Morbidade hospitalar de crianças de zero a nove anos no Hospital Universitário de Lagarto, Sergipe, Brasil: uma análise entre 2013 e 2022

Autores

  • Andreane Meneses Andrade Departamento de Medicina de Lagarto (DMEL), Universidade Federal de Sergipe (UFS) https://orcid.org/0009-0004-0791-2114
  • Ricardo Barbosa Lima Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação e Saúde (GEPES), Universidade Federal de Sergipe (UFS) https://orcid.org/0000-0001-5274-4800
  • Alexandre Machado Andrade Departamento de Medicina de Lagarto (DMEL), Universidade Federal de Sergipe (UFS)

DOI:

https://doi.org/10.34019/1982-8047.2023.v49.42602

Palavras-chave:

Saúde da Criança, Inquéritos de Morbidade, Hospitalização, Hospitais Universitários, Sistema Único de Saúde

Resumo

Introdução: A maioria das crianças apresenta doença ou agravo de saúde que necessita de assistência hospitalar (incluindo internação) em algum momento de sua infância. Os impactos da internação podem ocorrer no crescimento e desenvolvimento infantil e nos custos envolvidos. Objetivo: Avaliar a morbidade hospitalar de crianças de zero a nove anos no Hospital Universitário de Lagarto (HUL), Sergipe, Brasil, nos últimos dez anos. Material e Métodos: Foi realizado um estudo ecológico, do tipo série temporal, considerando a quantidade anual internações hospitalares como variável primária. Foi estimada a tendência temporal da incidência entre 2013 e 2022, além de descrever indicadores de morbidade e comparar a incidência em relação ao sexo, faixa etária e CID-10. O nível de significância foi de 5%. Resultados: Nos últimos dez anos, quase seis mil internações hospitalares de crianças de zero a nove anos foram aprovadas no HUL. O valor médio de cada internação hospitalar foi de R$433,61 com tempo médio de permanência foi de 4,8 dias. A tendência temporal foi estacionária para todas as faixas etárias (menores de um ano, entre um e quatro e entre cinco e nove anos) (p >0,05). Entretanto, a incidência de hospitalizações de crianças menores de um ano foi significativamente maior quando comparada às outras faixas etárias (p <0,05), assim como de crianças do sexo feminino em relação ao masculino (p <0,05). Por fim, observou-se que as doenças do aparelho respiratório foram as mais comuns, cuja incidência foi significativamente superior a todos os outros grupos de doenças do CID-10 (p <0,05). Conclusão: Nos últimos dez anos, o HUL apresentou um padrão morbidade hospitalar com maior prevalência de internações em crianças de 1 a 4 anos e por causas respiratórias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Lulgjuraj D, Maneval RE. A phenomenological study exploring pediatric hospitalization: the voices of accompanied and unaccompanied hospitalized children. J Pediatr Nurs. 2023; 70:68-78. doi: 10.1016/j.pedn.2023.02.007

Coller RJ, Rodean J, Linares DE, Chung PJ, Pulcini C, Hall M et al. Variation in hospitalization rates following emergency department visits in children with medical complexity. J Pediatr. 2019; 214:113-20. doi: 10.1016/j.jpeds.2019.07.034

Rees CA, Neuman MI, Monuteaux MC, Michelson KA, Duggan CP. Mortality during readmission among children in United States children's hospitals. J Pediatr. 2022; 246:161-9. doi: 10.1016/j.jpeds.2022.03.040

Justino DCP, Lopes MS, Machado FCA, Andrade FB. Assessment of the causes of infant morbidity and mortality in Brazil. Mundo Saude. 2021; 45:152-61. doi: 10.15343/0104-7809.202145152161

Oliveira IC, Moreira EAF, Andrade FB. Evaluation of morbidity and mortality by respiratory causes in children under five years old in Northeast Brazil. Rev Cienc Plural. 2020; 6(2):140-55. doi: 10.21680/2446-7286.2020v6n2ID19910

Araújo VLL, Moura MCL, Silva RP, Alencar MFB, Morais EJS, Silva MJC et al. Causes of hospitalization of children aged 0 to 9 years in the state of Piauí: descriptive analysis. Braz J Surg Clin Res. 2019; 27(2):20-4.

Faria RM. The territorialization of Primary Health Care of the Brazilian Unified Health System. Cienc Saude Coletiva. 2020; 25(11):4521-30. doi: 10.1590/1413-812320202511.30662018

Oliveira TL, Santos CM, Miranda LP, Nery MLF, Caldeira AP. Factors associated with the cost of hospitalization for diseases sensitive to Primary Care in the Unified Health System. Cienc Saude Coletiva. 2021; 26(10):4541-52. doi: 10.1590/1413-812320212610.10862021

Araújo YB, Santos SR, Neves NTAT, Cardoso ELS, Nascimento JA. Predictive model of hospitalization for children and adolescents with chronic disease. Rev Bras Enferm. 2020; 73(2):e20180467. doi: 10.1590/0034-7167-2018-0467

Silva GS, Fernandes DRF, Alves CRL. Evaluation of primary child health care in Brazil: a systematic review of methods and results. Cienc Saude Coletiva. 2020; 25(8):3185-200. doi: 10.1590/1413-81232020258.27512018

Souza RR, Vieira MG, Lima CJF. The integral child health care network in the Federal District – Brazil. Cienc Saude Coletiva. 2019; 24(6):2075-84. doi: 10.1590/1413-81232018246.09512019

Merchán-Hamann E, Tauil PL. Proposal for classifying the different types of descriptive epidemiological studies. Epidemiol Serv Saude. 2021; 30(1):e2018126. doi: 10.1590/s1679-49742021000100026

Malta M, Cardoso LO, Bastos FI, Magnanini MM, Silva CM. STROBE initiative: guidelines on reporting observational studies. Rev Saude Publica. 2010; 44(3):559-65. doi: 10.1590/S0034-89102010000300021

Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (BR). Hospital Universitário de Lagarto [Internet]. Lagarto: Ebserh; 2023 [citado em 2024 out 25]. Disponível em: https://www.gov.br/ebserh/pt-br/hospitais-universitarios/regiao-nordeste/hul-ufs.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (BR). Cidades e estados [Internet]. Brasília: IBGE; 2023 [citado em 2024 out 25]. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados.

Ministério da Saúde (BR). Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (DATASUS) [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2023 [citado em 2024 out 25]. Disponível em: https://datasus.saude.gov.br/.

Bittencourt SA, Camacho LA, Leal MC. Hospital information systems and their application in public health. Cad Saude Publica. 2006; 22(1):19-30. doi: 10.1590/s0102-311x2006000100003

World Health Organization. ICD-10: International Statistical Classification of Diseases and Related Health Problems 10th revision [Internet]. Genebra: WHO; 2023 [citado em 2024 out 25]. Disponível em: https://icd.who.int/.

Ministério da Saúde (BR). Conselho Nacional de Saúde. Resolução n° 510, de 7 de abril de 2016 [Internet]. 2016 [citado em 2024 out 25]. Disponível em: https://conselho.saude.gov.br/images/comissoes/conep/documentos/NORMAS-RESOLUCOES/Resoluo_n_510_-_2016_-_Cincias_Humanas_e_Sociais.pdf

Souza AC, Ferreira H, Contiero AP, Silva RMM, Zilly A, Furtado MCC et al. Hospital morbidity of children under five years old in a Brazilian border municipality. Rev Min Enferm. 2022; 26(1):e-142. doi: 10.35699/2316-9389.2022.38662

Carvalho CN, Fortes S, Castro APB, Cortez-Escalante J, Rocha TAH. The COVID-19 pandemic and hospital morbidity due to mental and behavioral disorders in Brazil: an interrupted time series analysis, from January 2008 to July 2021. Epidemiol Serv Saude. 2023; 32(1):e2022547. doi: 10.1590/S2237-96222023000100016

Pagano M, Gauvreau K, Heather M. Principles of bioestatistics. 3. ed. Boca Raton: CRC Press; 2022.

Latorre MRDO, Cardoso MRA. Time series analysis in epidemiology: an introduction to methodological aspects. Rev Bras Epidemiol. 2001; 4(3):145-52. doi: 10.1590/S1415-790X2001000300002

Antunes JLF, Cardoso MRA. Using time series analysis in epidemiological studies. Epidemiol Serv Saude. 2015; 24(3):565-76. doi: 10.5123/S1679-49742015000300024

Alexandrino A, Xavier BLQ, Oliveira FB, Santos ABMV, Quirino ALS, Andrade FB. Morbimortality from respiratory system diseases in Brazil: an ecological study. Rev Cienc Plural. 2022; 8(2):1-21. doi: 10.21680/2446-7286.2022v8n2ID25243

Beber LCC, Gewehr DM, Cecconello L, Sulzbacher MM, Heck TG, Berlezi EM. Risk factors for respiratory disease in Brazilian children: integrative review. RIES. 2020; 9(1):26-38. doi: 10.33362/ries.v9i1.1660

Barreto AKCP, Holanda ER, Souza HPJ, Souza BFN. Predictor factors of the acute respiratory infection in preschools attended by a public daycare center. Rev Min Enferm. 2021; 25(1):e-1394. doi: 10.5935/1415.2762.20210042

Garcia LOS, Ferreira L. Morbidities related to hospital instruments for children younger than four years living in Espírito Santo state. RBPS. 2019; 21(3):23-9.

Moura EC, Cortez-Escalante J, Lima RTS, Cavalcante FV, Alves LC, Santos LMP. Mortality in children under five years old in Brazil: evolution from 2017 to 2020 and the influence of COVID-19 in 2020. J Pediatr. 2022; 98(6):626-34. doi: 10.1016/j.jped.2022.03.004

Macedo SE, Menezes AM, Albernaz E, Post P, Knorst M. Risk factors for acute respiratory disease hospitalization in children under one year of age. Rev Saude Publica. 2007; 41(3):351-8. doi: 10.1590/s0034-89102007000300005

Ribeiro MGC, Araujo Filho ACA, Rocha SS. Children's hospitalizations by sensitive conditions in primary care in the Northeast of Brazil. Rev Bras Saude Mater Infant. 2019; 19(2):491-8. doi: 10.1590/1806-93042019000200013

Santana DM, Barbosa-Lima R, Andrade AM. Impacto da pandemia de COVID-19 na atuação do pediatra e do odontopediatra no Sistema Único de Saúde do Brasil. Rev Cienc Saude. 2023; 13(2):52-8. doi: 10.21876/rcshci.v13i2.1419

Martínez-Navarro G, Lozano-Zafra C, Caballero-Chabrera F, Modesto-Alapont V, Oltra-Benavent M. COVID-19 impact on the emergency and hospitalization of a tertiary hospital: management lessons learned. Enferm Infecc Microbiol Clin. 2022; 40(9):503-6. doi: 10.1016/j.eimce.2022.06.001

Downloads

Publicado

2024-03-14

Como Citar

1.
Andrade AM, Lima RB, Andrade AM. Morbidade hospitalar de crianças de zero a nove anos no Hospital Universitário de Lagarto, Sergipe, Brasil: uma análise entre 2013 e 2022. HU Rev [Internet]. 14º de março de 2024 [citado 15º de julho de 2024];49:1-8. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/42602

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.