v. 28 n. 1 (2022): Dossiê: História recente da política externa da América Latina: uma questão de elites?
Apresentação

História recente da política externa da América Latina : uma questão de elites?

Mariana S. Leone
Universidad Autónoma de Madrid
Biografia
Diego Sebastián Crescentino
Universidade Autónoma de Madrid
Biografia
Eduardo Tamayo Belda
Universidad Autónoma de Madrid
Biografia

Publicado 2022-07-04

Palavras-chave

  • História recente,
  • política externa,
  • América Latina

Como Citar

Leone, Mariana S., Diego Sebastián Crescentino, e Eduardo Tamayo Belda. 2022. “História Recente Da política Externa Da América Latina : Uma questão De Elites?”. Locus: Revista De História 28 (1):11-16. https://periodicos.ufjf.br/index.php/locus/article/view/37631.

Resumo

O objetivo deste número da LOCUS foi contribuir para a pesquisa e discussão da história recente da política externa latino-americana através da publicação de artigos que refletem e analisam os processos de democratização e elitização da política externa. Foi dada prioridade àquelas contribuições que abordam a história da política externa latino-americana, incluindo uma sustentação teórico-crítica com foco regional ou transnacional, e que analisam, discutem e exploram em profundidade os fatores ideológicos e ideológicos da política externa, assim como a práxis entre elites tradicionais, sociedade civil, forças transnacionais e a influência de outros atores e espaços alternativos de articulação. Esta problematização foi respondida por quatro importantes contribuições originais e inéditas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

  1. Milani, Carlos R. S. y Letícia Pinheiro. “Política exterior brasileira: os desafios de sua caracterização como política pública”. Contexto internacional, 35, n. 1 (2013): 11-41. https://doi.org/10.1590/S0102-85292013000100001
  2. Salomón, Mónica y Letícia Pinheiro. “Análise de Política Externa e Política Externa Brasileira: trajetória, desafios e possibilidades de um campo de estudos”. Revista Brasileira de Política Internacional, 56, n. 1 (2013): 40-59. https://doi.org/10.1590/S0034-73292013000100003