v. 26 n. 1 (2020): Dossiê - Identidades e sexualidades hegemônicas e contra-hegemônicas. Feminidades e masculinidades em tempos autoritários
Dossiê

Entre vedetes e “homens em travesti”: um estudo sobre corpos e performances dissidentes no Rio de Janeiro na primeira metade do século XX (1900-1950)

Thiago Barcelos Soliva
Professor Adjunto A do Centro de Ciências da Saúde da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia.
Biografia
João Gomes Junior
Pesquisador em LCP - Laboratório Cidade e Poder, Universidade Federal Fluminense, Niterói-RJ
Biografia
Publicado April 18, 2020
Palavras-chave
  • História,
  • Corpos dissidentes,
  • Performances de gênero,
  • Teatro de Revista
Como Citar
Barcelos Soliva, Thiago, e João Gomes Junior. 2020. “Entre Vedetes E ‘homens Em travesti’: Um Estudo Sobre Corpos E Performances Dissidentes No Rio De Janeiro Na Primeira Metade Do século XX (1900-1950)”. Locus: Revista De História 26 (1), 123-48. https://doi.org/10.34019/2594-8296.2020.v26.30003.

Resumo

O objetivo deste artigo é fazer uma discussão sobre como os homossexuais da primeira metade do século XX (os “sodomitas”, “frescos”, “bagaxas” e “invertidos” como eram chamados) se apropriaram dos territórios públicos da cidade do Rio de Janeiro e desenvolveram tecnologias e práticas de resistência capazes de burlar as convenções burguesas e cisheteronormativas, travando inclusive relação com o Teatro de Revista e as vedetes. A partir da premissa da organização de longa duração dos homossexuais no Brasil, percebe-se que aqueles homens aprenderam a estabelecer entre si redes de sociabilidade e assim enfrentaram a moral burguesa e os discursos médico e jurídico que os perseguiam e excluíam. Mais do que experiências conformadoras dos indivíduos, a efeminação, por exemplo, era adotada muitas vezes como mecanismo de resistência ao controle institucional e à normatividade de gênero, e o Teatro de Revista se constituiu como uma possibilidade de agência na qual era possível remodelar projetos de vida de que as diversidades de gênero e sexualidade passaram a ser parte constitutiva. As fontes aqui utilizadas foram teses e livros médicos, arquivos de antropologia criminal e manchetes de revista e jornal, e a temporalidade da análise foi demarcada pelos anos de 1900 e 1950.

Referências

  1. Avancini, Maria Marta Picarelli. “Nas tramas da fama: as estrelas do rádio em sua época áurea, Brasil, anos 40 e 50”. Dissertação de Mestrado (História), Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Sociais, Universidade Estadual de Campinas, 2006.
  2. Andrade, Sergio Luiz Augusto de; Piva, Teresa Cristina de Carvalho. A influência do positivismo no ensino científico brasileiro, 2011. Disponível em: http://www.hcte.ufrj.br/downloads/sh/sh4/trabalhos/Sergio%20Luiz.pdf
  3. Bakhtin, Mikhail. A cultura popular na Idade Média e no Renascimento: o contexto de François Rabelais. São Paulo: HUCITEC; Brasília: Editora da UNB, 1993
  4. Bispo, Raphael. Rainhas do Rebolado: carreiras artísticas e sensibilidades femininas no mundo televisivo. 1. ed. Rio de Janeiro: Mauad/Faperj, 2016.
  5. Butler, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. 15. ed. Tradução: Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2017.
  6. Carla, Wilza. “Êle”, Ronda da Noite, data desconhecida, número 03, Rio de Janeiro. Acervo do CEDOC-FUNARTE.
  7. Caulfield, Sueann. Em defesa da honra: moralidade, modernidade e nação no Rio de Janeiro (1918-1940). 1. reimpressão. Tradução: Elizabeth de Avelar Solano Martins. Campinas: Ed. Unicamp, 2005.
  8. Certeau, Michel de. A invenção do cotidiano: artes de fazer. 3. ed. Tradução: Ephraim Ferreira Alves. Rio de Janeiro, Petrópolis: Editora Vozes, 1998.
  9. Del Priore, Mary. Histórias íntimas: sexualidade e erotismo na história do Brasil. 4. reimpressão. São Paulo: Editora Planeta do Brasil, 2012.
  10. Ferraz de Macedo, Francisco. Da prostituição em geral, e em particular à cidade do Rio de Janeiro: prophylaxia da syphilis. Rio de Janeiro, Typographia Academica, 1872. Acervo da BNRJ.
  11. Figari, Carlos. @s outr@s cariocas: interpelações, experiências e identidades homoeróticas no Rio de Janeiro: séculos XVII ao XX. Belo Horizonte: Editora UFMG; Rio de Janeiro: IUPERJ, 2007.
  12. Foucault, Michel. História da sexualidade I: a vontade de saber. 4. ed. Tradução: Maria Thereza da Costa Albuquerque; J. A. Guilhon Albuquerque. Rio de Janeiro/São Paulo: Paz & Terra, 2017.
  13. Foucault, Michel. História da loucura na Idade Clássica. Tradução: José Teixeira Coelho Netto. São Paulo: Perspectiva, 2003.
  14. Gouvêa, Victor. “50 anos após Stonewall, James Green diz ser ‘obrigação’ ir contra onda conservadora no Brasil”. HUFFPOST Brasil, 08 de junho de 2019 (atualizado em 09/06/2019). https://www.huffpostbrasil.com/entry/james-green-stonewall-50-anos_br_5cfaaedbe4b0aab91c05bf62?ncid=other_whatsapp_catgqis0hqm&utm_campaign=share_whatsapp
  15. Green, James N. Além do Carnaval. A homossexualidade masculina no Brasil do século XX. Tradução: Cristina Fino; Cássio Arantes Leite. São Paulo: Editora Unesp, 2000.
  16. Junior, João Gomes. “Sobre ‘frescos’ e ‘bagaxas’: uma história social do homoerotismo e da prostituição masculina no Rio de Janeiro entre 1890 e 1938”. Dissertação de Mestrado (História Social), Niterói, Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Universidade Federal Fluminense, 2019.
  17. Neder, Gizlene. “Apresentação (‘Questão Religiosa’ no Brasil Republicano)”. Em Intolerância e cidadania: secularização, poder e cultura política, org. Neder, Gizlene, Ana Paula Barcelos Ribeiro da Silva, Jessie Jane Vieira de Sousa, 9-12. Rio de Janeiro: Autografia, 2015.
  18. Neder, Gizlene. Discurso jurídico e ordem burguesa no Brasil: criminalidade, justiça e constituição do mercado de trabalho (1890-1927). 2. ed. Rio de Janeiro, Niterói: EdUFF, 2012.
  19. Needell, Jeffrey D. Belle Époque Tropical: sociedade e cultura de elite no Rio de Janeiro na virada do século. Tradução: Celso Nogueira. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.
  20. Paiva, Salvyano Cavalcanti de. Viva o rebolado! Vida e morte do Teatro de Revista brasileiro. Rio de Janeiro: Editora Nora Fronteira, 1991
  21. Pires de Almeida, José Ricardo. Homossexualismo (a libertinagem no Rio de Janeiro); estudo sobre as perversões e inversões do instinto genital. Rio de Janeiro: Laemmert e C., 1906. Acervo da BNRJ.
  22. Ribeiro, Leonídio. Homossexualismo e endocrinologia. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1938. Acervo da BNRJ.
  23. Schorske, Carl E. “A ideia de cidade no pensamento europeu”. Em Pensando com a História: indagações na passagem para o modernismo, Schorske, Carl E., tradução: Pedro Maia Soares. 53-72. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.
  24. Serra, Ivo. “Ivaná – a grande dúvida”. Manchete, 26 de setembro de 1953, n. 75, Rio de Janeiro. Acervo da BNRJ.
  25. Sevcenko, Nicolau. Literatura como missão: tensões sociais e criação cultural na Primeira República. 1. reimpressão. 4. ed. São Paulo: Brasiliense, 1999.
  26. Torres, João Camilo de Oliveira. O positivismo no Brasil. Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara (Coleção João Camilo de Oliveira Torres; n. 5 e-book), 2018.
  27. Trevisan, João Silvério. Devassos no paraíso: a homossexualidade no Brasil, da colônia à atualidade. 4. ed. ver., atual. e amp. Rio de Janeiro: Editora Objetiva, 2018.
  28. Whitaker, Edmur de Aguiar, Eddi Kraus, Magino Roberto de Oliveira, Joel Boto Nogueira, Aldo Sinisgalli. “Estudo biográfico dos homossexuais (pederastas passivos) da capital de São Paulo. Aspectos da sua atividade social (costumes, hábitos, ‘apelidos’, ‘gíria’)”. Em Separata dos Arquivos de Polícia Civil e de Identificação de São Paulo, 244-262. São Paulo: Tip. Do Gabinete de Investigações, V. II, n. 1, 1938-1939.