários de uma inexistente contestação ao movimento de 1964. Adelaide Carraro incomodou o regime militar porque viveu a antítese do discurso oficialista reverberado pela maioria da imprensa daquele tempo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Bibliográficas:
Aberto inquérito contra Adelaide Carraro no DFSP. Folha de São Paulo, São Paulo, 25 fev. 1965, 1, caderno, p. 10.
CALDAS, Waldenyr. Literatura da cultura de massa. São Paulo: Musa Editora, 2000.
Capítulos de livros serão incinerados. O Estado de S. Paulo, São Paulo, p. 15, 23 jun. 1965.
CARRARO, Adelaide. A mansão feita de lama. São Paulo: L. Oren, s/d.
______. A vingança do metalúrgico. São Paulo: Farmalivros, 1980.
______. De prostituta a primeira dama. São Paulo: L. Oren, 1975.
______. Escritora maldita?. 3. ed. São Paulo: L. Oren, 1982.
______. Escuridão. 3. ed. São Paulo: L. Oren, 1974.
______. Eu e o governador. 8 ed. São Paulo: Livraria Exposição do Livro, 1964.
______. Eu mataria o presidente. 2. ed. São Paulo: L. Oren, 1966.
______. Falência das elites. São Paulo: Livraria Exposição do Livro: 1965.
______. Gente (o dia em que fui presa). 3. ed. (acrescida e melhorada) São Paulo: L. Oren, 1978.
______. O comitê. 8. ed. São Paulo: L. Oren, s/d.
______. Os padres também amam. São Paulo: L. Oren, 1967.
______. Submundo da sociedade. 2. ed. São Paulo: Global Editora, 1974.
Com a Revolução, 882 pessoas fôram presas em Minas. O Globo, Rio de Janeiro, 6 jul. 1964, 1. caderno, p. 20.
CRISCUOLO, Orlando. Escritora Adelaide Carraro afirma em “Eu e o governador”: “Emprego público para uma jovem chega a custar a própria honra”. Diário da Noite, São Paulo, 2 maio 1963, 1. caderno, p. 10.
Juiz: ensinar a ler não é crime. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, p. 1, 22 dez. 1964.
LAGO, Mário. 1º de abril: estórias para a história. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1964.
Livro apreendido vai para a fogueira. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 28 maio 1977, caderno B, p. 6.
Mandato de segurança da Editora Civilização Brasileira com o D.F.S.P. Revista Civilização Brasileira, Rio de Janeiro, n. 9 e 10, p. 291-297, set./nov./ 1966.
MARCONI, Paolo. A censura política na imprensa brasileira (1968-1978). 2. ed. São Paulo: Global Editora, 1980.
MATTOS, Sérgio. História da televisão brasileira: uma visão econômica, social e política. 2. ed. Petrópolis: Editora Vozes, 2002.
MELLO, Lucius de. Eny e o grande bordel brasileiro. Rio de Janeiro: Objetiva, 2002.
O terrorismo cultural. Revista Civilização Brasileira, Rio de Janeiro, ano 1, n. 1, p. 232-297, mar. 1965.
OTERO, Maria Mercedes Dias. Censura de livros durante a ditadura militar: 1964-1978. Recife: Universidade Federal de Pernambuco, 2003. Tese apresentada ao Programa de Pós-graduação em História.
QUEIROZ, Shirley de. Adelaide Carraro no mundo cão do Silvio Santos. São Paulo: Vorne Editora, s/d.
REIMÃO, Sandra. Repressão e resistência: censura a livros na ditadura militar. São Paulo: Edusp/Fapesp, 2011.
SILVA, Arlindo. A fantástica história de Silvio Santos. São Paulo: Editora do Brasil, 2002.
SILVA, Deonísio da. Nos bastidores da censura: sexualidade, literatura e repressão pós-64. São Paulo: Estação Liberdade, 1989.

Documentais:
Fundo Divisão de Censura de Diversões Públicas – Seção Administração geral, Série Correspondência, Subsérie Ofícios de solicitação – Arquivo Nacional:
1) Escuridão – Adelaide Carraro – caixa nova 906/caixa antiga 20;
2) Eu e o governador – Adelaide Carraro – caixa nova 907/caixa antiga 21;
3) O comitê – Adelaide Carraro – caixa nova 908/caixa antiga 22;
4) Os padres também amam – Adelaide Carraro – caixa nova 902/caixa antiga 16.
5) 099 – Ofício n. 515/77, referente ao livro “Submundo da Sociedade” de Adelaide Carraro, Brasília, 14/10/1977.
6) 100 – Ofício n. 519/77, referente ao livro “De Prostituta à Primeira Dama”, de Adelaide Carraro, Brasília, 17/10/1977.
Publicado
2016-04-29
Como Citar
LARANGEIRA, ÁLVARO N. A dignidade da literatura: Adelaide Carraro e a subversão ao regime militar. Lumina, v. 10, n. 1, 29 abr. 2016.
Seção
Artigos