Estado nutricional, fatores de risco e comorbidades em adultos portadores de diabetes mellitus tipo 2

  • Alice Dias da Silva Instituto Federal do Sudeste de Minas Gerais – Campus Barbacena, Barbacena, Brasil
  • Newton Matos Júnior Instituto Federal do Sudeste de Minas Gerais – Campus Barbacena, Barbacena, Brasil
  • Dênis Derly Damasceno Instituto Federal do Sudeste de Minas Gerais – Campus Barbacena, Barbacena, Brasil
  • Nathalia Sernizon Guimarães Instituto Federal do Sudeste de Minas Gerais – Campus Barbacena, Barbacena, Brasil
  • Júnia Maria Geraldo Gomes Instituto Federal do Sudeste de Minas Gerais – Campus Barbacena, Barbacena, Brasil
Palavras-chave: Estado Nutricional, Diabetes Mellitus Tipo 2, Consumo de Alimentos, Dieta, Doença Crônica

Resumo

Introdução: A caracterização do perfil nutricional das pessoas com diabetes tipo 2 pode favorecer a adoção de medidas que reduzam as comorbidades e complicações da doença. Objetivo: Avaliar o estado nutricional, fatores de riscos e comorbidades em indivíduos adultos com diabetes tipo 2. Material e Métodos: Foi realizado um estudo transversal com 30 indivíduos com diabetes tipo 2 e idade entre 18 e 59 anos, no município de Barbacena – MG. Foram avaliadas variáveis socioeconômicas e de estilo de vida (fumo, atividade física, medicamentos, etilismo, dentre outras), do consumo alimentar (calorias totais, macronutrientes, uso de adoçantes, preparo das refeições, etc.), antropométricas e de composição corporal (perímetro da cintura, perímetro do braço, perímetro do quadril, perímetro da panturrilha, peso, altura e percentual de gordura). Resultados: A maioria da amostra foi constituída por mulheres (66,7%), as quais apresentaram maiores valores de índice de massa corporal, relação cintura-quadril, relação cintura-estatura e percentual de gordura corporal em relação aos homens. Observou-se elevada prevalência de sobrepeso e obesidade entre os participantes de ambos os sexos. Metade da amostra encontrava-se com glicemia de jejum <130 mg/dL, sendo que estes indivíduos apresentaram menores valores de índice de massa corporal (P=0.04), perímetro da cintura (P=0.05), perímetro do quadril (P=0.02), relação cintura-estatura (P=0.03) e percentual de gordura corporal (P=0.05). Os indivíduos com glicemia <130 mg/dL apresentaram menor consumo de carboidratos e lipídios em relação ao que estavam com glicemia >130 mg/dL. Conclusão: A obesidade foi uma comorbidade de elevada frequência na amostra avaliada, o que é preocupante devido à sua associação com descontrole glicêmico e risco de complicações. O consumo alimentar relacionou-se ao controle glicêmico e estado nutricional, demonstrando a necessidade de uma dieta equilibrada e diminuição gradual de peso para os indivíduos com diabetes, visando um melhor controle do diabetes e qualidade de vida.

Referências

American Diabetes Association. Standards of Medical Care in Diabetes: 2016. Diabetes Care, 2018; 41(Supplement 1):S1-S159.

Cho NH, Shaw JE, Karuranga S, Huang Y, Rocha Fernandes JD, Ohlrogge AW et al. IDF Diabetes Atlas: global estimates of diabetes prevalence for 2017 and projections for 2045. Diabetes Res Clin Pract. 2018; 138:271-81.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Orientações para a coleta e análise de dados antropométricos em serviços de saúde: norma técnica do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional – SISVAN. Brasília: Ministério da Saúde; 2011. 76 p.

World Health Organization. Physical status: the use and interpretation of anthropometry. Geneva: WHO, 1995. [acesso em 2018 nov 20]. Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/37003/WHO_TRS_854.pdf;jsessionid=127F95F0457FC70809DFAE680C4F30F?sequence=1

McArdle WC, Katch FI, Katch VL. Fisiologia do exercício. In: Energia e desempenho humano. Rio de Janeiro: Koogan; 1991.

World Health Organization. Measuring obesity: classification and distribution of anthropometric data. Copenhagen: WHO; 1989.

Haun Ramos D, Gondim FJ, Lessa I. Razão cintura/estatura comparado a outros indicadores antropométricos de obesidade como preditor de risco coronariano elevado. Rev Ass Med Bras. 2009; 55(6):705-11.

Frisancho AR. Anthropometric standards for the assessment of growth and nutritional status. Michigan: University Michigan Press; 1990.

Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica. Diretrizes brasileiras de obesidade 2016. 4. ed. São Paulo: ABESO; 2016.

Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil do Rio de Janeiro (BR). Sub-Secretaria de Promoção, Atenção Primária e Vigilância em Saúde, Gerência do Programa de Hipertensão. Técnica de aferição da pressão arterial. Rio de Janeiro: Prefeitura Municipal do Rio de Janeiro; 2011. [acesso em 2018 out 15] Disponível em: <http://www.rio.rj.gov.br/dlstatic/10112/123738/DLFE1760.pdf/tecnicadeafericao.pdf>

Sociedade Brasileira de Cardiologia. 7ª Diretriz Brasileira de Hipertensão Arterial. Arq Bras Cardiol. 2016; 107(3):10-1.

World Health Organization. Obesity: preventing and managing the global epidemic. Report of a WHO Consultation. WHO Technical Report Series 894. Geneva: WHO; 2000.

Oliveira LMSM, Souza MFC, Souza LA, Melo IRC. Adesão ao tratamento dietético e evolução nutricional e clínica de pacientes com diabetes mellitus tipo 2. HU Rev. 2016; 42(4):277-82.

Bernini LS, Barrile SR, Mangili AF, Arca EA, Correr R, Ximenes MA et al. O impacto do diabetes mellitus na qualidade de vida de pacientes da Unidade Básica de Saúde. Cad Ter Ocup. 2017; 25(3):533-41.

Sociedade Brasileira de Diabetes. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes 2017-2018. São Paulo: Clannad; 2017. [acesso 2018 nov 20]. Disponível em: https://www.diabetes.org.br/profissionais/images/2017/diretrizes/diretrizes-sbd-2017-2018.pdf

Carvalho VBL, Vieira EES, Araujo JS, Fonseca CD, Carvalho ABB. Composição corporal, adiposidade central e controle glicêmico em diabéticos tipo 2 atendidos em ambulatório de hospital universitário. ABRAN, 2018; 11:e327.

Rocha SR, Souza MP, Paegle ACRO, Santos ACO. Avaliação do controle glicêmico pela glicemia capilar, de usuários diabéticos tipo 2, em um serviço de atenção básica no município do Recife. Cad Grad Cienc Biol. 2017; 3(1):83-94.

Ferreira MF, Detrano F, Coelho, GMO, Barros ME, Lanzillotti RS, Neto JFN et al. Body composition and basal metabolic rate in women with type 2 diabetes mellitus. J Nutr Metab. 2014; 2014(1):1-9.

Honda TSB, Yoshioka FKN, Fernandes HF, Fernandes HF, Garcia ACR et al. Avaliação do controle glicêmico em pacientes com diabetes mellitus tipo 2 acompanhados pelo programa de saúde da família no município de Parnaíba. Rev Polít Públicas. 2015; 14(1):97.

Almeida JS, Almeida JM. A educação em saúde e o tratamento do diabetes mellitus tipo 2 em uma unidade de família. Rev Fac Cie Med Soro. 2018; 20(1):13-7.

Lima LRA, Rech CR, Petroski EL. Utilização da impedância bioelétrica para estimativa da massa muscular esquelética em homens idosos. Arch Latinoam Nutr. 2008; 58(4):386-91.

Andrew SJ, Pollock LM, Gettman LR. Intertester reliability of selected skinfold and circumference measurements and percent fat estimates: research quarterly. Res Q Am Ass Health. 1978; 49(4):546-51.

Souza GDS, Silva DR, Souza MF, Almeida EC, Bueno SMV. Perfil de portadores de diabetes mellitus tratados na atenção básica de Araçatuba - SP: a importância da educação crítico-social. Arq Cienc Saúde. 2014; 18(2):101-5.

Martins C, Cardoso SP. Parte 1: terapia nutricional enteral e parenteral: manual de rotina técnica. In: Martins C, Cardoso SP. Fórmula de bolso para manutenção, ganho e perda de peso. Curitiba: Nutroclínica; 2000.

Pryer JA, Vrijheid M, Nichols R, Kiggins M, Elliott P. Who are the ‘low energy reporters’ in the dietary and nutritional survey of British adults? Int J Epidemiol. 1997; 26(1):146-54.

Slattery ML, Edwards SL, Caan B. Low-energy reporters: evaluation of potential differential reporting incase-control studies. Nutr Cancer. 2002; 42(2):173-9.

Scott AR. The management of the hyperosmolar hyperglycaemic state in adults with diabetes : a summary of a report from the Joint British Diabetes Societies for Inpatient Care. Br J Diabetes Vasc Dis. 2015; 15(2):89-93.

Castro BB, Andrade TC. Estudo comparativo entre os níveis de glicemia venosa e glicemia capilar. Universitas: Ciências da Saúd. 2010; 7(2): 29-37.

Monteiro SCM, Gomes E, Belfort IK, Avelar MF, Sampaio RM. Análise comparativa da determinação de glicemia capilar e venosa com glicosímetro versus dosagem laboratorial. Rev Pesq Saúde. 2015; 16(1):41-4.

Eickemberg M, Oliveira CC, Roriz AKC, Sampaio LR. Bioimpedância elétrica e sua aplicação em avaliação nutricional. Rev Nutr. 2011; 24(6):873-82.

Publicado
2020-05-18
Como Citar
1.
Dias da Silva A, Matos Júnior N, Damasceno DD, Guimarães NS, Gomes JMG. Estado nutricional, fatores de risco e comorbidades em adultos portadores de diabetes mellitus tipo 2. hu rev [Internet]. 18º de maio de 2020 [citado 25º de outubro de 2020];460:1-. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/28790
Seção
Artigos Originais