v. 26 n. 2 (2020): Dossiê - Patrimônio e Relações Internacionais
Dossiê

Preservar patrimónios e partilhar memórias em cidades-porto latino-americanas: Um projeto em ação: CoopMar – Cooperação Transoceânica, Políticas Públicas e Comunidade Sociocultural Ibero-Americana

Amélia Polónia
Universidade do Porto/CITCEM
Cátia Miriam Costa
Centro de Estudos Internacionais
Biografia
Publicado September 10, 2020
Palavras-chave
  • Cidades-porto,
  • Ibero-América,
  • Diplomacia patrimonial,
  • CoopMar
Como Citar
Polónia, Amélia, e Cátia Miriam Costa. 2020. “Preservar patrimónios E Partilhar memórias Em Cidades-Porto Latino-Americanas: Um Projeto Em ação: CoopMar – Cooperação Transoceânica, Políticas Públicas E Comunidade Sociocultural Ibero-Americana”. Locus: Revista De História 26 (2), 13-28. https://periodicos.ufjf.br/index.php/locus/article/view/31151.

Resumo

Os portos marítimos foram, durante séculos, a mais contínua plataforma de interface e de intercâmbio entre a Europa, a África e a América. As cidades portuárias emergem como estruturas e construções sociais com características próprias. O seu estudo permite conhecer e debater questões relacionadas com a complexidade urbana e social, pois reúnem, por norma, marcas de diversidade, humana e cultural, e por isso apresentam-se como locais privilegiados para o desenvolvimento de estudos sobre alteridade e sobre formas de permeabilidade, inclusive cultural. As cidades-porto, na Europa, e na América Latina, deparam-se também com desafios, e com riscos, decorrentes dos elevados níveis de desenvolvimento de uma indústria turística que explora patrimónios, materiais e imateriais, edificados, simbólicos ou naturais, frequentemente sem benefícios para os construtores, herdeiros e fautores desses patrimónios — as comunidades locais. Esta matéria agudiza-se quando nos encontramos perante memórias e patrimónios construídos historicamente através de dinâmicas coloniais. Muitas questões se levantam em torno da gestão dessas memórias e dessas heranças. As comunidades exigem hoje o reconhecimento de identidades e de valores autóctones e clamam por distintos conceitos e práticas de preservação das suas próprias memórias e patrimónios. São estes os principais desafios com que se debate o projeto sustentado pela rede CoopMar, de cujos objetivos, estratégias e realizações trata este artigo.

Referências

  1. Curtis, Simon. Global Cities and Global Order. Oxford: Oxford University Press, 2016. https://doi.org/10.1093/acprof:oso/9780198744016.001.0001
  2. European Commission. 2017. “A new strategy to put culture at the heart of EU international relations”. https://ec.europa.eu/commission/presscorner/detail/en/MEMO_16_2075
  3. Falser, Michael, e Monica Juneja, eds. “Archaeologizing” Heritage? Transcultural Entanglements between Local Social Practices and Global Virtual Realities. Berlin & Heidelberg: Springer, 2013. https://doi.org/10.1007/978-3-642-35870-8
  4. Hoyle, Brian. “Urban Waterfront Revitalization in Developing Countries: The Example of Zanzibar’s Stone Town”. Geographical Journal, 168, n. 2 (2002): 141-162. https://doi.org/10.1111/1475-4959.00044
  5. ICOMOS. 2017. ICOMOS Guidance on Post Trauma Recovery and Reconstruction for World Heritage Cultural Properties. http://openarchive.icomos.org/1763/19/ICOMOS%20Guidance%20on%20Post%20Trauma%20Recovery%20.pdf.
  6. ICOMOS. 2017. ICOMOS Post Trauma Recovery and Reconstruction for World Heritage Cultural Properties. http://openarchive.icomos.org/1763/19/ICOMOS%20Guidance%20on%20Post%20Trauma%20Recovery%20.pdf
  7. Luco, Fabienne. “The Angkorian Palimpsest: The Daily Life of Villagers Living on a World Heritage Site”. Em “Archaeologizing” Heritage? Transcultural Entanglements between Local Social Practices and Global Virtual Realities, eds. Michael Falser e Monica Juneja, 251-262. Berlin & Heidelberg: Springer, 2013. https://doi.org/10.1007/978-3-642-35870-8_14
  8. McAtackney, Laura, e Russell Palmer. “Colonial Institutions: Uses, Subversions, and Material Afterlives”. International Journal History and Archaeology, 20, n. 3 (2016): 471-476. https://doi.org/10.1007/s10761-016-03536
  9. Parkinson, Arthur, Mark Scott, e Declan Redmond. “Revalorizing Colonial Era Architecture and Townscape Legacies: Memory, Identity and Place-Making in Irish Towns”. Journal of Urban Design, 22, n. 4 (2016): 1-18. https://doi.org/10.1080/13574809.2015.1106917
  10. Stoler, Ann Laura, ed. Imperial Debris. On Ruins and Ruination. Durham & London: Duke University Press, 2013. https://doi.org/10.1215/9780822395850
  11. Telles, Edgard Ribeiro. Diplomacia Cultural: seu papel na política externa brasileira. Brasília: Fundação Alexandre Gusmão, 2011.
  12. Winter, Tim. “Heritage Diplomacy”. International Journal of Heritage Studies, 21, n. 10 (2015): 997-1015. https://doi.org/10.1080/13527258.2015.1041412