Barreiras e facilitadores para o encaminhamento de pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica à reabilitação pulmonar e indicação à prática de atividade física: um estudo qualitativo

Autores

  • Laura Dorásio Universidade Federal de Juiz de Fora, Campus Governador Valadares https://orcid.org/0000-0002-9777-3899
  • Hugo Henrique de Oliveira Universidade Federal de Juiz de Fora, Campus Governador Valadares https://orcid.org/0000-0001-6187-1844
  • Luis Henrique Gomes Neves Programa de Pós-graduação em Ciências da Reabilitação e Desempenho Físico-funcional da Universidade Federal de Juiz de Fora – Campus Governador Valadares. Governador Valadares- Minas Gerais
  • Isabella da Silva Teixeira Universidade Federal de Juiz de Fora, Campus Governador Valadares
  • Laura Alves Cabral Programa de Pós-graduação em Ciências da Reabilitação e Desempenho Físico-funcional da Universidade Federal de Juiz de Fora – Campus Governador Valadares. Governador Valadares- Minas Gerais https://orcid.org/0000-0002-8315-4114
  • Cristino Oliveira Programa de Pós-graduação em Ciências da Reabilitação e Desempenho Físico-funcional da Universidade Federal de Juiz de Fora – Campus Governador Valadares. Governador Valadares- Minas Gerais https://orcid.org/0000-0001-6546-0225

DOI:

https://doi.org/10.34019/1982-8047.2022.v48.36278

Palavras-chave:

Atenção Primária à Saúde, Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica, Reabilitação, Exercício Físico

Resumo

Introdução: A doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) possui alta prevalência e gera altos custos aos sistemas de saúde. A reabilitação pulmonar (RP) é uma intervenção não-farmacológica que gera benefícios clínicos para os pacientes e economia de gastos para o sistema devido a redução do número de exacerbações da doença e internações hospitalares. Embora fortemente recomendada, a RP tem sido subutilizada havendo um baixo índice de indicações. Objetivo: Identificar as barreiras e os facilitadores para o encaminhamento de pacientes com DPOC à RP e à prática de atividade física. Métodos: Estudo qualitativo, realizado com médicos atuantes na atenção primária à saúde (APS) e uso de entrevistas semiestruturadas. As entrevistas foram gravadas e transcritas literalmente e submetidas a análise de conteúdo. Itens identificados nos discursos e relacionados ao encaminhamento de pacientes com DPOC à RP e à prática de atividade física foram classificados como barreiras ou facilitadores. Tal classificação se baseou entre os quatorze domínios da Theoretical Domains Framework (TDF) e suas definições para identificar determinantes de comportamento entre os participantes relevantes para a mudança na prática clínica. Resultados: Setecentos e cinquenta e seis itens foram identificados nos discursos de vinte e um participantes e classificados como sendo barreiras (n= 279, 37%) ou facilitadores (n= 477, 63%) relacionados principalmente aos domínios da TDF de "Conhecimento" (n= 245, 32%), "Contexto e recursos ambientais" (n= 124, 16%) e "Papel e identidade social/profissional" (n= 107, 14%). Conclusão: As principais barreiras identificadas foram relacionadas aos programas de RP devido ao conhecimento restrito dos profissionais médicos sobre programas de RP, a disponibilidade reduzida de locais que oferecem estes programas e as dificuldades de acesso dos pacientes à RP. Os principais facilitadores identificados foram relacionados a orientação e o conhecimento pelos médicos sobre os benefícios da atividade física e presença dos grupos de exercícios fornecidos na APS.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Global Initiative for Chronic Obstructive Lung Disease. From the global strategy for the diagnosis, management and prevention of COPD, GOLD, 2020. [citado em 2020 mar]. Acesso em: http://www.goldcopd.org/.

Melo TG, Santoni NB, Finkelstein BJ, Veiga DLP, Nascimento MHS, Rosito FCA. Hospitalization rates and costs associated with chronic obstructive pulmonary disease among states standardized versus not standardized tiotropium – real-world data. J Bras Econ Saúde. 2018; 10(1):29-35.

Hurts JR, Skolnik N, Hansen GJ, Anzueto A, Donaldson GC, Dransfield MT et al. Understanding the impact of chronic obstructive pulmonary disease exacerbations on patient health and quality of life. Eur J Intern Med. 2020; 73:1-6.

Ministério da Saúde (BR). Epidemiológicas e morbidade. [citado em 2022 fev]. Acesso em: https://datasus.saude.gov.br/informacoes-de-saude-tabnet/.

Zeng Y, Jiang F, Chen Y, Chen P, Cai S. Exercise assessments and trainings of pulmonary rehabilitation in COPD: a literature review. Int J Chron Obstruct Pulmon Dis. 2018; 26(13):2013-23.

Farias CC, Resqueti V, Dias FAL, Silva AB, Arena R, Fregonezi GAF. Costs and benefits of pulmonary rehabilitation in chronic obstructive pulmonary disease: a randomized controlled trial. Braz J Phys Ther. 2014; 18(2):165-73.

Spruit MA, Burtin C, Boever P, Langer D, Vogiatzis I, Wouters EFM et al. COPD and exercise: does it make a difference? Breathe. 2016; 12(2):38-49.

Rochester CL, Vogiatzis I, Holland AE, Lareau SC, Marciniuk DD, Puhan MA et al. ATS/ERS Task force on policy in pulmonary rehabilitation: an official american thoracic society/european respiratory society policy statement: enhancing implementation, use, and delivery of pulmonary rehabilitation. Am J Respir Crit Care Med. 2015; 192(11):1373-86.

Cox NS, Oliveira CC, Lahham A, Holland AE. Pulmonary rehabilitation referral and participation are commonly influenced by environment, knowledge, and beliefs about consequences: a systematic review using the Theoretical Domains Framework. J Physiother. 2017; 63(2):84-93.

Nishi SP, Zhang W, Kuo YF, Sharma G. Pulmonary rehabilitation utilization in older adults with chronic obstructive pulmonary disease, 2003 to 2012. J Cardiopulm Rehabil Prev. 2016; 36(5):375-82.

Hayton C, Clark A, Olive S, Browne P, Galey P, Knights E et al. Barriers to pulmonary rehabilitation: characteristics that predict patient attendance and adherence. Respir Med. 2013; 107(3):401-7.

Keating A, Lee A, Holland AE. What prevents people with chronic obstructive pulmonary disease from attending pulmonary rehabilitation? A systematic review. Chron Respir Dis. 2011; 8(2):89-99

Johnston K, Somers KG. Pulmonary rehabilitation: overwhelming evidence but lost in translation? Physiother Can. 2010; 62:368-73.

Ministério da Saúde (BR). Política nacional de atenção básica. Brasília: 2017. [citado em 2020 mar]. Acess em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt2436_22_09_2017.html.

Harrison SL. Reviewing and applying qualitative research to inform management of chronic obstructive pulmonary disease. Chron Resp Dis. 2019; 16:1-3.

Minayio MCS. Sampling and saturation in qualitative research: consensusesand controversies. Rev Pesq Quali. 2017; 5(7):1-12.

Cane J, O'Connor D, Michie S. Validation of the theoretical domains framework for use in behaviour change and implementation research. Implement Sci. 2012; 7(37):1-17.

O’Brien BC, Harris IB, Beckman TJ, Reed DA, Cook DA. Standards for reporting qualitative research: a synthesis of recommendations. Acad Med. 2014; 89(9):1245-51.

Huijg JM, Gebhardt WA, Crone MR, Dusseldorp E, Presseau J. Discriminant content validity of a theoretical domains framework questionnaire for use in implementation research. Implement Sci. 2014; 9(11):1-16.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Doenças respiratórias crônicas. Brasília: 2010. [citado em 2020 jun]. Acesso em: http:// https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/doencas_respiratorias_cronicas.pdf.

Johnston KN, Young M, Grimmer KA, Antic R, Frith PA. Barriers to, and facilitators for, referral to pulmonary rehabilitation in COPD patients from the perspective of Australian general practitioners: a qualitative study. Prim Care Respir J. 2013; 22(3):319-24.

Vimalananda VG, Meterko M, Waring ME, Qian S, Solch A, Wormwood JB et al. Tools to improve referrals from primary care to specialty care. Am J Manag Care. 2019; 25(8):e237-e242.

Ministério da Saúde (BR). e-Gestor Atenção Básica. Cobertura da atenção básica. Brasília: 2017. [citado em 2020 jun]. Acesso em: http://egestorab.saude.gov.br/pagina/acessoPublico/relatorio/relHistoricoCoberturaAB.xhtml.

Li Y, Qian H, Yu K, Huang Y. Nonadherence in home-based pulmonary rehabilitation program for COPD patients. Can Resp J. 2020; 2020:5146765.

Cox NS, McDonald CF, Hill CJ, O'Halloran P, Alison JA, Zanaboni P et al. Telerehabilitation for chronic respiratory disease. Cochrane Database Syst Rev. 2018; 2018(6):CD013040.

Lahham A, McDonald CF, Mahal A, Lee AL, Hill CJ, Brge AT et al. Home-based pulmonary rehabilitation for people with COPD: a qualitative study reporting the patient perspective. Chron Respir Dis. 2018; 15(2):123-30.

Hansen H, Bieler T, Beyer N, Kallemose T, Wilcke JT, Ostergaard LM et al. Supervised pulmonary tele-rehabilitation versus pulmonary rehabilitation in severe COPD: a randomised multicentre trial. Thorax. 2020; 75(5):413-21.

Friedrich TL, Petermann XB, Miolo SB, Pivetta HMF. Motivações para práticas coletivas na atenção básica: percepção de usuários e profissionais. Interface. 2017; 22(65):373-85.

Damo HS, Petermann XB, Miolo SB, Pivetta HMF. Perfil profissional dos médicos atuantes na Estratégia Saúde da Família no município de Campo Grande - MS. Rev Psicologia. 2013; 16(25):125-37.

Costa SM, Prado MCM, Andrade TN, Araujo EPP, Junior WSS, Filho ZCG et al. Perfil do profissional de nível superior nas equipes da estratégia saúde da família em Montes Claros, Minas Gerais, Brasil. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2013; 8(27):90-6.

Downloads

Publicado

2022-05-12

Como Citar

1.
Dorásio da Silva LB, de Oliveira HH, Gomes Neves LH, da Silva Teixeira I, Alves Cabral L, Oliveira C. Barreiras e facilitadores para o encaminhamento de pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica à reabilitação pulmonar e indicação à prática de atividade física: um estudo qualitativo. hu rev [Internet]. 12º de maio de 2022 [citado 26º de maio de 2022];48:1-9. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/36278

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)