Análise de prontuários de uma Unidade de Terapia Intensiva Neonatal no Leste de Minas Gerais, Brasil

Autores

  • Marissa Rocha Santos Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Eliane Moreira Garcia da Silva Hospital Municipal de Governador Valadares, Governador Valadares, Minas Gerais, Brasil.
  • Maiane Fernandes Ferreira Hospital Evangélico de Vila Velha, Vila Velha, Espírito Santo, Brasil.
  • Débora Souza de Paula Departamento de Fisioterapia, Universidade Federal de Juiz de Fora, Governador Valadares, Minas Gerais, Brasil.
  • Arinês de Oliveira Santos Departamento de Fisioterapia, Universidade Federal de Juiz de Fora, Governador Valadares, Minas Gerais, Brasil.
  • Ester Cardoso Alves Departamento de Fisioterapia, Universidade Federal de Juiz de Fora, Governador Valadares, Minas Gerais, Brasil.
  • Cristino Carneiro Oliveira Departamento de Fisioterapia, Universidade Federal de Juiz de Fora, Governador Valadares, Minas Gerais, Brasil. https://orcid.org/0000-0001-6546-0225
  • Laura Alves Cabral Departamento de Fisioterapia, Universidade Federal de Juiz de Fora, Governador Valadares, Minas Gerais, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-8315-4114

DOI:

https://doi.org/10.34019/1982-8047.2022.v48.38257

Palavras-chave:

Epidemiologia, Recém-nascido, Unidades de Terapia Intensiva Neonatal

Resumo

Introdução: Recém-nascidos estão vulneráveis a diversos fatores de risco ao nascimento e que podem levar ao óbito, como prematuridade, baixo peso ao nascer e sepse congênita. Pesquisas sobre características e perfil de saúde dos RN hospitalizados nas Unidade de Terapia Intensiva Neonatal (UTIN) do Leste do estado de Minas Gerais ainda são pouco documentadas. O conhecimento e a análise dessas características poderão viabilizar futuros projetos de pesquisas e planejamento de ações de saúde que possam aperfeiçoar os cuidados neonatais prestados. Objetivo: Descrever e analisar as características maternas, de nascimento e do período de internação de RN hospitalizados em uma UTIN do leste do estado de Minas Gerais. Métodos: Estudo descritivo, tranversal com análise de prontuários de RN admitidos e hospitalizados em UTIN de hospital público na cidade de Governador Valadares, Minas Gerais, com registro de dados por meio de ficha padronizada. Os dados foram analisados por meio de medidas descritivas. Resultados: Observou-se que 66,1% dos partos foram do tipo cesáreo e 56,1% das mulheres eram casadas; 63,7% dos RN possuíam diagnóstico de prematuridade e desconforto respiratório, 56,9% eram do sexo masculino, idade gestacional com mediana de 35 semanas (23-42, min-max); 61,5% apresentaram peso adequado para idade gestacional; 77,9% dos RN utilizaram ventilação não invasiva (VNI), 81,4 % evoluíram para alta; e 11% foram a óbito. Conclusão: A maioria das mães cujos RN estavam hospitalizados na UTIN era casada e o tipo de parto mais comum foi o cesáreo. Os RN foram caracterizados como maioria do sexo masculino, com peso adequado ao nascimento, com diagnóstico de internação mais comum de prematuridade e desconforto respiratório. A maioria dos RN necessitou de suporte VNI.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Atenção à saúde do recém-nascido: guia para os profissionais da saúde [Internet]. [citado em 2019 jun 20]. Brasília: Ministério da Saúde; 2014. Acesso em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/atencao_saude_recem_nascido_v1.pdf.

Orsido TT, Asselfa NA. Predictors of neonatal mortality in neonatal intensive care unit at referral Hospital in Southern Ethiopia: a retrospective cohort study. BMC Pregnancy Childbirth. 2019; 5:1-9. doi: 10.1186/s12884-019-2227-5.

World Health Organization. United Nations Children’s Fund. World Bank Group. United Nations Inter-agency Group for Child Mortality Estimation. Levels e trends in child mortality: report 2018 [Internet]. [citado em 2022 ago 22]. Genebra: World Health Organization; 2018. Acesso em: https://www.unicef.org/reports/levels-and-trends-childmortality-report-2018

Adaji SE, Jimoh A, Bawa U, Ibrahim HI, Olorukooba AA, Adelaiye H et al. Women’s experience with group prenatal care in a rural community in northern Nigeria. Int J Gynecol Obstet. 2019; 145:164-9. doi: 10.1002/ijgo.12788.

Lehtonen L, Gimeno A, Parra-Llorca A, Vento M. Early neonatal death: a challenge worldwide. Semin Fetal Neonatal Med. 2017; 22:153-60.

Prezotto KH, Oliveira RR, Pelloso SM, Fernandes CAM. Tendência da mortalidade neonatal evitável nos estados do Brasil. Rev Bras Saúde Mater Infant. 2021; 21(1):301-9.

Saltarelli RMF, Prado RR do, Monteiro RA, Malta DC. Tendência da mortalidade por causas evitáveis na infância: contribuições para a avaliação de desempenho dos serviços públicos de saúde da região Sudeste do Brasil. Rev Bras Epidemiol. 2019; 22:e190020.

Fanelli S, Zangrandi A. Assessment for improving the performance of NICUs: the Italian experience. Health Serv Manage Res. 2017; 30:168-78. doi: 10.1177/0951484817710856.

Doubova SV, Josefa-Garcia H, Coronado-Zarco IA, Carrera-Muiños S, Cordero-Gonzales G, Cruz-Reynoso L et al. Evaluating the quality of the process of care and clinical outcomes of premature newborns admitted to neonatal intensive care units in Mexico. Int J Qual Health Care. 2018; 30:608-17. doi: 10.1093/intqhc/mzy061.

Melo CB, Santos AF, Queiroz TCN, Silva NLC, Alves HJ. Telemonitoring of neonatal intensive care units: preliminary experience in the state of Minas Gerais, Brazil. Am J Perinatol. 2019; 36:393-8. doi: 10.1055/s-0038-1668558.

Prefeitura Municipal de Governador Valadares (BR). Federalização do hospital municipal: mais uma conquista [Internet]. [citado em 2019 jun 27]. Governador Valadares: Brasil; 2015. Acesso em: http://www.valadares,mg.gov.br/detalhe-da-materia/info/federalização-do-hospital-municipal-mais-uma-conquista/22213.

Hidalgo-Lopezosa P, Jiménez-Ruz A, Carmona-Torres JM, Hidalgo-Maestre M, Rodríguez-Borrego MA, López-Soto PJ. Sociodemographic factors associated with preterm birth and low birth weight: a cross-sectional study. Women Birth. 2019; 32(6):e538-e543. doi: 10.1016/j.wombi.2019.03.014.

Veloso FCS, Kassar L de ML, Oliveira MJC, Lima THB, Bueno NB, Gurgel RQ et al. Analysis of neonatal mortality risk factors in Brazil: a systematic review and meta-analysis of observational studies. J Pediatr. 2019; 797:1-12. doi: 10.1016/j.jpedp.2019.05.020.

Govender D, Naidoo S, Taylor M. Scoping review of risk factors of and interventions for adolescente repeat pregnancies: a public health perspective. Afr J Prm Health Care Fam Med. 2018; 10:1-10. doi: 10.4102/phcfm.v10i1.1685.

Tomasi E, Agner P, Fernandes A, Fischer T, Carlos F, Siqueira V et al. Qualidade da atenção pré-natal na rede básica de saúde do Brasil: indicadores e desigualdades sociais. Cad Saude Publica. 2017; 33:1-11. doi: 10.1590/0102-311X00195815.

Aldrighi JD, Ribeiro SDS, Wall ML, Züge SS, Souza SRRK, Piler AA. Perfil sociodemográfico e obstétrico de mulheres em idade materna avançada. Rev Enferm UFSM. 2018; 8:423-37. doi: 10.5902/2179769225922.

Mensch BS, Chuang EK, Melnikas AJ, Psaki SR. Evidence for causal links between education and maternal and child health: systematic review. Trop Med Int Health. 2019; 24:504-22. doi: 10.1111/tmi.13218.

Nguefack CT, Ebongue CO, Chokotheu CN, Ewougo CE, Njamen TN, Mboudou E. Clinical presentation, risk factors and pathogens involved in bacteriuria of pregnant women attending antenatal clinico of 3 hospitals in developing country: a cross sectional analytic study. BMC Pregnancy Childbirth. 2019; 19:1-6. doi: 10.1186/s12884-019-2290-y.

Kaduma J, Seni J, Chuma C, Kirita R, Mujuni F, Mushi MF et al. Urinary tract infections and preeclampsia among pregnant women attending two hospitals in Mwanza City, Tanzania: A 1:2 matched case-control study. Biomed Res Int. 2019; 2019:1-8. doi: 10.1155/2019/3937812.

Briscoe K, Haas D. Developing a core outcome set for cesarean delivery maternal infections morbidity outcomes. Am J Perinatol. 2019; doi: 10.1055/s-0039-1681095.

Chen H, Tan D. Cesarean section or natural childbirth? Cesarean birth may damage your health. Front Psychol. 2019; 10:1-7; doi: 10.3389/fpsyg.2019.00351.

Quaresma ME, Almeida AC, Méio MDB, Lopes JMA, Peixoto MVM. Factors associated with hospitalization during neonatal period. J Pediatr. 2018; 94:390-8; doi: 10.1016/j.jpedp.2017.10.003.

Mohammed K, Shaban I, Al-Akour N, Kassab M, Creedy D. Low birth weight in Jordan: a hospital-based study. J Matern Fetal Neonatal Med. 2019; doi: 10.1080/14767058.2019.1567707.

Marcuatú A, Malvera S. Perfil de recém-nascidos prematuros de muito baixo peso hospitalizados em unidade de cuidados intensivos neonatais. Rev Bras Ciênc Saúde. 2017; 21:5-10.

Silva LV, De Araújo LB, De Oliveira Azevedo VMG. Assessment of the neuropsychomotor development in the first year of life of premature infants with and without bronchopulmonary dysplasia. Rev Bras Ter Intensiva. 2018; 30:174-80. doi: 10.5935/0103-507X.20180023.

Álvares-Fuente M, Arruza L, Muro M, Zozaya C, Avila A, López-Ortego P et al. The economic impacto f prematurity and bronchopulmonary dysplasia. Eur J Pediatr. 2017; 176:1587-93. doi: 10.1007/s00431-017-3009-6.

Fonseca LT, Senna DC, Silveira RC, Procianoy RS. Association between breast milk and brochopulmonary dysplasia: a single center observational study. Am J Perinatol. 2017; 34:264-9; doi: 10.1055/s-0036-1586503.

Downloads

Publicado

2022-12-12

Como Citar

1.
Rocha Santos M, Moreira Garcia da Silva E, Fernandes Ferreira M, Souza de Paula D, de Oliveira Santos A, Cardoso Alves E, Carneiro Oliveira C, Alves Cabral L. Análise de prontuários de uma Unidade de Terapia Intensiva Neonatal no Leste de Minas Gerais, Brasil. hu rev [Internet]. 12º de dezembro de 2022 [citado 4º de fevereiro de 2023];48:1-9. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/38257

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)