v. 25 n. 2 (2019): Dossiê: 130 Anos de República no Brasil: entre avanços e retrocessos
Dossiê

Alguns aspectos da Revolução Russa nas páginas das revistas ilustradas do Brasil Republicano

Andrea Casa Nova Maia
Universidade Federal do Rio de Janeiro
Biografia
Luciene Carris
Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro
Biografia
Publicado December 5, 2019
Palavras-chave
  • Revistas Ilustradas,
  • Representações,
  • Revolução Russa
Como Citar
Casa Nova Maia, A., & Carris, L. (2019). Alguns aspectos da Revolução Russa nas páginas das revistas ilustradas do Brasil Republicano. Locus: Revista De História, 25(2). https://doi.org/10.34019/2594-8296.2019.v25.28714

Resumo

O artigo problematiza as diferentes leituras dos acontecimentos que levaram a tomada de poder pelos bolcheviques na revolução russa de 1917 presentes nas revistas ilustradas brasileiras, analisando as representações nas imagens e textos dos impressos que circulavam sobretudo na capital da recém proclamada República brasileira. As representações especialmente elaboradas pelas revistas ilustradas contribuíram para a formação de “visões” e diferentes interpretações sobre o ocorrido naqueles meses de guerra e revolução. Imagens e discursos que nos permitem analisar a construção de um discurso singular sobre a História nas páginas das revistas da República brasileira. Como as revistas Careta, FonFon, o Malho, Eu sei Tudo, A Leitura para Todos, Para Todos e A Revista da Semana apresentaram a Revolução Russa de 1917? Qual era o tipo de informação disseminada em tais periódicos? E em que medida a qualidade dessas informações se distanciava de outras fontes, como os jornais operários ou jornais diários da grande imprensa da época? Qual a contribuição dos periódicos ilustrados no entendimento de como a notícia e os fatos sobre a Rússia chegaram ao Brasil e eram difundidos? Quais as principais tópicas trabalhadas pelas revistas ao tratar do tema da Revolução Russa? O que se destaca?

Referências

  1. DANTAS, Sérgio Augusto de Souza. Antonio Silvino, o cangaceiro, o homem, o mito. São Paulo: Editora Cartigraf, 2006.
  2. FERREIRA, M. “A geração do demônio: um estudo sobre o imaginário anticomunista baiano”. Revista Binacional Brasil Argentina, Vitória da Conquista, v.2, n. 1, julho de 2013.
  3. FERRO, Marc. O ocidente diante da Revolução Soviética: a história e seus mitos. São Paulo: Editora Brasiliense, 1984.
  4. GAY, Peter. A cultura de Weimar. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.
  5. HOBSBAWM, Eric. A Era dos extremos: o breve século XX (1914-1991). São Paulo: Companhia das Letras, 1995.
  6. MACIEL, Laura Antunes. “Produzindo notícias e histórias. Algumas questões em torno da relação telegrafo e imprensa (1890-1920)”. In: FENELON, Déa et ali. Muitas memórias, outras histórias. São Paulo: Olhos d´água, 2004.
  7. MAIA, Andrea Casa Nova (Org.), CARDOSO, Luciene Carris e SANTOS, Vicente S. M. dos. Russos em revista: a Revolução Russa nas revistas ilustradas brasileiras. Rio de Janeiro: Gramma, 2018.
  8. MARTINS, A. L; LUCA, T. R. de. (Orgs.). História da imprensa no Brasil. São Paulo: Contexto, 2008.
  9. McCAULEY, M. Who’s who in Russia since 1900. Londres: Routledge, 1997. https://doi.org/10.4324/9780203284100
  10. MOTTA, Rodrigo Patto Sá. Em guarda contra o perigo vermelho: o anticomunismo no Brasil. São Paulo: Editora Perspectiva/Fapesp, 2002.
  11. OLIVEIRA JUNIOR, Romulo José Francisco de. “Como se consagra um mito. Representações do cangaceiro Antonio Silvino nos cordéis de José Costa Leite”. Revista Tempo Histórico, vol.5, n. 1.
  12. REIS FILHO, Daniel Aarão. As revoluções russas e o socialismo soviético. São Paulo: UNESP, 2003. https://doi.org/10.7476/9788539302703
  13. RÉMOND, René. O século XX: de 1914 aos nossos dias. São Paulo: Cultrix, 1976.
  14. SEGRILLO, A. “Historiografia da Revolução Russa: antiga e novas abordagens”. Projeto História, v. 41, p. 65, dez. 2010. Disponível em: . Acesso em: 10 jul. 2017.