v. 26 n. 1 (2020): Dossiê - Identidades e sexualidades hegemônicas e contra-hegemônicas. Feminidades e masculinidades em tempos autoritários
Seção Livre

Transição política e formação de um partido estadual de oposição : a composição social do núcleo dirigente e o desempenho eleitoral da União Republicana (Estado do Paraná, 1890-1895)

Sandro Aramis Richter Gomes
UFPR
Publicado April 18, 2020
Palavras-chave
  • elites políticas,
  • Estado do Paraná,
  • partidos estaduais
Como Citar
Aramis Richter Gomes, Sandro. 2020. “Transição política E formação De Um Partido Estadual De oposição : A composição Social Do Núcleo Dirigente E O Desempenho Eleitoral Da União Republicana (Estado Do Paraná, 1890-1895)”. Locus: Revista De História 26 (1), 261-87. https://doi.org/10.34019/2594-8296.2020.v26.27603.

Resumo

Neste artigo é analisada a composição social e o desempenho eleitoral da União Republicana, um partido que existiu no Estado do Paraná entre os anos de 1890 e 1895. O objetivo deste artigo é produzir um conhecimento sobre a acomodação das antigas elites provinciais no contexto da vida política da Primeira República. Nesse âmbito, é evidenciado que a citada agremiação foi um refúgio para membros do Partido Liberal que não conseguiram relevantes posições no partido situacionista do estado.

Referências

  1. Alves, Alessandro Cavassin. “A Província do Paraná (1853-1889): a classe política, a parentela no governo”. Tese de doutoramento, Curitiba, Universidade Federal do Paraná, 2014.
  2. Antonacci, Maria Antonieta. RS, as oposições e a Revolução de 23. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1981.
  3. Arruda, Larissa Rodrigues Vacari de. Disputas oligárquicas: as práticas políticas das elites mato-grossenses (1892-1906). São Carlos: Ed. da UFSCar, 2015.
  4. Barbosa, Luciano Senna Peres. Viva o povo de Juiz de Fora: eleições e estratégias discursivas na Primeira República. Juiz de Fora: Ed. da UFJF, 2013.
  5. Bilac, Maria Beatriz Bianchini. “As elites políticas de Rio Claro: um estudo sobre a formação dos setores dirigentes em um município paulista”. Tese de doutoramento, Campinas, Universidade Estadual de Campinas, 1995.
  6. Boehrer, George. Da Monarquia à República: história do Partido Republicano. 2ª ed. Belo Horizonte: Itatiaia, 2000.
  7. Brasil. Dados biográficos dos ministros. Brasília: Serviço de Documentação do Ministério dos Transportes, 1968.
  8. Camelucci, Anderson Luís. “Crise monárquica e experiências de República no município de Franca (1880-1906)”. Dissertação de Mestrado, Franca, Universidade Estadual “Júlio de Mesquita Filho”, 2008.
  9. Castro, Celso. Os militares e a República. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1995.
  10. Charle, Christophe. “A prosopografia ou biografias coletivas: balanço e perspectivas”. Em Por outra história das elites, org. Flávio Heinz, 115-137. Rio de Janeiro: FGV, 2010.
  11. Casalecchi, José Ênio. O Partido Republicano Paulista: política e poder (1889-1926). São Paulo: Brasiliense, 1987.
  12. Chacon, Vamireh. História dos partidos brasileiros. Brasília: Ed. da UnB, 1981.
  13. Corrêa, Amélia Siegel. “Imprensa e política: prosopografia dos redatores e pensamento republicano no final do século XIX”. Dissertação de mestrado, Curitiba, Universidade Federal do Paraná, 2006.
  14. Dantas, José Ibarê. Os partidos políticos em Sergipe, 1889-1964. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1989.
  15. Fernandes, Maria Fernanda Lombardi. A esperança e o desencanto: Silva Jardim e a República. São Paulo: Humanitas, 2008.
  16. Ferreira, Marieta de Moraes. Em busca da Idade de Ouro: as elites políticas fluminenses na Primeira República (1889-1930). Rio de Janeiro: Ed. da UFRJ/Edições Tempo Brasileiro, 1994.
  17. Figueiredo, Vítor Fonseca. “Voto e competição política na Primeira República: o caso de Minas Gerais”. Tese de doutoramento, Juiz de Fora, Universidade Federal de Juiz de Fora, 2016.
  18. Franco, Afonso Arinos de Melo. História e Teoria dos partidos políticos no Brasil. São Paulo: Alfa-Ômega, 1974.
  19. Goulart, Mônica Helena Harrich Silva. “Classe dominante e jogo político na Assembleia Legislativa Paranaense (1889-1930)”. Tese de doutoramento, Curitiba, Universidade Federal do Paraná, 2008.
  20. Granato, Natália Cristina. “O Partido Democrático Paranaense de 1927 a 1930: um estudo de capitais familiares e sociais de seus dirigentes”. Revista do Núcleo de Estudos Paranaenses, 1, n. 4 (2018): 36-55. https://doi.org/10.5380/nep.v4i1.60211
  21. Hollanda, Cristina Buarque de. Modos de representação política na Primeira República. Belo Horizonte: Ed. da UFMG, 2009.
  22. Lenzi, Carlos Alberto Silveira. Partidos e políticos de Santa Catarina. Florianópolis: Editora da UFSC, 1983.
  23. Levi-Moreira, Sílvia. “Liberalismo e democracia na dissidência republicana paulista: estudo sobre o Partido Republicano Dissidente de São Paulo, 1901-1906”. Tese de doutoramento, São Paulo, Universidade de São Paulo, 1991.
  24. Marques, Enéas. Generoso Marques. Curitiba: Impressora Paranaense, 1941.
  25. Martiny, Carina. “Os seus serviços públicos e políticos estão de certo modo ligados à prosperidade do município: constituindo redes e consolidando o poder: uma elite política local (São Sebastião do Caí, 1875-1900)”. Dissertação de mestrado, São Leopoldo, Universidade do Vale do Rio dos Sinos, 2010.
  26. Montenegro, Abelardo. Os partidos políticos no Ceará. Fortaleza: Editora da Universidade Federal do Ceará, 1980.
  27. Oliveira, Ricardo Costa de. O silêncio dos vencedores: genealogia, classe dominante e Estado do Paraná (1853-1930). Curitiba: Moinho do Verbo, 2001.
  28. Pinto, Surama Conde Sá. Só para iniciados: o jogo político na antiga capital federal. Rio de Janeiro: Mauad, 2011.
  29. Prado, Maria Lígia Coelho. A democracia ilustrada: o Partido Democrático de São Paulo, 1926-1934. São Paulo: Ática, 1986.
  30. Resende, Maria Efigênia Lage de. Formação da estrutura de dominação em Minas Gerais: o novo PRM (1889-1906). Belo Horizonte: UFMG/Proed, 1982.
  31. Ricci, Paolo, e Zulini, Jaqueline Porto. “Partidos, competição política e fraude eleitoral: a tônica das eleições na Primeira República”. Dados, 57, n. 2 (2014): 443-479. https://doi.org/10.1590/0011-5258201414
  32. Saes, Guillaume Azevedo Marques de. “O Partido Republicano Paulista e a luta pela hegemonia política (1889-1898)”. Em História do Estado de São Paulo: a formação da unidade paulista, org. João Ricardo de Castro Caldeira, e Nilo Odália, 189-206. São Paulo: Imprensa Oficial, 2010. Vol. 2. São Paulo: Imprensa Oficial, 2010.
  33. Sampaio, Consuelo Novais. Os partidos políticos da Bahia na Primeira República: uma política de acomodação. Salvador: Ed. da UFBA, 1978.
  34. Sêga, Rafael Augustus. Tempos belicosos: a Revolução Federalista no Paraná e a rearticulação da vida político-administrativa do Estado (1889-1907). Curitiba: Aos Quatro Ventos, 2005.
  35. Souza, Lucas Massimo Tonial Antunes de. “A profissionalização da oligarquia no Brasil: um estudo sobre a estrutura da carreira política de senadores na Primeira República”. Tese de doutoramento, Curitiba, Universidade Federal do Paraná, 2018.
  36. Stone, Lawrence. “Prosopografia”. Revista de Sociologia e Política, 19, n. 39 (2011): 115-137. https://doi.org/10.1590/S0104-44782011000200009
  37. Valente, Sílvia Maria Pazello. A presença rebelde na cidade sorriso: contribuição ao estudo do anarquismo em Curitiba. Londrina: Ed. da UEL, 1997.
  38. Vanali, Ana Christina. “Ao povo paranaense: a vida do cidadão Manoel Correia de Freitas”. Tese de doutoramento, Curitiba, Universidade Federal do Paraná, 2017.
  39. Vernalha, Milton Miró. Maragatos X Pica-paus. Curitiba: Editora Lítero-Técnica, 1984.
  40. Viscardi, Cláudia Maria Ribeiro. O Teatro das Oligarquias: uma revisão da política do “café com leite”. Belo Horizonte: Fino Traço, 2012.
  41. Viscardi, Cláudia Maria Ribeiro. Unidos perderemos: a construção do federalismo republicano brasileiro. Curitiba: Editora CRV, 2016.
  42. Zulini, Jaqueline Porto. “Modos do bom governo na Primeira República brasileira: o papel do Parlamento no regime de 1889-1930”. Tese de doutoramento, São Paulo, Universidade de São Paulo, 2016.