Avaliação da adequabilidade da amostra e da representatividade dos elementos da zona de transformação nos exames colpocitológicos realizados em um município do Leste de Minas Gerais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34019/1982-8047.2023.v49.42601

Palavras-chave:

Neoplasias do Colo do Útero, Teste de Papanicolaou, Sistemas de Informação em Saúde

Resumo

Introdução: O câncer do colo do útero é um dos mais frequentes na população feminina. Objetivo: Realizar um levantamento dos exames colpocitológicos realizados no município de Governador Valadares (GV), a fim de avaliar a frequência de amostras satisfatórias e insatisfatórias para avaliação oncótica, o percentual de esfregaços que apresentaram representatividade dos elementos da zona de transformação e comparar com os dados nacionais e do estado de Minas Gerais (MG). Material e Métodos: Foi realizado um estudo observacional, retrospectivo, a partir de dados obtidos do Sistema de Informação do Câncer (SISCAN). Foi verificado o quantitativo de exames colpocitológicos realizados, a frequência de amostras satisfatórias e insatisfatórias para avaliação oncótica, o percentual de esfregaços que apresentavam representatividade da junção escamo-colunar, o quantitativo de amostras rejeitadas, além do tempo gasto para a realização dos exames em cada esfera, no período de janeiro de 2016 a dezembro de 2021. Resultados: A taxa de amostras insatisfatórias para avaliação oncótica foi de 1,2%, 1,0% e 0,7% (Brasil, MG e GV, respectivamente), sendo a presença de artefatos de dessecamento o principal motivo, principalmente na faixa etária dos 50 aos 54 anos, em todas as esferas. Essa taxa foi significativamente mais alta em GV que aquelas observadas em MG e no Brasil. A partir dos 45 anos em GV e dos 55 anos no Brasil e MG, a maioria das amostras não apresentou elementos da zona de transformação no esfregaço. Foram rejeitadas 0,36%, 0,23% e 0,013% das amostras no Brasil, MG e GV, respectivamente, com destaque para aquelas com ausência ou erro na identificação da lâmina. A liberação dos resultados ocorreu de forma significativamente mais rápida em GV. Conclusão: Tais achados justificam a necessidade de treinamento dos profissionais envolvidos com a coleta, a fim de possibilitar a obtenção de amostras de melhor qualidade e resultados mais confiáveis.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Instituto Nacional de Câncer (BR). Estimativa 2023: incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro: INCA; 2022.

Magalhães JC, Morais LSF, Plewka J, Turkiewicz M, Amaral RG. Avaliação dos indicadores de qualidade dos exames citopatológicos do colo do útero realizados em um município do Paraná, Brasil. J Bras Patol Med Lab. 2020; 56:1-7.

Santos JN, Gomes RS. Sentidos e percepções das mulheres acerca das práticas preventivas do câncer do colo do útero: Revisão integrativa da literatura. Rev Bras Câncer. 2022; 68(2). doi: 10.32635/2176-9745.RBC2022v68n2.1632

Almeida LMR, Moreira MR. Análise comparativa dos resultados dos exames colpocitológicos realizados em Governador Valadares-MG com aqueles realizados no país, região sudeste e Minas Gerais. Rev Bras Anal Clin. 2019; 51(4):306-14.

Instituto Nacional do Câncer (BR). Manual de gestão da qualidade para laboratório de citopatologia. 2. ed. rev. ampl. Rio de Janeiro: INCA; 2016.

Instituto Nacional do Câncer (BR). Detecção precoce do câncer. Rio de Janeiro: INCA; 2021.

Goulart ES, Andrade MC. O exame colpocitológico sob a ótica da mulher. Res Soc Develop. 2022; 11(10). doi: 10.33448/rsd-v11i10.32300

Galvão EFB, Silva MJM, Esteves FAM, Peres AL. Frequência de amostras insatisfatórias dos exames preventivos do câncer de colo uterino na rede pública de saúde, em município do agreste pernambucano. Rev Paraense Med. 2015; 29(2):51-6.

Instituto Nacional do Câncer (BR). Sistema de informação do câncer (SISCAN): módulo 1: apresentação, controle de acesso, fluxo de informação, integração com outros sistemas, vinculação. Rio de Janeiro: INCA; 2021.

Ministério da Saúde (BR). Sistema de informação do câncer (SISCAN): colo do útero e mama [Internet]. [citado em 25 out. 2022]. Disponível em: https://datasus.saude.gov.br/acesso-a-informacao/sistema-de-informacao-do-cancer-siscan-colo-do-utero-e-mama/

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (BR). Cidades e estados [Internet]. [citado em 15 jan. 2023]. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados/mg/governador-valadares.html

Ministério da Saúde (BR). Técnico em citopatologia: caderno de referência 1: citopatologia ginecológica. Brasília: Ministério da Saúde; Rio de Janeiro: CEPESC; 2012.

Instituto Nacional do Câncer (BR). Diretrizes brasileiras para o rastreamento do câncer do colo do útero. 2. ed. rev. atual. Rio de Janeiro: INCA; 2016.

Davilla MS, Primo CC, Almeida MV, Leite FM, Sant’Anna HC, Jensen R. Objeto virtual de aprendizagem sobre rastreamento do câncer do colo do útero. Acta Paul Enferm. 2021; 34:eAPE00063. doi: 10.37689acta-ape/2021AO00063

Lins, LML. Avaliação de amostras rejeitadas e insatisfatórias de exames citopatológicos do colo do útero no setor de citologia do Laboratório de Análises Clínicas (LAPAC), em Ouro Preto-MG [trabalho de conclusão de curso]. Ouro Preto: Universidade Federal de Ouro Preto; 2022.

Jakobczynski, J, Frighetto M, Perazzoli M, Dambros BP, Dallazem B, Kirschnick A et al. Capacitação dos profissionais de saúde e seu impacto no rastreamento de lesões precursoras do câncer de colo uterino. Rev Bras Anal Clin. 2018; 50(1):80-5.

Silva RF, Simões RS, Girão JHR, Carbonel AAF, Teixeira CP, Sasso GRS. Tratamento da atrofia vaginal da mulher na pós-menopausa. Reprod Clim. 2017; 32(1):43-7.

Backes, LTH, Mezzomo LC, Buffon A, Calil LN. Análise citomorfológica de esfregaços citológicos cervicais de mulheres com idade superior a 60 anos. J. Bras Patol Med Lab. 2019; 55(2):142-7.

Rodrigues DD, Santos NF, Bordoni GP, Borges LL, Ribeiro AA. Associação da qualidade das amostras aos fatores obscurecedores dos exames citopatológicos encaminhados a um laboratório escola de Goiânia, Goiás. Rev Bras Anal Clin. 2022; 54(3):275-81.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Controle dos cânceres do colo do útero e da mama. 2 ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2013. (Cadernos de Atenção Básica, n. 13)

Gasparin VA, Pitilin EB, Bedin R, Metelski FK, Geremia DS, Filho CCS et al. Fatores associados à representatividade da zona de transformação em exames citopatológicos do colo uterino. Cogitare Enferm. 2016; 21(2):1-9.

Rodrigues JF, Moreira BA, Alves TGS et al. Rastreamento do câncer do colo do útero na região ampliada Oeste de Minas Gerais, Brasil. Rev Enferm Cent O Min. 2016; 6 (2):2156-68 doi: 10.19175/recom.v6i2.1075

Damacena AM, Luz LL, Mattos IE. Rastreamento do câncer do colo do útero em Teresina, Piauí: estudo avaliativo dos dados do Sistema de Informação do Câncer do Colo do Útero, 2006-2013. Epidemiol Serv Saúde. 2017; 2(1):71-80.

Downloads

Publicado

2024-03-20

Como Citar

1.
Batista Rocha Luiz T, Rodrigues Moreira M. Avaliação da adequabilidade da amostra e da representatividade dos elementos da zona de transformação nos exames colpocitológicos realizados em um município do Leste de Minas Gerais. HU Rev [Internet]. 20º de março de 2024 [citado 23º de maio de 2024];49:1-7. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/42601

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)