Prevalência de resultados positivos de VDRL (Venereal Disease Research Laboratory) e análise das variáveis epidemiológicas em pacientes atendidos no serviço de saúde pública.

  • Aline Augusta Sampaio Fernandes Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Ana Luísa Almeida Regina Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Ana Cláudia Chagas de Paula Ladvocat Universidade Federal de Juiz de Fora
  • João Carlos Marques Félix Laboratório Central (LACEN) da Prefeitura de Juiz de Fora
  • Joelma de Souza Coimbra Ishii Laboratório Central (LACEN) da Prefeitura de Juiz de Fora
  • Paula Rocha Chellini Universidade Federal de Juiz de Fora
Palavras-chave: Sífilis. VDRL. Saúde Pública. Prevalência.

Resumo

A sífilis é uma infecção causada pelo Treponema pallidum de transmissão sexual, sanguínea e vertical. Apesar de ser de fácil diagnóstico e tratamento, sua incidência vem aumentando no Brasil nos últimos anos, sendo considerado um problema de saúde pública no país e no mundo. Este trabalho buscou a conhecer a ocorrência de resultados positivos de VDRL (Venereal Disease Research Laboratory) entre o período de 2014 a 2016 na população atendida nos serviços de saúde da prefeitura de Juiz de Fora/MG, bem como suas características epidemiológicas. Foram analisados 25.735 resultados de VDRL do banco de dados do Laboratório Central (LACEN) da prefeitura de Juiz de Fora. Os resultados reagentes foram então relacionados com as variáveis ano, gênero, idade, gestantes ou não e região da cidade em que se realizou o exame. A prevalência de resultados positivos foi de 5,55%, com maior número de casos registrados em 2015. Os casos reagentes foram mais prevalentes na região central, nos homens e obteve-se maior predomínio para a faixa etária de 12 a 18 anos. No período de agosto de 2015 a dezembro de 2016, entre as mulheres, foi observada uma maior positividade no teste de VDRL em não gestantes. Os dados obtidos nesse estudo apontaram para aumento da prevalência de sífilis entre 2014 e 2015, seguido de uma queda no ano seguinte, entre a população atendida pelo SUS, sendo os homens jovens a população de maior risco. Tais dados podem contribuir para as políticas de saúde pública de prevenção e tratamento da sífilis.

Referências

A cidade. Juiz de Fora: Prefeitura de Juiz de Fora, 2016. Disponível em: https://pjf.mg.gov.br/cidade/caracteristicas_gerais.php. Acesso em 19 dez. 2017.

ALBERTSEN, N.; MULVAD, G.; PEDERSEN, M. L. Incidence of syphilis in Greenland 2010-2014: The beginning of a new epidemic? International Journal of Circumpolar Health, v. 74, p. 28378, jul. 2015.

ALBUQUERQUE, A. C. C. et al. Soroprevalência e fatores associados ao Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV) e sífilis em presidiários do Estado de Pernambuco, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, v. 19, n. 7, p. 2125-2132, jul. 2014.

BOFF, D. et al. Prevalência de vdrl reagente em doadores do hemocentro regional de cruz alta – rs, brasil, no período de 2003 a 2009. Revista de Patologia Tropical, v. 40, n. 2, p. 179-184, abr-jun. 2011.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.012, de 19 de outubro de 2016. Aprova o Manual Técnico para o Diagnóstico da Sífilis e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Seção 1. p 25, 20 out. 2016. Disponível em:

http://www.aids.gov.br/pt-br/legislacao/portaria-no-2012-de-19-de-outubro-de-2016. Acesso em 20 dez. 2017.

BRASIL. Secretaria de Vigilância em Saúde − Ministério da Saúde. Boletim Epidemiológico: Sífilis. Brasília, 2017. Disponível em:

http://www.aids.gov.br/pt-br/legislacao/portaria-no-2012-de-19-de-outubro-de-2016. Acesso em 20 dez. 2017.

CALLEGARI, F. M. et al. Syphilis and HIV co-infection in patients who attend an AIDS outpatient clinic in Vitoria, Brazil. AIDS and Behavior, v. 18, n. 01, p. 104–109, jan. 2014.

CARVALHO, I. S.; BRITO, R. S. Sífilis congênita no Rio Grande do Norte: estudo descritivo do período 2007-2010. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 23, n. 2, p. 287-294, abr-jun. 2014.

CERDEIRA, C. A.; LOPES, V. G. S. Sífilis congénita en el siglo XXI, Actas Dermo-Sifiliográficas, v. 103, n. 8, p. 679-693, oct. 2012.

COSTA, C. C. et al. Sífilis congênita no Ceará: análise epidemiológica de uma década. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 47, n. 1, p. 152-159, fev. 2013.

DIVINO, J. C. Avaliação sorológica para doenças transmissíveis por transfusão em receptores de sangue do Hospital Geral de Palmas – TO. 70 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Hemoterapia e Biotecnologia). Faculdade de Medicina, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2015.

DORADO, J. S. et al. Infecciones por treponemas: Sífilis. Medicine, v. 11, n. 51, p. 2993-3002, mar. 2014.

ECDC. European Centre for Disease Prevention and Control. Relatório epidemiológico anual 2014 - infecções sexualmente transmissíveis, incluindo HIV e vírus transmitidos pelo sangue. Stockholm; 2014.

FERREIRA, A. V.; ÁVILA, S. L. M. Diagnóstico laboratorial das principais doenças infecciosas e auto-imunes. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2001.

KALININ, Y. et al. Sífilis: aspectos clínicos, transmissão, manifestações orais, diagnóstico e tratamento. Odonto, v. 23, n. 45-46, p. 65-76, out. 2015.

LAFETÁ, K. R. G. et al. Sífilis materna e congênita, subnotificação e difícil controle. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 19, n. 1, p. 63-74, jan-mar. 2016.

MCGETTRICK, P. et al. Syphilis serology in pregnancy: an eight-year study (2005–2012) in a large teaching maternity hospital in Dublin, Ireland. International Journal of STD & AIDS, v. 27, n. 3, p. 226–230, mar. 2016.

MESQUITA, K. O. et al. Análise dos casos de sífilis congênita em Sobral, Ceará: contribuições para assistência pré-natal. Jornal Brasileiro de Doenças Sexualmente Transmissíveis, v. 24, n. 1, p. 20-27, mai. 2012.

NOGUEIRA, F. J. S. et al. Caracterização dos usuários atendidos em um centro de testagem e aconselhamento em infecções relacionadas ao sexo. Revista de Pesquisa em Saúde, v. 10, n. 2, p. 243-250, mai-ago. 2017.

PINTO, V. M. et al. Prevalência de Sífilis e fatores associados a população em situação de rua de São Paulo, Brasil, com utilização de Teste Rápido. Revista Brasileira de Epidemiologia, p. 341-354, abr-jun. 2014.

PIRES, M. C. G. et al. Prevalence of syphilis, diagnostic methods and associated factors in patients treated in the laboratory of health Foundation of Vitória da Conquista (BA). Jornal Brasileiro de Doenças Sexualmente Transmissíveis, v. 25, n. 4, p. 171-176, set. 2013.

ROJAS, M. M.; DIAS, R. M.; ARAÚJO, E. C. Dez anos de sífilis congênita em maternidade de referência na Amazônia brasileira. Revista Paraense de Medicina, v. 29, n. 1, p. 7-10, jan-mar. 2015.

SANTOS, C. L. Sífilis congênita e gestação: revisão de literatura. 25 f. (Monografia em Ginecologia e Obstetrícia). Hospital do Servidor Público Municipal, São Paulo, 2015.

SILVA, Z. F.; TEIXEIRA, K. S. S.; NASCIMENTO, D. S. Pacientes portadores de sífilis atendidos em uma unidade terciária em Fortaleza: perfil sociodemográfico. Revista Brasileira de Análises Clínicas, v. 49, n. 1, p. 105-109, set. 2017.

SOUSA-PINTO, B.; FREITAS, A.; LISBOA, C. Syphilis hospitalisations in Portugal over the last decade. European Journal of Clinical Microbiology & Infectious Disease, v. 35, p. 169-174, nov. 2016.

XIAO, Y. et al. Factors associated with syphilis infection: a comprehensive analysis based on a case-control study. Epidemiology & Infection, v. 144, p. 1165-1174, apr. 2016.

WHO. Word Health Organization. Who guidelines for the Treatment of Treponema pallidum (syphilis). Geneva, 2016.

Disponível em: https://www.who.int/reproductivehealth/publications/rtis/syphilis-treatment-guidelines/en/ . Acesso em 20 dez. 2017.

Publicado
2019-01-09
Como Citar
Fernandes, A. A. S., Regina, A. L. A., Ladvocat, A. C. C. de P., Félix, J. C. M., Ishii, J. de S. C., & Chellini, P. R. (2019). Prevalência de resultados positivos de VDRL (Venereal Disease Research Laboratory) e análise das variáveis epidemiológicas em pacientes atendidos no serviço de saúde pública. HU Revista, 43(4), 383 - 390. https://doi.org/10.34019/1982-8047.2017.v43.2969
Seção
Artigos Originais