v. 26 n. 2 (2020): Dossiê - Patrimônio e Relações Internacionais
Artigos

Imigração ibérica: reflexões sobre trabalho e sobrevivência de mulheres portuguesas e galegas no Rio de Janeiro.

Érica Sarmiento
Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Lená Medeiros de Menezes
Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Publicado September 10, 2020
Palavras-chave
  • Imigração ibérica,
  • Mulher e gênero,
  • Rio de Janeiro,
  • Trabalho e sobrevivência
Como Citar
Sarmiento, Érica, e Lená Medeiros de Menezes. 2020. “Imigração ibérica: Reflexões Sobre Trabalho E Sobrevivência De Mulheres Portuguesas E Galegas No Rio De Janeiro.”. Locus: Revista De História 26 (2), 359-85. https://periodicos.ufjf.br/index.php/locus/article/view/30020.

Resumo

Durante muito tempo, as mulheres foram relegadas a um segundo plano nos estudos migratórios, condenadas a uma invisibilidade, incompatível com sua participação ativa nos processos de deslocamentos. O artigo contempla o Rio de Janeiro como terra de chegada e seu objetivo é dar voz a mulheres portuguesas e galegas e à luta por elas travada no espaço do trabalho, através de fontes quantitativas, nominativas, e depoimentos orais.

Referências

  1. Alves, Jorge Fernandes. “Peregrinos do traballo. Perspectivas sobre a inmigración galega en
  2. Porto”. Estudios Migratorios, no 4, dezembro de 1997, pp.69-81.
  3. Bacelar, Jeferson. “Mulheres de Galicia”. Estudos Feministas, Florianópolis, 12(2), maio-agosto/2004.
  4. Brettel, Caroline B. Homens que partem, mulheres que esperam - Conseqüências da emigração numa freguesia minhota. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1991.
  5. Cagiao VILA, Pilar. Muller e emigración. Santiago de Compostela: Xunta de Galicia, 1997.
  6. Castro, Rosália de. “Follas Novas”. apud Góñez, Mónica. Viúvas de vivos. Universität Trier, 1880. Disponível em <http://culturagalega.gal/album/docs/217_16. /pdf>. Acesso em 5 de julho de 2018.
  7. Dalla-Corte Caballero, Gabriela (coord.). Familias, movilidad y migración. América Latina y España, Rosario: Prohistoria ediciones, 2015.
  8. Duroselle, J. B. Histoire Diplomatique - De 1919 a nos jours. 7ªed. Paris: Dalloz, 1978.
  9. Eiras Roel, A. “Para unha comarcalización del estudio de la emigración gallega. La diversificación intrarregional a través de los censos de población (1877-1920)”. Em Aportaciones al estudio de la emigración galega - Un enfoque comarcal, ed. Eiras Roel, Antonio, 7-32. Santiago de Compostela: Xunta de Galicia, 1992.
  10. Matos, Maria Izilda Santos de. Cotidiano e Cultura: história, cidade e trabalho. Bauru/ SP: Edusc, 2002.
  11. Menezes, Lená M. de. “A imigração europeia como passaporte para o progresso e a civilização no Brasil do século XIX”. Em Ideas, intelectuales y paradigmas en América Latina (1850-2000), coord. Hugo Cancino, Rogelio de la Mora, 396-414. VeraCruz/México: Universidad Veracruzana Lomas del Estadio, 2007.
  12. Menezes, Lená M. de. “Tijuca: registros da lusitanidade. Indústria, comércio e cadeias migratórias”, em Pontes sobre o Atlântico. Múltiplos olhares sobre a e/imigração, Lená Medeiros de Menezes e Fernando Sousa, 81- 93. Rio de Janeiro, EdUERJ, 2017.
  13. Menezes, Lená M. de. Os estrangeiros e o comércio do prazer nas ruas do rio (1890-1930). Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 1992.
  14. Menezes, Lená M. de. Os indesejáveis: desclassificados da modernidade – protesto, crime e expulsão na Capital federal (1890-1930). Rio de Janeiro: EdUERJ, 1996.
  15. Menezes, Lená M. de; Matos, Maria Izilda de. Mulheres portuguesas em foco – Rio de Janeiro e São Paulo, XIX e XX. São Paulo: E-manuscrito, 2017.
  16. Menezes, Lená Medeiros de. “A presença portuguesa no Rio de Janeiro segundo os censos de 1872,1890, 1906 e 1920: dos números às trajetórias de vida”. Em A Emigração Portuguesa para o Brasil, org. Fernando Sousa e Ismênia de Lima Martins, 86-105.Porto/Rio de Janeiro: CEPESE/FAPERJ, 2007.
  17. Moya, J. C., “Los gallegos en Buenos Aires durante el siglo XIX: Inmigración, adaptación ocupacional e imaginario sexual”. Em La Galicia austral, ed. Xosé Manuel Nuñez Seixas, 69-85. Bos Aires: Biblios, 2001.
  18. Núnez Seixas, Xosé, O inmigrante imaxinario. Estereotipos, representacións e identidades dos galegos na Argentina (1880-1940). Santiago de Compostela: Universidade de Santiago de Compostela, 2002.
  19. Peçanha, Natália Batista. “Precisa-se de uma criada estrangeira ou nacional para todo o serviço de casa” - Cotidiano e agências de servidoras/es domésticas/os no mundo do trabalho carioca (1880-1930). Tese de doutorado apresentada no programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, junho de 2018.
  20. Perrot, Michelle. Les femmes ou les silences de l’histoire. Paris: Champs/ Flammarion, 1998.
  21. Rey Castelao, Ofelia. “Movimientos migratorios em Galicia, siglos XVI-XIX”. Em Migraciones internas y médium-distance en la Península Ibérica, 1500-1900, eds. Anronio Eiras Roel e Ofélia Rey Castelao, 85-130. Santiago: Xunta de Galicia, 1994.
  22. Ribeiro, Gladys Sabina. A liberdade em construção. Identidade nacional e conflitos - antilusitanos no Primeiro Reinado. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2002.
  23. Sarmiento, Érica. Galegos nos trópicos - Invisibilidade e presença da imigração galega no Rio de Janeiro (1880-1930). Porto Alegre: EdiPUC-RS, 2017.
  24. Vázquez, Alejandro González. La emigración gallega a América, 1830-1930. Tese de doutorado, Universidade de Santiago de Compostela, 2 vol., 1999.
  25. Vidal, José Antonio, “A mulher galega em Cuba: da exclusión á tutelaxe, 1898-1968”. Estudios Migratorios, nº13-14, janeiro (2002): 191-245.
  26. Villares, Ramón; Fernández Santiago, Marcelino. Historia da emigración galega a América. Santiago de Compostela: Xunta de Galicia, 1996.