A sala de espera com a psicologia como lugar de suporte ao familiar cuidador do paciente renal crônico em hemodiálise: um relato de experiência

un relato de experiencia

Autores

  • Karine Soriana Silva de Souza Serviço de Psicologia, Hospital Universitário da Universidade Federal de Juiz de Fora (HU-UFJF/EBSERH), Minas Gerais https://orcid.org/0000-0003-3763-6478
  • Daniela de Oliveira Martins Mendes Daibert Unidade de Nefrologia, Hospital Universitário da Universidade Federal de Juiz de Fora (HU-UFJF/EBSERH), Minas Gerais https://orcid.org/0000-0001-9342-7684
  • Priscilla Aparecida de Aquino Batista Noé Serviço de Psicologia, Hospital Universitário da Universidade Federal de Juiz de Fora (HU-UFJF/EBSERH), Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.34019/1982-8047.2021.v47.35562

Palavras-chave:

Salas de Espera, Psicologia Hospitalar, Saúde Mental, Hemodiálise, Familiar-cuidador

Resumo

Introdução: O envelhecimento populacional tem acarretado grandes mudanças na incidência e prevalência de doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) e dentre elas está a doença renal crônica (DRC), considerada atualmente um grande problema de saúde pública. Uma das terapêuticas utilizadas no tratamento da DRC em estágio final é a hemodiálise, que exige uma série de mudanças e adaptações na vida do paciente. O adoecimento para a família cuidadora configura-se como um momento doloroso e de difícil enfrentamento, no qual ela precisa de reorganizações e adaptações recorrentes. Regularmente, um familiar assume os cuidados e muitas vezes suas necessidades são negligenciadas ou não priorizadas. Desse modo, a psicologia como parte da equipe multiprofissional de assistência, tem o papel de promover espaços de acolhimento e cuidado ao cuidador. Objetivos: Descrever a experiência de uma sala de espera com familiares e cuidadores de pacientes da Unidade de Nefrologia do Hospital Universitário de Juiz de Fora (HU-UFJF/Ebserh). Relato de Experiência: A sala de espera aconteceu no período de setembro a dezembro de 2020 objetivando propiciar um espaço de acolhimento, apoio, troca de experiências e discussões de temas relevantes que perpassam o cuidar. As intervenções aconteceram quinzenalmente, com duração média de uma hora e foram conduzidas por duas psicólogas residentes. Os encontros contavam com a presença de em média cinco familiares e as temáticas foram propostas pelos próprios participantes. Foram realizados nove encontros com a discussão de temas como: resiliência, empatia, estilos de comunicação e conflitos familiares. Conclusão: A intervenção possibilitou um espaço de escuta, acolhimento, reflexão e troca de experiências, proporcionando a participação ativa desses cuidadores e a humanização do cuidado.  Além disso, pode-se concluir que a sala de espera pode ser uma ferramenta potente a ser utilizada pelo psicólogo no contexto das doenças crônicas, principalmente no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Barreto MS, Carreira L, Marcon SS. Envelhecimento populacional e doenças crônicas: reflexões sobre os desafios para o Sistema de Saúde Pública. Revista Kairós Gerontologia. 2015; 18(1):325-39.

International Society of Nephrology. ISN Global Kidney Health Atlas [Internet]. [citado em 2021 Jul 01]. 2019. Acesso em: https://www.scielo.br/j/jbn/a/QwHfyDrdJ3DHqhsJfPtT5QM/?format=pdf&lang=pt

Neves PDMM, Sesso RCC, Lugon JR, Nascimento MM. Inquérito brasileiro de diálise 2019. Braz J Nephrol. 2021; 43(2):217-27.

Slegar CT, Zulkarnaln, Nasution SZ, Purba JM, Karota E, Bayhakkl et al. Family concern: facilitating self-management of patients undergoing hemodialysis. Enfermería Clínica. 2020; 30:10-3.

Siregar CT, Zulkarnain, Nasution SZ, Purba JM, Karota E, Bayhakki et al. Family concern: facilitating self-management of patients undergoing hemodialysis. Enferm Clin. 2021; 30(S3):10-3.

Pedroso VSM, Siqueira HCH. Insuficiência renal crônica: o processo de adaptação familiar. Ensaios Cienc Cienc Biol Agrar Saúde. 2016; 20(2):79-85.

Schwartz E, Muniz RM, Burille A, Zillmer JGV, Silva DA, Feijó AM et al. As redes de apoio no enfrentamento da doença renal crônica. Rev Mineira Enferm. 2009; 13(2):193-201.

Sajadi SA, Ebadi A, Moradian ST. Quality of life among family caregivers of patients on hemodialysis and its relevant factors: a systematic review. International journal of community based nursing and midwifery. 2017; 5(3):206-18.

Pereira BS, Fernandes NS, Melo NP, Abrita R, Grincenkov FRS, Fernandes NMS. Beyond quality of life: a cross sectional study on the mental health of patients with chronic kidney disease undergoing dialysis and their caregivers. Health and Quality of Life Outcomes. 2017; 15:74.

Tong A, Sainsbury P, Craig JC. Support interventions for caregivers of people with chronic kidney disease: a systematic review. Nephrol Dial Transplant. 2008; 23(12):3960-5.

Maldaner CR, Beuter M, Brondani CM, Budó MLD, Pauletto MR. Fatores que influenciam a adesão ao tratamento na doença crônica: o doente em terapia hemodialítica. Rev Gaúcha Enferm. 2008; 29(4):647-53.

Celik G, Annagur BB, Yılmaz M, Demir T, Kara F. Are sleep and life quality of family caregivers affected as much as those of hemodialysis patients? Gen Hosp Psychiatry. 2012; 34(5):518-24.

Ministério da Saúde (BR). Portaria n° 389, de 13 de março de 2014 [Internet]. [citado em 2021 Jul 01]. 2014. Acesso em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2014/prt0389_13_03_2014.html

Rosa J, Barth PO, Germani ARM. A sala de espera no agir em saúde: espaço de educação e promoção à saúde. Perspectiva. 2011; 35(129):121-30.

Teixeira ER, Veloso RC. O grupo em sala de espera: território de práticas e representações em saúde. Texto Contexto Enfermagem. 2006; 15(2):320-5.

Malagris LN, Miyazaki MC, Domingos NAM, Zanin CR. Terapia cognitivo-comportamental em grupo para demandas em contextos de saúde. In: Neufeld CB, Rangé BP. Terapia cognitivo-comportamental em grupos: das evidências à prática. Porto Alegre: Artmed; 2017. p. 359-72.

Silva MCOS, Silva KL, Silva PAB, Silva LB, Vaz FMO. A sala de espera como espaço de educação e promoção de saúde à pessoa com insuficiência renal crônica em hemodiálise. J Res Fundam Care Online. 2013; 5(3):253-63.

Nóbrega VM, Coutinho SED, Reichert APS, Collet N, Silva KL. Imposições e conflitos no cotidiano das famílias de crianças com doença crônica. Esc Anna Nery. 2012; 16(4):781-8.

Santos AF. A resiliência e sua forma de promoção em famílias que convivem com a doença crônica [Trabalho de conclusão de curso]. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais; 2011.

Cruz TH, Perlini NMOG, Beuter M, Coppetti LC, Dalmolin A, Piccin C. Apoio social percebido por cuidadores familiares de pacientes renais crônicos em hemodiálise. Rev Min Enferm. 2018; 22:e-1119.

Downloads

Publicado

2022-01-06

Como Citar

1.
Silva de Souza KS, de Oliveira Martins Mendes Daibert D, Aparecida de Aquino Batista Noé P. A sala de espera com a psicologia como lugar de suporte ao familiar cuidador do paciente renal crônico em hemodiálise: um relato de experiência: un relato de experiencia. hu rev [Internet]. 6º de janeiro de 2022 [citado 13º de agosto de 2022];47:1-7. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/35562

Edição

Seção

Relato de Experiência